Fitossociologia da comunidade lenhosa de uma área de cerrado rupestre no Parque Estadual dos Pireneus, Pirenópolis, Goiás

Autores

  • Iona'i Ossami Moura Universidade de Brasília
  • Vera Lúcia Gomes Klein Universidade Federal de Goiás
  • Jeanine Maria Felfili Universidade de Brasília
  • Heleno Dias Ferreira Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.5216/rbn.v4i2.5208

Palavras-chave:

Brasil, Cerrado, diversidade, estrutura comunitária, Goiás, Serra dos Pireneus

Resumo

Este trabalho teve como objetivo estudar a composição florística e a estrutura fitossociológica de uma área de cerrado sensu stricto sobre afloramentos rochosos no Parque Estadual dos Pireneus, município de Pirenópolis, Goiás. A área de estudo localiza-se entre as coordenadas 15o47’71’’S - 48o49’96’’W e 15o47’77’’S - 48o50’15’’W, a 1.355 m de altitude. Foram sorteadas dez parcelas de 20m x 50 m para proceder à amostragem de todos os indivíduos lenhosos com DB(30cm) ? 5cm. Foram encontradas 30 famílias botânicas, contendo 45 gêneros e 56 espécies. A família Myrtaceae apresentou a maior riqueza de espécies (8), seguida por Fabaceae e Melastomataceae (6 cada), Malpighiaceae (4) e Clusiaceae (3). A densidade observada foi de 507 indivíduos/ha, a área basal, de 3,91m2/ha e as árvores mortas em pé representaram 9,07% do número total de indivíduos. O índice de Shannon (H’) foi de 3,33 nats/ind. Os índices de similaridade de Czekanowski entre parcelas indicaram que a diversidade beta foi alta, principalmente pela diferenciação na densidade de indivíduos entre parcelas. A área apresentacomposição florística característica da região, com espécies adaptadas à pequena profundidade do solo e ao substrato rochoso, e espécies generalistas das fisionomias de Cerrado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Agência Ambiental de Goiás & Nativa. 2002. Parque Estadual dos Pireneus. Relatório inicial: contextualização do parque. Goiânia.

Agência Ambiental de Goiás & Nativa. 2003a. Consolidação dos subsídios da oficina de planejamento: elaboração de serviços de engenharia e de plano de manejo do Parque Estadual da Serra dos Pireneus. Goiânia.

Agência Ambiental de Goiás & Nativa. 2003b. Parque Estadual da Serra dos Pireneus. Relatório parcial: consolidação das pesquisas de campo. Goiânia.

Alho, C. J. R. & E. S. Martins. 1995. De grão em grão o cerrado perde espaço. WWF, Brasília, 66 pp.

Almeida Júnior, J. M. G. 1993. Uma proposta de ecologia humana para o cerrado, p. 569-583. In: M. N. Pinto (Org), Cerrado: caracterização, ocupação e perspectivas. Brasília, Editora da Universidade de Brasília – Edunb, Secretaria do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia – SEMATEC.

Amaral, A. G., F. F. O. Pereira, & C. B. R. Munhoz. 2006. Fitossociologia de uma área de cerrado rupestre na Fazenda Sucupira, Brasília-DF. Cerne 12: 350-359.

Andrade, L. A. Z., J. M. Felfili & L. Violatti.

Fitossociologia de uma área de cerrado denso na RECOR-IBGE, Brasília – DF. Acta Bot. Bras. 16: 225-240.

Assunção, S. L. & J. M. Felfili. 2004. Fitossociologia de um fragmento de cerrado sensu stricto na APA do Paranoá, DF, Brasil. Acta Bot. Bras. 18: 903-909.

Eiten, G. 1972. The Cerrado vegetation of Brazil. Bot. Rev. 38: 201-341.

Eiten, G. 1993. Vegetação do cerrado, p. 17-73. In: M. N. Pinto (Org), Cerrado: caracterização, ocupação e perspectivas. Brasília, Editora da Universidade de Brasília – Edunb, Secretaria do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia – SEMATEC.

Felfili, J. M. & C. W. Fagg. 2007. Floristic composition, diversity and structure of the “cerrado” sensu stricto on rocky soils in northern Goiás and southern Tocantins, Brazil. Rev. Bras. Bot. 30: 375-385.

Felfili, J. M. & J. Imaña-Encinas. 2001. Suficiência da amostragem no cerrado sensu stricto das quatro áreas estudadas na Chapada do Espigão Mestre São Francisco, p. 31-35. In: J. M. Felfili & M. C. Silva Júnior (Orgs), Biogeografia do bioma cerrado: estudo fitofisionômico na Chapada do Espigão Mestre do São Francisco. Brasília, Universidade de Brasília.

Felfili, J. M. & M. C. Silva Júnior. 1992. Floristic composition, phytosociology and comparison of cerrado and gallery forest at Fazenda Água Limpa, Federal District, Brazil, p. 393-416. In: P. A. Furley, J. Proctor & J. A. Ratter (Eds), Nature and dynamics of forest-savanna boundaries. London, Chapman & Hall.

Felfili, J. M. & M. C. Silva Júnior. 2001. Biogeografia do bioma cerrado: estudo fitofisionômico na Chapada do Espigão Mestre do São Francisco. Universidade de Brasília, Departamento de Engenharia Florestal, Brasília, 152 pp.

Felfili, J. M. & M. C. Silva Júnior. 2005. Diversidade alfa e beta no cerrado sensu stricto, Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais e Bahia, p. 143-154. In: A. Scariot, J. C. Sousa-Silva & J. M. Felfili (Orgs), Cerrado: ecologia, biodiversidade e conservação. Brasília, Ministério do Meio Ambiente.

Felfili, J. M., M. C. Silva Júnior, A. C. Sevilha, A. V. Rezende, P. E. Nogueira, B. M. T. Walter, F. C. Silva & M. A. S. Salgado. 2001a. Fitossociologia da vegetação arbórea, p. 35-56. In: J. M. Felfili & M. C. Silva Júnior (Orgs), Biogeografia do bioma cerrado: estudo fitofisionômico na Chapada do Espigão Mestre do São Francisco. Brasília, Universidade de Brasília, Departamento de Engenharia Florestal.

Felfili, J. M., M. C. Silva Júnior, A. C. Sevilha, C. W. Fagg, B. M. T. Walter, P. E. Nogueira & A. V. Rezende. 2004. Diversity, floristic and structural patterns of cerrado vegetation in Central Brazil. Plant Ecol. 175: 37-46.

Felfili, J. M., M. C. Silva Júnior, A. V. Rezende, J. W. B. Machado, B. M. T. Walter, P. E. Nogueira & J. D. Hay. 1993. Análise comparativa da florística e fitossociologia da vegetação arbórea do cerrado sensu stricto na Chapada Pratinha, DF – Brasil. Acta Bot. Bras. 6: 27-46.

Felfili, J. M., M. C. Silva Júnior, A. V. Rezende, P. E. Nogueira, B. M. T. Walter, M. C. Felfili, M. A. Silva & J. Imaña-Encinas. 1997. Comparação florística e fitossociológica do cerrado nas Chapadas Pratinha e dos Veadeiros, p. 6-11. In: L. L. Leite & C. H. Saito (Eds), Contribuição ao conhecimento ecológico do Cerrado. Brasília, Editora da Universidade de Brasília.

Felfili, J. M., P. E. Nogueira, M. C. Silva Júnior, B. S. Marimon & W. B. C. Delitti. 2002. Composição florística e fitossociologia do cerrado sentido restrito no município de Água Boa – MT. Acta Bot. Bras. 16: 103-112.

Felfili, J. M., R. C. Mendonça, B. M. T. Walter, M. C. Silva Júnior, M. G. Nóbrega, C. W. Fagg, A. C. Sevilha & M. A. Silva. 2001b. Flora fanerogâmica das matas de galeria e ciliares do Brasil Central, p. 195- 263. In: J. F. Ribeiro, C. E. L. Fonseca & J. C. Sousa-Silva (Orgs), Cerrado: caracterização e recuperação de matas de galeria. Planaltina, Embrapa.

Felfili, M. C. & J. M. Felfili. 2001. Diversidade alfa e beta no cerrado sensu stricto da Chapada Pratinha, Brasil. Acta Bot. Bras. 15: 243-254.

Felfili, J. M. & R. P. Rezende. 2003. Conceitos e métodos em fitossociologia. Universidade de Brasília, Departamento de Engenharia Florestal, Brasília, 68 pp.

Fonseca, M. S. & M. C. Silva Júnior. 2004. Fitossociologia e similaridade florística entre trechos de Cerrado sentido restrito em interflúvio e em vale no Jardim Botânico de Brasília, DF. Acta Bot. Bras. 18: 19-29.

Fundação Biodiversitas. 2008. Revisão da lista da flora brasileira ameaçada de extinção. Disponível em: <http://www.biodiversitas.org.br/florabr/consulta_fim.asp>. Acesso em: 20 jun. 2008.

Furley, P. A. 1999. The nature and diversity of neotropical savanna vegetation with particular reference to the Brazilian cerrados. Global Ecol. Biogeogr. 8: 223-241.

Kent, M. & P. Coker. 1992. Vegetation description and analysis. Belhaven Press, London, 363 pp.

Klink, C. A. & R. B. Machado. 2005. Conservation of the Brazilian cerrado. Cons. Biol. 19: 707-713.

Kovach, W. L. 1993. MVSP – Multivariate Statistical Package, version 3.1. Kovach Computing Services, Pentraeth.

Magurran, A. E. 2004. Measuring biological diversity. Blackwell Publishing, Oxford, 256 pp.

McCune, B. & J. B. Grace. 2002. Analysis of ecological communities. MjM Software Design, Gleneden Beach, 300 pp.

Mendonça, R. C., J. M. Felfili, B. M. T. Walter, M. C. Silva Júnior, A. V. Rezende, T. S. Filgueiras & P. E. Nogueira. 1998. Flora vascular do cerrado, p. 289-556. In: S. M. Sano & S. P. Almeida (Eds), Cerrado: ambiente e flora. Planaltina, Embrapa.

Miranda, I. S., M. L. Absy & G. H. Rebêlo. 2003. Community structure of woody plants of Roraima savannahs, Brazil. Pl. Ecol. 164: 109-123.

Moura, I. O. 2006. Fitossociologia de cerrado sensu stricto sobre afloramentos rochosos no Parque Estadual dos Pireneus, Pirenópolis, Goiás. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

Mueller-Dombois, D. & H. Ellenberg. 1974. Aims and methods of vegetation ecology. John Wiley & Sons, New York, 547 pp.

Munhoz, C. B. R. & C. E. B. Proença. 1998. Composição florística do município de Alto Paraíso de Goiás na Chapada dos Veadeiros. Bol. Herb. E. P. Heringer 3: 102-150.

Myers, N., R. A. Mittermeier, C. G. Mittermeier, G. A. B. Fonseca & J. Kent. 2000. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature 403: 853-858.

Nogueira, P. E., J. M. Felfili, M. C. Silva Júnior, W. Delitti & A. C. Sevilha. 2001. Composição florística e fitossociologia de um cerrado sentido restrito no município de Canarana, MT. Bol. Herb. E. P. Heringer 8: 28-43.

Oliveira-Filho, A. T. & J. A. Ratter. 2002. Vegetation physionomies and wood flora of the Cerrado Biome, p. 91-120. In: P. S. Oliveira & R. J. Marquis (Eds), The Cerrados of Brazil: ecology and natural history of a neotropical savanna. New York, Columbia University Press.

Peixoto, A. B. F. 1985. Marcgraviaceae, p. 1-32. In: J. Rizzo (Ed), Flora do estado de Goiás. Goiânia, Editora da Universidade Federal de Goiás. (Coleção Rizzo).

Péllico Netto, S. & D. A. Brena. 1997. Inventário florestal. Editorado pelos autores, Curitiba, 316 pp.

Ratter, J. A., S. Bridgewater & J. F. Ribeiro. 2003. Analysis of the floristic composition of the Brazilian cerrado vegetation III: comparison of the wood vegetation of 376 areas. Edinb. J. Bot. 60: 57-109.

Ratter, J. A., S. Bridgewater, J. R. Ribeiro, T. A. B. Dias & M. R. Silva. 2000. Estudo preliminar da distribuição das espécies lenhosas da fitofisionomia cerrado sentido restrito nos estados compreendidos pelo bioma cerrado. Bol. Herb. E. P. Heringer 5: 5-43.

Reatto, A., J. R. Correia & S. T. Spera. 1998. Solos do bioma cerrado: aspectos pedológicos, p. 47-86. In: S. M. Sano & S. P. Almeida (Eds), Cerrado: ambiente e flora. Planaltina, Embrapa.

Ribeiro, J. F. & B. M. T. Walter. 1998. Fitofisionomias do bioma cerrado, p. 89-166. In: S. M. Sano & S. P. Almeida (Eds), Cerrado: ambiente e flora. Planaltina, Embrapa.

Ribeiro, J. F., J. C. S. Silva & G. J. Batmanian.

Fitossociologia de tipos fitofisionômicos de Cerrado em Planaltina – DF. Rev. Bras. Bot. 8: 131-142.

Rizzo, J. A. 1970. Contribuição ao conhecimento da Flora de Goiás – Área na Serra Dourada. Tese de livre-docência. Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

Rizzo, J. A. 1996. Goiás: de Saint Hilaire e de hoje. Editora da Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 81 pp. (Coleção Rizzo. Volume especial).

Rossi, C. V., M. C. Silva Júnior & C. E. N. Santos. 1998. Fitossociologia do estrato arbóreo do cerrado sentido restrito no Parque Ecológico Norte, Brasília – DF. Bol. Herb. E. P. Heringer 2: 49-56.

The Angiosperm Phylogeny Group. 2003. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG II. Bot. J. Linn. Soc. 144: 399-436.

Downloads

Publicado

15-12-2008

Como Citar

MOURA, I. O.; KLEIN, V. L. G.; FELFILI, J. M.; FERREIRA, H. D. Fitossociologia da comunidade lenhosa de uma área de cerrado rupestre no Parque Estadual dos Pireneus, Pirenópolis, Goiás. Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology, Goiânia, v. 4, n. 2, p. 83–100, 2008. DOI: 10.5216/rbn.v4i2.5208. Disponível em: https://revistas.ufg.br/RBN/article/view/5208. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)