Comunidade lenhosa de cerrado sentido restrito sobre neossolo flúvico em Paracatu-MG

Autores

  • Fernanda Gomes Ferreira Universidade Federal de Goiás
  • Fábio Venturoli Universidade Federal de Goiás
  • Manoel Cláudio Silva Júnior Universidade Federal de Goiás
  • Jeanine Maria Felfili Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.5216/rbn.v11i2.28863

Palavras-chave:

Alagamento, anoxia, análise multivariada

Resumo

O cerrado sentido restrito ocorre frequentemente associado a solos distróficos e bem drenados. Entretanto, próximo a alguns rios esta comunidade ocorre associada a Neossolos Flúvicos onde, durante a estação chuvosa a vegetação lida com a anoxia. O presente trabalho visa a caracterização de uma comunidade de cerrado sentido restrito sobre Neossolo Flúvico em Paracatu-MG (17°28’12.43”; 46°33’51.99’’). O levantamento florístico foi realizado através de caminhadas aleatórias por toda a área, e durante o período de doze meses subsequentes foram coletadas mensalmente, plantas em fase reprodutiva. Foram encontradas 70 espécies distribuídas em 61 gêneros e 33 famílias, incluindo tanto espécies amplamente distribuídas no bioma, Curatella americana e Astronium graveolens, quanto espécies de distribuição mais restrita como Copaifera oblongifolia e Sapium haematospermum. O resultado do TWINSPAN, corroborou com os resultados da CCA, numa clara separação das parcelas por seus níveis de fertilidade e condições de alagamento a qual são submetidas. Conforme revelou o agrupamento UPGMA, a florística desta área está fortemente relacionada com outras áreas que também sofrem alagamento, mesmo estando geograficamente distantes. Assim, o alagamento sazonal interfere no comportamento do cerrado sentido restrito analisado, o que o torna peculiar do ponto de vista estrutural com relação às demais áreas comparadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Gomes Ferreira, Universidade Federal de Goiás

Universidade Federal de Goiás

Escola de Agronomia, Engenharia de Alimentos e Engenharia Florestal

Referências

Alvares, V. V. H., R. F. Novaes, N. F. Barros, R. B. Cantarutti & A. S. Lopes. 1999. Interpretação dos resultados das análises de solos, p. 25-32. In: Ribeiro, A.C., Guimarães, P.T.G., Alvarez V., V.H. (Ed.). Recomendação para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais: 5a Aproximação. Viçosa: Comissão de Fertilidade do Solo do Estado de Minas Gerais.

Amorim, P. K. & W. A. Batalha. 2006. Soil characteristics of a hyperseasonal cerrado compared to a seasonal cerrado and floodplain grassland: implications for a plant community structure. Braz. J. Biol. 66: 661-670.

Amorim, P. K. & W. A. Batalha. 2007. Soil-vegetation relationships in hyperseasonal cerrado, seasonal cerrado, and wet grassland in Emas National Park (Central Brazil). Acta Oecologica. 32: 319–327.

APG III. 2009. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Bot. J. of the Linn. Soc. 161:105-121.

Aquino, F. G., B. M. T. Walter & J. F. Ribeiro. 2007. Dinâmica de populações de espécies lenhosas de cerrado, Balsas, Maranhão. Revista Árvore, 31: 793-803.

Araújo, F. S., V. S. Gomes, L. W. Lima-Verde, M. A. Figueiredo, M. M. A. Bruno, E. P. Nunes, A. T. Otutumi & K. A. Ribeiro. 2007. Efeito da variação topoclimática na composição e riqueza da flora fanerogâmica da serra de Baturité, Ceará. In: S.T. Oliveira & F.S. Araújo, (Orgs). Diversidade e conservação da biota da serra de Baturité, Ceará. Serie A: 137-162.

Askew, G. P. & R. F. Montgomery. 1983. Soils of tropical savannas. In: Goodall, D.W. (Ed.). Ecosystems of the World – Tropical Savannas. Elsevier, Amsterdam, pp. 63–77.

Askew, G. P., D. J. Moffatt, R. F. Montgomery & P. L. Searl. 1970. Interrelationships of Soils and Vegetation in the Savanna-Forest Boundary Zone of North-Eastern Mato Grosso. The Geographical Journal, 136: 370-376.

Assunção, S. L. & J. M. Felfili. 2004. Fitossociologia de um fragmento de cerrado sensu stricto na APA do Paranoá, DF, Brasil. Acta Botânica Brasilica. 18: 903-909.

Balduíno, A. P. C., A. L. Souza, J. A. A. Meira Neto, A. F. Silva & M. C. Silva Júnior. 2005. Fitossociologia e análise comparativa da composição florística do Cerrado da Flora de Paraopeba - MG. Revista Árvore. 29: 25-34.

Brasil, Ministério do Meio Ambiente. 1996. Plano Diretor de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Paracatu. Brasília: PLANPAR.

Brito, E. R., S. V. Martins, A. T. Oliveira Filho, E. Silva & A. F. Silva. 2006. Estrutura fitossociológica de um fragmento natural de floresta inundável em área de orizicultura irrigada, município de Lagoa da Confusão, Tocantins. Revista Árvore. 30: 829-836.

Carvalho, F. A., V. H. P. Rodrigues, R. V. Kilca, A. S. Siqueira, G. M. Araujo & I. Schiavini. 2008. Composição Florística, Riqueza e Diversidade de um cerrado sensu stricto no sudoeste do estado de Goiás. Biosci. J. 24: 64-72.

Cavedon, A. D. & E. Shinzato. 2000. Levantamento de reconhecimento de solos: Projeto Porto Seguro/Santa Cruz Cabrália. 112p. Salvador: CPRM-SUREG/AS.

Chaves, L. H. G., G. A. Tito, I. B. Chaves, J. G. Luna & P. C. M. Silva. 2004. Propriedades químicas do solo aluvial da ilha de Assunção – Cambrobó (Pernanbuco). Revista Brasileira de Ciências do Solo. 28: 431-437.

Campos, E. P., G. T. Duarte, A. V. Neri, A. F. Silva, J. A. A. Meira-Neto & G. E. Valente. 2006. Composição florística de um trecho de cerradão e cerrado sensu stricto e sua relação com o solo na floresta nacional (flona) de Paraopeba, MG, Brasil. Revista Árvore. 30: 471-479.

Camargos, V. L., A. F. Silva, J. A. A. Meira Neto & S. V. Martins. 2008. Influência de fatores edáficos sobre variações florísticas na Floresta Estacional Semidecídua no entorno da Lagoa Carioca, Parque Estadual do Rio Doce, MG, Brasil. Acta Bot. Bras. 22: 75-84.

Camargo, O. A., A. C. Moniz, J. A. Jorg & J. M. A. S. Valadares. 2009. Métodos de Analise Química, Mineralógica e Física de Solos do Instituto Agronômico de Campinas. Campinas, Instituto Agronômico. 77 p. (Boletim técnico, 106, Edição revista e atualizada).

Cestaro, L. A. & J. J. Soares. 2004. Variações florística e estrutural e relações fitogeográficas de um fragmento de floresta decídua no Rio Grande do Norte, Brasil, Acta Botânica Brasílica. 18: 203-218.

Cole, M. M. 1986. The savannas: biogeography and geobotany. 438p. London: Academic Press.

Conceição, G. M. & A. A. J. F. Castro. 2009. Fitossociologia de uma área de cerrado marginal, Parque Estadual do Mirador, Mirador, Maranhão. Scientia Plena. 5: 1-16.

Costa, C. P., C. N. Cunha & S. C. Costa. 2010. Caracterização da flora e estrutura do estrato arbustivo-arbóreo de um cerrado no Pantanal de Poconé, MT. Biota Neotrop. 10: 61-73.

Felfili, J. M., T. S. Filgueiras, M. Haridasan, M. C. Silva Júnior, R. Mendonça & A. V. Rezende. 1994. Projeto biogeografia do bioma Cerrado: vegetação e solos. Caderno de Geociências. 12: 75-166.

Felfili, J. M. P. E. Nogueira, M. C. Silva Júnior, B. S. Marimon & W. Delitti, W. 2002. Composição florística e fitossociologia do Cerrado sentido restrito no município de Água Boa - MT. Acta Botanica Brasilica. 16: 103-112.

Felfili, J. M., A. V. Rezende & M. C. Silva Júnior. 2007. Biogeografia do Bioma Cerrado: vegetação e solos da Chapada dos Veadeiros, p. 75-166. Editora Universidade de Brasília/Finatec, Brasília-DF.

Felfili, J. M., F. A. Carvalho & R. F. Haidar. 2005. Manual para o monitoramento de parcelas permanentes nos biomas Cerrado e Pantanal. 55p. Brasília: Universidade de Brasília.

Ferreira, I. C. M., R. M. Coelho, R. B. Torres & L. C. Bernacci, L. C. 2007. Solos e vegetação nativa remanescente no Município de Campinas. Pesquisa Agropecuária Brasileira. 42: 1319-1327.

Ferreira, F. G., J. M. Felfili, M. M. Medeiros, M. C. Silva Júnior & E. L. M. M. Machado. 2010. Fitossociologia de um cerrado sentido restrito sobre neossolo flúvico na bacia do rio Paracatu-MG. Heringeriana. 04: 33-44.

Furley, P. A. & J. A. Ratter. 1988. Soil resources and plant communities of a central Brazilian cerrado and their development. Journal of a Biogeography. 15: 97-108.

Giácomo, R. G., D. C. Carvalho, M. G. Pereira, A. B. Souza, T. D. Gauí. 2013. Florística e Fitossociologia em áreas de campo sujo e cerrado sensu stricto na estação ecológica de Pirapitinga-MG. Ciência Florestal. 23: 29-43.

Goodland, R. & R. Pollard. 1973. The Brazilian Cerrado vegetation: a fertility gradient. Journal of Ecology. 61: 219-224.

Haridasan, M. 2000. Nutrição mineral de plantas nativas do cerrado. Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal. 12: 54-64.

Harper, J. L. 1990. Population biology of plants. London: Academic Press.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2007. Diretoria de Geociências. Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais. Manual técnico de pedologia, Rio de Janeiro.

INMET, Instituto Nacional de Meteorologia. Normais climatológicas. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/html/clima.php. Acessado em: 06/02/2013.

Ishara, K. L., G. F. G. Déstro, R. C. S. Maimoni-Rodella & Y. A. N. P. Yanagizawa. 2008. Composição florística de remanescente de cerrado sensu stricto em Botucatu, SP. Revista Brasileira de Botânica. 31: 575-586.

Kamino, L. H. Y., A. T. Oliveira Filho & J. R. Stehmann. 2008. Relações florísticas entre as fitofisionomias florestais da Cadeia do Espinhaço, Brasil. Megadiversidade., 4:40-49.

Lehmann C. E. R., S. A. Archibald, W. A. Hoffmann & W. J. Bond. 2011. Deciphering the distribution of the savanna biome. New Phytologist. 191: 197-209.

Lugo, A. E. & E. Medina. 2000. Curatella americana L. (Chaparro) DILLENIACEAE. International Institute of Tropical Forestry, U.S. Department of Agriculture, Forest Service.

Lobo, P. C. & Joly, C. A. 2000. Aspectos ecofisiológicos da vegetação de mata ciliar do sudeste do Brasil. Pp. 143-157. In: Matas ciliares: conservação e recuperação. (R.R. Rodrigues & H.F. Leitão Filho, (Eds.). São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo, Fapesp.

Marimon Jr, B. H. & M. Haridasan. 2005. Comparação da vegetação arbórea e características edáficas de um cerradão e um cerrado sensu stricto em áreas adjacentes sobre solo distrófico no leste de Mato Grosso, Brasil. Acta Botânica Bras. 19: 913-926.

Marimon, B. S. & E. S. Lima. 2001. Caracterização fitofisionômica e levantamento florístico preliminar no Pantanal dos Rios Mortes-Araguaia, Cocalinho, Mato Grosso, Brasil. Acta Botânica Bras. 15: 213-299.

Marimon, B. S., B. H. Marimon Jr, H. A. Mews, H. S. Jancoski, D. D. Franczak, H. S. Lima, E. Lenza, A. N. Rossete & M. C. Moresco. 2012. Florística dos campos de murundus do Pantanal do Araguaia, Mato Grosso, Brasil. Acta Bot. Bras. 26: 181-196.

Medeiros, M. B., B. M. T. Walter, G. P. Silva. 2008. Fitossociologia do cerrado stricto sensu no município de Carolina, MA, Brasil. Cerne. 14: 285-294.

Medeiros, M. B. & B. M. T. Walter. 2012. Composição e estrutura de comunidades arbóreas de cerrado stricto sensu no norte do Tocantins e sul do Maranhão. Rev. Árvore. 36: 673-683.

Meira Neto, J. A. A., & F. R. Martins. 2013. Estrutura do sub-bosque herbáceo-arbustivo da mata da silvicultura, uma Floresta Estacional Semidecidual no município de Viçosa-MG. Revista Árvore. 24: 459-471.

Mendes, M. R. A., C. B. R. Munhoz, M. C. S. Silva Júnior & A. A. J. F. Castro. 2012.

Relação entre a vegetação e as propriedades do solo em áreas de campo limpo úmido no Parque Nacional de Sete Cidades, Piauí, Brasil. Rodriguésia. 63:971-984.

Miranda, H. S. & M. N. Sato. Efeitos do fogo na vegetação lenhosa do Cerrado. In: SCARIOT, A.; SOUSA-SILVA, J. C.; FELFILI, J. M. (Orgs.). Cerrado: ecologia, biodiversidade e conservação. Brasília, Ministério do Meio Ambiente, 2005. p.95-103.

Missouri Botanical Garden. 2014. Missouri Botanical Garden W3 Tropicos. Vascular Trópicos Nomenclatural Database, no ar desde 1995. Disponível em <http://www.mobot.org/W3T/Search/vast.html>. (Acesso em: 25/01/2014).

Moreno, M. I. C., I. Schiavini & M. Haridasan. 2008. Fatores edáficos influenciando na estrutura de fitofisionomias do cerrado. Caminhos de Geografia. 9: 173-194.

Neri, A. V., J. A. A. Meira-Neto, A. F. Silva, S. V. Martins & M. L. Batista. 2007. Análise da estrutura de uma comunidade lenhosa em área de cerrado sensu stricto no município de Senador Modestino Gonçalves, norte de Minas Gerais, Brasil. Revista Árvore. 31: 123-134.

Odum, E. P. 2004. Fundamentos de Ecologia. 823p. 6o. ed. Ed. Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa.

Oliveira-Filho, A. T., E. A. Vilela, A.D. Carvalho & M. L. Gavilanes. 1994. Effects of soils and topography on the distribution of tree species in a tropical riverine forest in southeastern Brazil. Journal of Tropical Ecology. 10: 483-508.

PDRH-Paracatu. 2006. Plano Diretor de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Paracatu: resumo executivo. 385 p. Belo Horizonte: IGAM, Instituto Mineiro de Gestão das Águas.

RADAMBRASIL, Projeto. 1982. Departamento Nacional da Produção Mineral. Levantamento de recursos naturais. Folha SD. 23 Brasília; geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação e uso do potencial da terra. Vol. 29, Rio de Janeiro: Gráfica Alvorada Ltda.

Reatto, A., J. R. Correia, S. T. Spera & E. S. Martins. 2008. Solos do bioma Cerrado: aspectos pedológicos. p. 47 -86. In: Sano, S. M.; Almeida, S. P. e Ribeiro, J. F. (Eds.). Cerrado: ecologia e flora. Embrapa Cerrados, Planaltina – DF.

Reatto, A. & E. S. Martins. 2005. Classes de solos em relação aos controles da paisagem do bioma Cerrado. p. 57. In: SCARIOT, A.; SOUZA–SILVA, J.C.; FELFINI, J.M. Cerrado: ecologia, biodiversidade e conservação. 1a ed. Brasília–DF: Ministério do Meio Ambiente.

Rizzini, C. T. 1997. Tratado de Fitogeografia do Brasil: aspectos ecológicos, sociológicos e florísticos. Rio de Janeiro, Âmbito Cultural Edições Ltda.

Santos, H. G., J. A. Almeira, J. B. Oliveira, J. L. Lumbreras, L. H. C. Anjos, M. R. Coelho, P. K. T. Jacomine, T. J. F. Cunha & V. A. Oliveira. 2013. Sistema brasileiro de classificação de solos. 353p. 3a ed. Brasília: Embrapa.

Saporeti Jr, A. W.; Meira Neto, J. A. A. & Almado R. P. 2003. Fitossociologia de cerrado sensu stricto no município de Abaeté-MG. Revista Árvore. 27: 413-419.

Sarmiento, G. 1983. The savannas of tropical America. In: Tropical Savannas. 245-288p. Bourlière, F., (Ed.). Ecosystems of the World 13. Elsevier, Amsterdam.

Scolforo, J. R. S. 1998. Manejo florestal. UFLA/ FAEPE, Lavras.

Silva, I. A. & M. A. Batalha. 2008. Species convergence into life - forms in a hyperseasonal cerrado in central Brazil. Braz. J. Biol. 68: 329–339.

Silva, C. P. C., A. T. Oliveira Filho, E. Van Den Berg, J. R. Scolforo, J. M. Mello & A. D. Oliveira. 2008. Capítulo 3: Composição florística dos fragmentos inventariados. p.135-168. In: J.R. SCOLFORO, J. M. MELLO, A.D. OLIVEIRA. (Ed.). Inventário Florestal de Minas Gerais: Cerrado - Florística, Estrutura, Diversidade, Similaridade, Distribuição Diamétrica e de Altura, Volumetria, Tendências de Crescimento e Áreas Aptas para Manejo Florestal. Lavras: UFLA.

Souza J. P., G. M. Araujo, M. Haridasan. 2007. Influence of soil fertility on the distribution of tree species in a deciduous forest in the Triângulo Mineiro region of Brazil. Plant Ecology, 19: 253-263.

Teixeira, M. I. J. G, A. R. B. R. Araujo, S. B. Valeri, R. R. Rodrigues. 2004. Florística e fitossociologia de área de cerrado S.S. no município de Patrocínio Paulista, nordeste do Estado de São Paulo. Bragantia. 63: 1-11.

Ter Brak, C. J. F. & I. C. Prentice. 1988. A theory of Gradiente Analysis. Advances in Ecological Research. 18: 271-317.

Ter Braak, C. J. F. & P. Smilauer. 1998. CANOCO – Reference manual and user’s guide to Canoco for Windows: software for canonical community ordination (version 4). Ithaca, Microcomputer Power.

Downloads

Publicado

12-03-2015

Como Citar

FERREIRA, F. G.; VENTUROLI, F.; SILVA JÚNIOR, M. C.; FELFILI, J. M. Comunidade lenhosa de cerrado sentido restrito sobre neossolo flúvico em Paracatu-MG. Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology, Goiânia, v. 11, n. 2, p. 129–142, 2015. DOI: 10.5216/rbn.v11i2.28863. Disponível em: https://revistas.ufg.br/RBN/article/view/28863. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)