Influência de polímero hidroabsorvente na recuperação ecológica de latossolo recoberto com braquiária no cerrado

Autores

  • Marina Morais Monteiro Universidade de Brasília
  • Denys Melo Souza Universidade de Brasília
  • Fábio Venturoli Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.5216/rbn.v1i1.27349

Palavras-chave:

Diversidade, dinâmica de vegetação, restauração ecológica

Resumo

Esta pesquisa teve como objetivo avaliar a regeneração natural e a sobrevivência de mudas de espécies florestais nativas do bioma cerrado plantadas em área de pastagem abandonada. Foram realizados dois experimentos, um para análise de sobrevivência de mudas em relação ao uso de polímero hidroabsorvente e outro para avaliação de regeneração natural. A área de estudo, originalmente floresta estacional sob afloramentos calcários, é oriunda de desmatamento e conversão em pasto com Urochloa brizantha. Atualmente, encontra-se abandonada, em processo inicial de regeneração natural. Para o experimento de sobrevivência, realizou-se o plantio de mudas de 11 espécies nativas em 18 parcelas de 20 x 50 metros, distribuídas ao acaso na área, sendo que metade delas (nove) foi submetida à aplicação de polímero hidroabsorvente nas covas das mudas. Cada cova foi adubada com um litro de esterco de bovino curtido, 150 g de N:P:K (4:14:8) e 50 g de calcário dolomítico. O plantio foi executado com espaçamento 3 x 3 metros, totalizando 1.980 plantas na área, sendo dez indivíduos de cada espécie. A mortalidade pós-plantio foi 7,2% na área com polímero e 6,3% na área controle, não diferenciando estatisticamente ente si. Após 17 meses do plantio a mortalidade foi 43,7% na área com o polímero e 55,1% na área controle, significativamente diferentes entre si. Para o experimento de avaliação de regeneração natural, selecionou-se ao acaso uma área de 9.000m² em processo de regeneração natural, sem a execução de nenhuma operação e contabilizando o número de espécies e indivíduos arbóreos. Foram encontrados 130 indivíduos de 13 espécies e nove famílias botânicas, provenientes de rebrotas. A família Fabaceae foi a mais abundante, representando 38,4% das espécies. A diversidade florística da regeneração natural foi de 1,60 nats.indv-¹, com equabilidade de 0,62. E a similaridade florística entre a regeneração natural e as espécies plantadas foi de 7,6%, com Myracrodruon urundeuva Allemão sendo a única espécie comum. O uso do polímero, de fato, foi considerado eficiente para promover a sobrevivência das espécies, demonstrando que mais pesquisas que envolvam a aplicação de polímeros hidroabsorventes devem ser realizadas como forma de  acelerar o processo de reflorestamento e restauração florestal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Durigan, G., W. A. Contieri, G. A. D. C. Franco & M. A. O. Garrido. 1988. Indução do processo de regeneração da vegetação de cerrado em área de pastagem, Assis, SP. Acta Botânica Brasileira. 12: 421-429.

Dranski, J. A. L., A. S. Pinto Junior, M. A. Campagnolo, U. C. Malavasi & M. M. Malavasi. 2013 a. Sobrevivência e crescimento do pinhão-manso em função do método de aplicação e formulações de hidrogel. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. 17: 537–542.

Dranski, J. A. L., A. S. Pinto Junior, M. A. Campagnolo, U. C. Malavasi, M. M. Malavasi & V. F. Guimarães. 2013 b. Sobrevivência e crescimento inicial de pinhão-manso em função da época de plantio e do uso de hidrogel. Ciência Florestal. 23: 489-498.

Felfili, J. M. 2007. Recuperação de áreas degradadas no Cerrado, com espécies nativas do Bioma: Quebrando Paradigmas. Revista Opiniões. 7.

Felfili, J. M., C. W. Fagg & J. R. R. Pinto. 2008. Recuperação de áreas degradadas. In: Felfili, J. M., C. J. Sampaio & A. M. R. C. Correia, (Orgs.). Conservação da natureza e recuperação de áreas degradadas na bacia do São Francisco: treinamento e sensibilização. Brasília, DF: Centro de Referência em Conservação da Natureza e Recuperação de Áreas Degradadas/CRAD, 96p.

Felfili, J. M., M. C. Silva Júnior, A. C. Sevilha, C. W. Fagg, B. M. T. Walter, P. E. Nogueira & A. V. Rezende. 2004. Diversity, floristic and structural patterns of cerrado vegetation in Central Brazil. Plant Ecology. 75:37-46.

Kent, M. 2012. Vegetation Description and Data Analysis: A Practical Approach. Wiley-Blackwell, 414 p.

Klink, C. A. & R. B. Machado 2005. Conservation of the Brazilian Cerrado. Conservation Biology. 19: 707-713.

Lewis, S. L. & E. V. J. Tanner. 2000. Effects of above-and Below ground Competition on Growth and Survival of Rain Forest Tree Seedlings. Ecology. 81: 2525-2538.

Martins, C. R., J. D. V. Hay, B. M. T. Walter, C. E. B. Proença & L. J. Vivaldi. 2011. Impacto da invasão e do manejo do capim-gordura (Melinis minutiflora) sobre a riqueza e biomassa da flora nativa do Cerrado sentido restrito. Revista Brasileira de Botânica. 34: 73-90.

Miranda Neto, A., S. H. Kunz, S. V. Martins, K. A. Silva & D. A. da Silva. 2010. Transposição do banco de sementes do solo como metodologia de restauração florestal de pastagem abandonada em Viçosa, MG. Revista Árvore. 34: 1035-1043

Moghadam, H. R. T., H. Zahedi & F. Ghooshchi. 2011. Oil quality of canola cultivars in response to water stress and super absorbent polymer application. Pesquisa Agropecuária Tropical. 41: 579-586.

Oliveira, R. A., L. S. Rezende, M. A. Martinez & G. V. Miranda. 2004. Influência de um polímero hidroabsorvente sobre a retenção de água no solo. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. 8: 160-163.

Rodrigues, R. R. & S. Gandolfi. 2000. Conceitos, tendências e ações para a recuperação de florestas ciliares. In: Matas Ciliares: Conservação e Recuperação. Rodrigues, R. R.; Leitão-Filho, H. F. (Eds.). São Paulo: Editora Universidade de São Paulo, p. 235-247.

Sheil, D., D. F. R. P. Burslem & D. Alder. 1995. The interpretation and misinterpretation of mortality rate measures. Journal of Ecology 83: 331-333.

Souza, D. M., I. M. H. Resende, A. S. Campos, F. N. Calil, S. Barreira, J. D. Borges, H. F. Teles & F. Venturoli. Influência de polímero hidroabsorvente na sobrevivência de mudas nativas do Cerrado em plantio de recuperação de área degradada. CONGRESSO DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO DA UFG. Goiânia, GO, 18 a 22 de outubro de 2010. Anais. Goiânia, GO: UFG, 2010.

Sousa, G. T. O. S., G. B. de Azevedo, J. R. L. de Sousa, C. L. Mews & A. M. de Souza. 2013. Incorporação de polímero hidroretentor no substrato de produção de mudas de Anadenanthera Peregrina (L.) Speg. Enciclopédia Biosfera. 9:1270-1278.

Venturoli, F., J. M. Felfili & C. W. Fagg. 2011. Avaliação temporal da regeneração natural em uma floresta estacional semidecídua secundária, em Pirenópolis, Goiás. Revista Árvore. 35: 473-483.

Venturoli, F. & S. Venturoli. 2011. Recuperação florestal em uma área degradada pela exploração de areia no Distrito Federal. Ateliê Geográfico. 5: 183-195.

Venturoli, F., S. Venturoli, J. D. Borges, D. S. Castro, D. M. Souza, M. M. Monteiro & F. N. Calil. 2013. Incremento de espécies arbóreas em plantio de recuperação de área degradada em solo de Cerrado no Distrito Federal. Bioscience Journal. 29: 143-151.

Viani, R. A. G. & R. R. Rodrigues. 2009. Potential of the seedling community of a forest fragment for tropical forest restoration. Scientia Agricola. 66: 772-779.

Zar, J. H. 2010. Biostatistical Analysis. 5th edition, Prentice-Hall, Inc. 944 p.

Downloads

Publicado

11-02-2016

Como Citar

MONTEIRO, M. M.; SOUZA, D. M.; VENTUROLI, F. Influência de polímero hidroabsorvente na recuperação ecológica de latossolo recoberto com braquiária no cerrado. Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology, Goiânia, v. 12, n. 1, p. 20–25, 2016. DOI: 10.5216/rbn.v1i1.27349. Disponível em: https://revistas.ufg.br/RBN/article/view/27349. Acesso em: 20 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos