Efeito da cobertura de palmeiras e da distância da floresta sobre a distribuição de musgos na Floresta Nacional de Silvânia, Goiás, Brasil

Autores

  • Eder Dasdoriano Porfírio Júnior Ministério do Meio Ambiente
  • Walter Santos de Araújo Universidade Fedral de Goiás
  • Vera Lúcia Gomes-Klein

DOI:

https://doi.org/10.5216/rbn.v13i1.29754

Palavras-chave:

ambientes xéricos, cerrado, facilitação, musgos

Resumo

Facilitação é o processo ecológico no qual uma espécie favorece o estabelecimento de outra espécie em um determinado ambiente aumentando sua sobrevivência e reprodução. A ocorrência de plantas facilitadoras pode ser importante para a distribuição de algumas espécies em ambientes severos, como é o caso dos musgos em ambientes com baixa umidade e alta temperatura. O objetivo do presente estudo foi investigar se palmeiras facilitam a ocorrência de espécies de musgos em uma área de Cerrado sentido restrito na Floresta Nacional de Silvânia, Goiás, Brasil. Para isso foi testado o efeito da cobertura e abundância da palmeira Syagrus flexuosa (Arecaceae) em parcelas de Cerrado sobre a riqueza e abundância de musgos. Além disso, foi testado se a riqueza e a abundância de musgos são maiores em parcelas de Cerrado sentido restrito, naquelas localizadas mais próximas à formação florestal do que nas parcelas mais distantes. Os resultados mostram que as parcelas com maior cobertura de palmeiras tiveram maior riqueza e abundância de musgos. Entretanto, a distribuição dos musgos não foi influenciada pela abundância de palmeiras, o que pode ser explicado pelo padrão de crescimento assimétrico de S. flexuosa. Além disso, foi observado que as parcelas mais distantes da floresta apresentaram menor riqueza e abundância de musgos do que as parcelas mais próximas. Os resultados obtidos mostram que a associação musgo-palmeira pode facilitar a ocorrência de musgos em ambientes secos, como o Cerrado sentido restrito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Araújo W. S., E. D. Porfírio Júnior, A. Francener & C. F. Hall. 2012. Composição florística e estrutura fitossociológica de áreas de campo sujo e Cerrado sentido restrito na Floresta Nacional de Silvânia, Goiás, Brasil. Revista Ínsula. 41:42-58.

Benavides J. C. & C. A. Gutierrez. 2011. Effect of deforestation in palm-epiphytic bryophyte communities in a cloud forest in the northern Andes. The Bryologist. 114:155-165.

Breshears D. D., J. W. Nyhan, C. E. Heil & B. P. Wilcox. 1998. Effects of woody plants on microclimate in a semiarid woodland: soil temperature and evaporation in canopy and intercanopy patches. International Journal of Plant Sciences. 159:1010-1017.

Brooker R., F. T. Maestre, R. M. Callaway, C. L. Lortie, L. A. Cavieres, G. Kunsler, P. Liancourt, K. Tielbörger, J.M.J. Travis, F. Anthelme, C. Armas, L. Coll, E. Corcket, S. Delzon, E. Forey, Z. Kikvidze, J. Olofsson, F. Pugnaire, C. L. Quiroz, P. Saccone, K. Schiffers, M. Seifan, B. Touzard & R. Michalet. 2008. Facilitation in plant communities: the past, the present, and the future. Journal of Ecology. 96:18-34.

Bruno J. F., J. J. Stachowicz & M. D. Bertness. 2003. Inclusion of facilitation into ecological Theory. Trends in Ecology and Evolution. 18:119-125.

Callaway R. M. 1995. Positive interactions among plants. The Botanical Review. 61: 306-349.

Callaway R. M., R. W. Brooker, P. Choler, Z. Kikvidze, C. J. Lortiek, R. Michael, L. Paolini, F. I. Pugnaireq, B. Newingham, E. T. Aschehoug, C. Armasq, D. Kikodze & B. J. Cook. 2002. Positive interactions among alpine plants increase with stress. Nature. 417: 844-848.

Carlsson B. A., T. V. Callaghan. 1991. Positive plant interactions in Tundra vegetation and the importance of shelter. Journal of Ecology. 79:973-983.

Caruso A., J. Rudolphi & H. Rydin. 2011. Positive Edge Effects on Forest-Interior Cryptogams in Clear-Cuts. PLoS One. 6:e27936. doi:10.1371/journal.pone.0027936.

Castro N. M. C. F., K. C. Porto O. Yano & A. A. J. F. Castro. 2002. Levantamento florístico de Bryopsida de cerrado e mata ripícola do Parque Nacional de Sete Cidades, Piauí, Brasil. Acta Botanica Brasilica. 16:61-76.

Clark T. A. 2012. Bryophyte floristics and ecology in Grand Canyon National Park. National Park Service, Fort Collins, Colorado.

Felfili J. M., C. Sousa-Silva & A. Scariot. 2005. Biodiversidade, ecologia e conservação do Cerrado: avanços do conhecimento, pp. 25-44. In: SCARIOT A., J. C. SOUSA-SILVA & J. M. FELFILI (Orgs.). Cerrado: ecologia, biodiversidade e conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente.

Frahm J. P. 2003. Manual of Tropical Bryology. Tropical Bryology 23:9-195.

Francener A., C. F. Hall, E. D. Porfírio Júnior & W. S. Araújo. 2012. Flora fanerogâmica da Floresta Nacional de Silvânia, Goiás, Brasil. Enciclopédia Biosfera. 8:1263-1277.

Goffinet B., W. R. Buck & A.J. Shaw. 2009. Morphology, anatomy, and classification of the Bryophyta. pp. 55-126. In: GOFFINET B. & A. J. SHAW (Eds.). Bryophyte Biology, 2nd edition. Cambridge, Cambridge University Press.

Gradstein S. R., S. P. Churchill & N. Salazar-Allen. 2001. Guide to the Bryophytes of Tropical America. Memoirs of New York Botanical Garden. 86:1-577.

Hallingbäck T. & N. Hodgetts. 2001. Mosses, liverworts & hornworts: a status survey and conservation action plan for bryophytes. Oryx. 35:270–271.

Ingerpuu N., J. Liira & M. Pärtel. 2005. Vascular plants facilitated bryophytes in a grassland experiment. Plant Ecology. 180: 69-75.

Kürschner H. 2004. Life strategies and adaptations in bryophytes from the Near and Middle East. Turkish Journal of Botany. 28:73-84.

Lorenzi H., H. M. Souza, J. T. Medeiros-Costa, L. S. C. Cerqueira & N. Von Behr. 1996. Palmeiras no Brasil: Nativas e Exóticas. Editora Plantarum, Nova Odessa.

Mamede M. A. 2008. Aspectos da ecologia reprodutiva de Syagrus flexuosa Mart. Becc.: Sucesso reprodutivo e persistência em áreas de Cerrado na região do DF. Tese de doutorado. Departamento de ecologia da Universidade de Brasília em ecologia UnB.

Martins R. C. & T. S. Filgueiras. 2006. Arecaceae. In: CAVALCANTI T. B. (Org.): Flora do Distrito Federal, Brasil. Volume 5. EMBRAPA-Cenargen, Brasília.

Mendonça F. & I. M. Danni-Oliveira. 2007. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. Ed. Oficina de Textos, 208 p.

Mishler B. D. 2001. The biology of bryophytes – bryophytes aren’t just small tracheophytes. American Journal of Botany. 88:2129-2131.

Oliveira P. E. & P. E. Gibbs. 2000. Reproductive biology of woody plants in a Cerrado community of Central Brazil. Flora. 195:311-329.

Oliveira-Filho A. T. & J. A. Ratter. 2002. Vegetation physiognomies and woody flora of the Cerrado biome, p. 91-120. In: OLIVEIRA P. S. & R. J. MARQUIS (Eds.). The Cerrados of Brazil: ecology and natural history of a neotropical savanna. Columbia University, New York.

Pharo E. J. & C. E. Zartman. 2007. Bryophytes in a changing landscape: the hierarchical effects of habitat fragmentation on ecological and evolutionary processes. Biological Conservation. 135: 315-325.

Sharp A. J., H. Crum & P. M. Eckel. 1994. The Moss Flora of Mexico. Memoirs of the New York Botanical Garden. 69:1-1101.

Yano O. 1984. Briófitas. pp. 27-30. In: O. FIDALGO & V.L.R. BONONI (Eds.). Técnicas de coleta, preservação e herborização de material botânico. Série Documentos. São Paulo, Instituto de Botânica.

Yano O. 2004. Novas ocorrências de briófitas para vários estados do Brasil. Acta Amazonica. 34:559-576.

Yano O. & D. F. Peralta. 2007. Musgos (Bryophyta). pp. 1-333. In: RIZZO J. A. (Coord.). Flora dos Estados de Goiás e Tocantins: Criptógamos, v. 6. Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

Zonneveld M. J., J. R. Gutiérrez & M. Holmgren. 2012. Shrub facilitation increases plant diversity along an arid scrubland-temperate rain forest boundary in South America. Journal of Vegetation Science. 23:541-551.

Downloads

Publicado

09-12-2016

Como Citar

DASDORIANO PORFÍRIO JÚNIOR, E.; SANTOS DE ARAÚJO, W.; GOMES-KLEIN, V. L. Efeito da cobertura de palmeiras e da distância da floresta sobre a distribuição de musgos na Floresta Nacional de Silvânia, Goiás, Brasil. Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology, Goiânia, v. 13, n. 1, p. 1–7, 2016. DOI: 10.5216/rbn.v13i1.29754. Disponível em: https://revistas.ufg.br/RBN/article/view/29754. Acesso em: 21 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos