Avaliação da atividade antibacteriana dos extratos etanólicos da casca e folhas da Terminalia fagifolia Mart. et Zucc (Combretaceae) frente às cepas de Staphylococcus aureus Rosenbach, 1884

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/rbn.v16i1.40954

Palavras-chave:

antibacteriana, Cerrado, comunidade tradicional

Resumo

Terminalia fagifolia Mart. et Zucc é uma espécie encontrada no Cerrado brasileiro, empregada na medicina popular para tratar aftas e tumores e utilizada pela comunidade tradicional Mumbuca/Jalapão – TO. Objetivou-se com esse estudo avaliar a ação antibacteriana dos extratos brutos etanólicos da casca e das folhas da T. fagifolia sobre Staphylococcus aureus. Determinou-se a atividade antibacteriana através da difusão em ágar, método dos poços, e pela técnica da Concentração Inibitória Mínima (CIM). Na técnica de difusão em ágar o extrato da casca apresentou melhor atividade antibacteriana que o extrato das folhas. Na análise da determinação da Concentração Inibitória Mínima, os extratos da casca e das folhas apresentaram CIM de 75 mg/mL, respectivamente, inibindo o crescimento de 100% e mais de 90% do inóculo bacteriano. Portanto, é fundamental a continuidade dos estudos com essa espécie, pois os extratos etanólicos revelaram atividades antibacterianas importantes.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Siqueira de Melo Rodrigues, Universidade Federal do Tocantins

Aluna de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Ambiente da Universidade Federal do Tocantins - Laboratório de Microbiologia Médica e Ambiental do Instituto de Biologia e Saúde Pública da Universidade Federal do Tocantins - Campus de Porto Nacional

 

Aparecido Osdimir Bertolin, Universidade Federal do Tocantins

Professor nível Associado da Universidade Federal do Tocatnins - UFT; Graduado em Ciências Biomédicas pela Fundação Herminio Ometto de Araras .SP, especialista em Patologia Clínica e Análises Clínicas(1981), mestrado em Microbiologia pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. USP (1987) e doutorado em Microbiologia Aplicada pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho .UNESP(1995). Vinte anos de experiências como Orientador na graduação no Curso de Ciências Biologia da UFT; Fundador/Orientador com mais de 10 anos de experiências, no Programa de Mestrado e Doutorado em Ciências do Ambiente da UFT; Revisor de varias Revistas Científicas Nacionais e Internacionais; Consultor dos Editais do PPSus e de várias SCTI de Estados; CEO da OX&CO2 Consulting. Tem experiências acumuladas de vinte anos em Designer de projetos através de metodologias ativas e grupos dirigidos, e na gestão de projetos acadêmicos e/ou técnicos; em Gestão Ambiental e Sustentabilidade; Tomadas de decisões e Governança Corporativa; Planejamento estratégico e Sustentabilidade; Avaliação Ambiental estratégica; Gestão Estratégica; Designer ecológico de instrumentações tecnológicas e metodológicas nas áreas de monitoramento, avaliação e diagnostico ambientais em unidades de conservação decorrentes de atividades antrópicas como agricultura e pecuária e Soluções inteligentes e Liderança de pessoas/equipe/time; experiência na área de Microbiologia Médica, com ênfase em antibiose, Ecologia de Microrganismos, atuando principalmente nos seguintes temas: microbiologia médica e ambiental, saúde publica, bacteriologia, leveduras killer e bioativos de produtos naturais.

Referências

Abdollahzadeh, S. H., R. Y. Mashouf, H. Mortazavi, M. H. Moghaddam, N. Roozbahani & M. Vahedi. 2011. Antibacterial and antifungal activities of Punica granatum peel extracts against oral pathogens. J. Dent. 8: 1-6.

Albernaz, L. C., J. E. De Paula, G. A. S. Romero, M. R.R. Silva, P. Grellier, L. Mambu & L. S. Espindola. 2010. Investigation of plant extracts in traditional medicine of the Brazilian Cerrado against protozoans and yeasts. J. Ethnopharmacol. 131: 116-121. Disponível em: < http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20600775>. Acesso em 25 abr. 2016.

Almeida, S. P., C. E. B. Proença, S. M. Sano & J. F. Ribeiro. 1998. Cerrado: espécies vegetais úteis. Planaltina: EMBRAPA CPAC. p. 287–556.

Alves, T. M. A., A. F. Silva, M. Brandão, T. S. M. Grandi, E. F. A. Smânia, A. Smânia Junior, A & C. L. Zani. 2000. Biological screening of Brazilian medicinal plants. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz. 95: 367-373. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0074-02762000000300012>. Acesso em 25 abr. 2016.

Arango, H. G. 2005. Bioestatística: teórica e computacional. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Araujo, A. R., P. V. Quelemes, M. L. G. Perfeito, L. I. De Lima, M. C. Sá, P. H. M. Nunes, G. A. Joanitti, P. Eaton, M. J. S. Soares & J. R. De. S. Almeida. 2015. Antibacterial, antibiofilm and cytotoxic activities of Terminalia fagifolia Mart. extract and fractions. Annals of clinical microbiology and antimicrobials. 14: 1. PMC. Web. Disponível em: < http://ann-clinmicrob.biomedcentral.com/articles/10.1186/s12941-015-0084-2>. Acesso em 25 abr. 2016.

Ayres, M. C. C., M. H. Chaves, D. Rinaldo, W. Vilegas, & G. M. V. Júnior. 2009. Constituintes químicos e atividade antioxidante de extratos das folhas de Terminalia fagifolia Mart. et Zucc. Química Nova, São Paulo. 32: 1509-1512. <http://dx.doi.org/10.1590/S0100-40422009000600028>. Acesso em 25 abr. 2016.

Brantner, A., Pfeiffer, K. P. & H. Brantner. 1994. Applicability of diffusion methods required by the pharmacopoeias for testing antibacterial activity of natural compounds. Die Pharmazie. 49: 512-516.

Costa-lotufo, L.V., R. C. Montenegro, A. P. N. N. Alves, S. V. F. Madeira, C. Pessoa, M. E. A. Moraes & M. O. Moraes. 2010. A contribuição de produtos naturais como fonte de novos fármacos anticâncer: Estudos no laboratório nacional de oncologia experimental da Universidade Federal do Ceará. Rev. Virt. Química. 2: 47-58. Disponível em: <http://www.uff.br/RVQ/index.php/rvq/article/viewArticle/65>. Acesso em 25 abr. 2016.

Deus, M. J. 2011. Guia de campo: vegetação do Cerrado 500. Brasília: MMA/SBF. 532 p.

Dias, B. F. S. 1992. Cerrados: uma caracterização. Alternativas de desenvolvimento dos cerrados. IBAMA. p. 11 - 25.

Essawi, T. & M. J. Srour. 2000. Screening of some Palestinian medicinal plants for antibacterial activity. J. Ethnopharmacol. 70: 343-349. Disponível em: <http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0378874199001877>.

Fidalgo, O. & V. L. R. Bononi. (Coord.). 1989. Técnicas de coleta, preservação e herborização de material botânico. São Paulo: Instituto de Botânica. Disponível em: <http://pt.slideshare.net/fidalgo111/fidalgo-e-bononi-1989#>. Acesso em 20 abr. 2016.

Forzza, R. C., P. M. Leitman, A. F. Costa, A. A. Carvalho Jr, A. L. Peixoto, B. M. T. Walter, C. Bicudo, D. Zappi, D. P. Costa, E. Lleras, G. Martinelli, H. C. Lima, J. Prado, J. R. Stehmann, J. F. A. Baumgratz, J. R. Pirani, L. Sylvestre, L. C. Maia, L. G. Lohmann, L. P. Queiroz, M. Silveira, M. N. Coelho, M. C. Mamede, M. N. C. Bastos, M. P. Morim, M. R. Barbosa, M. Menezes, M. Hopkins, R. Secco, T. B. Cavalcanti & V. C. Souza. 2010. Introdução. In: Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/>. Acesso em 05 abr. 2016.

Fundação Cultural Palmares. 2016. Disponível em:< http://www.palmares.gov.br/?page_id=37551>. Acesso em 21 abr. 2016.

Gonçalves, A. L., A. Alves Filho & H. Menezes. 2006. Atividade antimicrobiana de algumas plantas medicinais nativas contra bactérias encontradas em úlceras de decúbito. O Biológico. 68: 133. Disponível em <http://www.biologico.sp.gov.br/biologico/v68_supl_raib/133.pdf>. Acesso em 20 mai. 2016.

Guarim Neto, G. & R. G. Morais. 2003. Medicinal plants resources in the Cerrado of Mato Grosso state Brazil: a review. Acta Bot. Bras. 17: 561-584. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062003000400009>. Acesso em 10 abr. 2016.

Holetz, F. B., G. L. Pessini, N. R. Sanches & D. A. Cortez. 2002. Screening of some plants used in the Brazilian folk medicine for the treatment of infectious diseases. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz. 97: 1027-1031. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0074-02762002000700017>. Acesso em 12 abr. 2016.

Lawrence, G. H. M. 1951. Taxonomy of Vascular Plants Macmillan. New York: The Macmillan Company. 823 p.

Lopes, M. A. O. 2009. Experiências históricas dos quilombos no Tocantins: Organização, resistência e identidades. Rev. Patrimônio e Memória. 5: 99 - 118. Disponível em: < http://pem.assis.unesp.br/index.php/pem/article/view/116/518>. Acesso em 25 mar. 2016.

Lorenzi, H. 1998. Árvores brasileiras - Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Editora Plantarum, v.2, 352 p.

Machado, R. B., M. B. Ramos Neto, P. Pereira, E. Caldas, D. Gonçalves, N. Santos, K. Tabor & M. Steininger. 2004. Estimativas de perda da área do Cerrado brasileiro. Brasília: Conservation International do Brasil.

Mendonça, R. C., B. M. T. Walter, M. C. Silva-Júnior, A. V. Rezende, T. S. Filgueiras, P. E. Nogueira & C. W. Fagg. 2008. Flora Vascular do Bioma Cerrado: checklist com 12.356 espécies. Cerrado: ecologia e flora. v. 2. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica. p. 423-1279.

Moreira, D. L. & G. Guarim-Neto. 2009. Usos múltiplos de plantas do cerrado: um estudo etnobotânico na comunidade Sítio Pindura, Rosário Oeste, Mato Grosso, Brasil. Polibotánica, 27: 159-190.

Mori, S. A., L. A. M. Silva, G. Lisboa & L. Coradin. 1989. Manual de manejo do herbaceo fanerogamico. Ilheus: CEPLAC-CEPEC.

Novais, T. S., J. F. O. Costa, J. P. L. David, J. M. David, L. P. Queiroz, F. França, A. M. Giulietti, M. B. P. Soares & R. R. Santos. 2003. Atividade antibacteriana em alguns extratos de vegetais do semi-árido brasileiro. Rev. Bras. Farmacogn. 13: 5-8. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbfar/v13s2/a03v13s2.pdf>. Acesso em 26 abr. 2016.

Parekh, J. & S. Chanda. 2007. In vitro antimicrobial activity and phytochemical analysis of some Indian medicinal plants. Turkish J. of Biol. 31: 53-58. Disponível em:< http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.465.1644&rep=rep1&type=pdf>. Acesso em 15 abr. 2016.

Pettit, G. R., M. S. Hoard, D. L. Doubek, J, M. Schmidt, R. K. Pettit, L. P. Tackett & J. C. Chapuis. 1996. Antineoplastic agents 338. The cancer cell growth inhibitory. Constituents of Terminalia arjuna (Combretaceae). J. Ethnopharmacol. 53: 57-63. Disponível em:

Rodrigues, E. & E. L. A. Carlini. 2003. Levantamento etnofarmacológico realizado entre um grupo de quilombolas do Brasil. Arq. bras. fitomed. cientif. 1: 80-87. Disponível em: <http://www.cee.unifesp.br/negros_abfc.pdf>. Acesso em 05 mar. 2016.

Rodrigues, V. E. G. & D. A. Carvalho. 2001. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais no domínio do Cerrado na região do Alto Rio Grande - Minas Gerais. Rev. Ci. e Agrotecnol. 25: 102-123.

Sano, S. M., S. P. Almeida & J. F. Ribeiro. 2008. Cerrado: Ecologia e Flora, Brasília, DF. Embrapa Cerrado. 2 v. 1279 p.

Santos, M. G., S. F. Lolis & C. A. Dal Belo. 2006. Levantamentos etnobotânicos realizados em duas comunidades de remanescentes de negros da região do Jalapão, Estado do Tocantins. In: Pires, A. L. C. S. & R. Oliveira. (Orgs.). Sociabilidades Negras. Comunidades Remanescentes, Escravidão e Cultura. Belo Horizonte: Editora Gráfica Daliana Ltda., p. 29-49.

Santos, S. C., F. S. Ferreira, J. C. Rossi-Alva & L. G. Fernandez. 2007. Atividade antimicrobiana in vitro do extrato de Abarema cochiliocarpos (Gomes) Barnaby & Grimes. Rev. Bras. de Farmacogn. 17: 215-219. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&ref=000145&pid=S1516-0572201300010001500030&lng=en>. Acesso em 30 mar. 2016.

Sasidharan, S., Y. Chen, D. Saravanan, K. M. Sundram & L. Y. Latha. 2011. Extraction, isolation and characterization of bioactive compounds from plants’ extracts. African J. of Trad., Compl. and Altern. Medic. 8: 1-10. Disponível em: < http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3218439/>. Acesso em 30 mar. 2016.

Silva, M. L. C., R. S. Costa, A. Dos Santos Santana & M. G. B. Koblitz 2010. "Compostos fenólicos, carotenóides e atividade antioxidante em produtos vegetais." Semina: Ci. Agr. 31: 669-682. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.5433/1679-0359.2010v31n3p669>. Acesso em 30 mar. 2016.

Souza, C. D. & J. M. Felfili. 2006. Uso de plantas medicinais na região de Alto Paraíso de Goiás, GO, Brasil. Acta Bot. Bras. 20: 135-142.

Downloads

Publicado

29-06-2019

Como Citar

RODRIGUES, P. S. de M.; BERTOLIN, A. O. Avaliação da atividade antibacteriana dos extratos etanólicos da casca e folhas da Terminalia fagifolia Mart. et Zucc (Combretaceae) frente às cepas de Staphylococcus aureus Rosenbach, 1884. Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology, Goiânia, v. 16, n. 1, p. 42–49, 2019. DOI: 10.5216/rbn.v16i1.40954. Disponível em: https://revistas.ufg.br/RBN/article/view/40954. Acesso em: 27 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos