As geotecnologias na geografia acadêmica e na geografia escolar e seus desdobramentos educativos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/bgg.v38i2.54612

Palavras-chave:

Educação geográfica, Cartografia, Sensoriamento remoto, Micropolítica

Resumo

O propósito deste texto é pensar com as linguagens cartográfica e do Sensoriamento Remoto a composição de um campo de forças indissociável do pensamento do espaço e da corporeidade, bem como seus paradoxos. Perspectivados desde uma analítica micropolítica, no registro deleuze-guattariano, elementos da cartografia simbólica como escala, projeção e simbologia foram empregados para operar com os mapas e com as imagens tributárias do Sensoriamento Remoto, objetivando compreender o espaço e a corporeidade de modo multiescalar. Assim, produzimos cruzamentos desde uma analítica micropolítica entre práticas educativas junto a escolares, com idade entre 9 e 10 anos, do ensino fundamental 1 da educação básica, especificamente quarto ano; e estudantes de graduação da Licenciatura em Ciências da Natureza (LCN) da Escola de Artes,
Ciências e Humanidades (EACH) – Universidade de São Paulo (USP).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valéria Cazetta, Universidade de São Paulo, Escola de Artes, Ciências e Humanidades, São Paulo, São Paulo, Brasil, vcazetta@usp.br

Publicado

2018-08-25

Como Citar

CAZETTA, V. As geotecnologias na geografia acadêmica e na geografia escolar e seus desdobramentos educativos. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 38, n. 2, p. 317–341, 2018. DOI: 10.5216/bgg.v38i2.54612. Disponível em: https://revistas.ufg.br/bgg/article/view/54612. Acesso em: 2 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos