Inteligencia artificial Vs creatividad musical, ¿sustituto o complemento?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/mh.v23.77167

Palavras-chave:

Inteligência artificial, criatividade, Emoções, Ética

Resumo

A integração da Inteligência Artificial no campo da arte levanta questões sobre sua capacidade criativa, sua influência na essência e na apreciação da arte, bem como o papel do artista. Esta pesquisa realiza uma revisão sistemática da literatura para abordar essas questões com foco na música e para entender o estado da arte. Atualmente, existem IAs que têm a capacidade de gerar composições de forma autônoma, o que levanta a questão de saber se a percepção de originalidade e beleza muda quando uma máquina cria. Ao simular processos cognitivos, a IA oferece percepções sobre a manifestação da criatividade humana. Entretanto, a criatividade humana é única, influenciada por emoções e experiências. Por outro lado, as máquinas dependem da replicação de padrões preexistentes, mas, com a orientação correta, elas podem aprimorar a criatividade humana. Mesmo assim, elas exigem calibração constante e dependem de critérios humanos para julgar seus resultados. A convergência de tecnologia e criatividade levou a debates sobre ética e direitos autorais de obras. É fundamental que a tecnologia esteja a serviço do ser humano, o que ressalta a urgência de estabelecer uma estrutura ética firme em nossa era digital.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paloma Bravo Fuentes, Universidad de Málaga (UMA), Málaga, Espanha, paloma.bravo.fuentes@gmail.com

Paloma Bravo-Fuentes es Dra. en Tecnología Educativa y tiene un Máster en e-learning y gestión del conocimiento.  Es Maestra de Educación Musical en la educación pública y licenciada en guitarra clásica.

En la actualidad, alterna su labor docente con la investigadora en las líneas de innovación e inclusión tecnológica en las enseñanzas  Actualmente amplía la temática investigadora hacia la didáctica y la pedagogía de la música ofreciendo resultados de trabajos basados en la investigación-acción como activo partícipe de las realidades educativas escolares.

Publicado

2023-11-27

Como Citar

BRAVO FUENTES, P. Inteligencia artificial Vs creatividad musical, ¿sustituto o complemento?. Música Hodie, Goiânia, v. 23, 2023. DOI: 10.5216/mh.v23.77167. Disponível em: https://revistas.ufg.br/musica/article/view/77167. Acesso em: 1 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos