Confiabilidade Inter-examinadores da “Escala de Musicabilidade: Formas de Atividade, Estágios e Qualidades de Engajamento” para validação no contexto brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/mh.v22.67027

Palavras-chave:

Escala de Musicabilidade: Formas de Atividade, Estágios e Qualidades de Engajamento. Musicoterapia. Confiabilidade inter-examinadores. Validação.Escala de Musicabilidade: Formas de Atividade, Estágios e Qualidades de Engajamento. Musicoterapia. Confiabilidade inter-examinadores. Validação.

Resumo

A “Escala de Musicabilidade: Formas de Atividade, Estágios e Qualidades de Engajamento” desenvolvida por Nordoff e Robbins, tem sido utilizada internacionalmente por musicoterapeutas para avaliar duas categorias presentes em atendimentos musicoterapêuticos: coatividade rítmica instrumental e canto. Para que essa escala seja utilizada no Brasil, é necessário um processo de validação. Escolhemos para esse processo o Modelo apresentado por Herdman, Fox-Ruby e Badia (1998) que prevê 6 tipos de equivalências: a conceitual, a de itens, a semântica, a operacional, a de mensuração e a equivalência funcional. Para medir a equivalência de mensuração da escala, foi realizado o cálculo de porcentagem de concordância e as correlações (tetracóricas) de 5 examinadores sobre 24 trechos de vídeos analisados. Verificamos boa concordância entre examinadores em todos os subdomínios da “Escala de Musicabilidade: Formas de Atividade, Estágios e Qualidades de Engajamento”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Moreira Brandão André, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, aline.musicasax@gmail.com

Aline M.  B. André é doutoranda em Música na Universidade Federal de Minas Gerais, tem mestrado em Música (2017) e bacharelado em Música - Musicoterapia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2014). Participou de pesquisas nos seguintes temas: protocolo de atendimento, transtorno do espectro do autismo, patologias neurológicas, musicoterapia improvisacional, musicoterapia neurológica e Escalas Nordoff Robbins.

Cristiano Mauro Assis Gomes, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, cristianomaurogomes@gmail.com

Doutor em Educação - UFMG, Pós-Doutor em Psicologia Educacional, Universidade do Minho, Portugal. É Professor do Departamento de Psicologia da UFMG, Professor do Programa de Pós-Graduação em Psicologia (UFMG e do Programa de Pós-Graduação em Neurociências (UFMG). Coordenador do Laboratório de Investigação da Arquitetura Cognitiva (LAICO). Bolsista de Produtividade nível 2, CNPq.

Cybelle Maria Veiga Loureiro, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, cybelleveigaloureiro@gmail.com

Bacharela em Música; Graduação em Musicoterapia – Iowa University-EUA; Mestra em Música –EM-UFMG; Doutora em Medicina – FM-UFMG. É professora associada e Coordenadora da Habilitação-Musicoterapia ESMU-UFMG, Professora da Pós-graduação em Música da ESMU-UFMG e Neurociências – ICB-UFMG.

Downloads

Publicado

2022-09-09

Como Citar

MOREIRA BRANDÃO ANDRÉ, A.; GOMES, C. M. A.; LOUREIRO, C. M. V. Confiabilidade Inter-examinadores da “Escala de Musicabilidade: Formas de Atividade, Estágios e Qualidades de Engajamento” para validação no contexto brasileiro. Revista Música Hodie, Goiânia, v. 22, 2022. DOI: 10.5216/mh.v22.67027. Disponível em: https://revistas.ufg.br/musica/article/view/67027. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos