Composição e história natural de serpentes da Zona da Mata, Rondônia, sudoeste da Amazônia brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/rbn.v19iesp.73820

Palavras-chave:

Squamata, hepertofauna, serpentes, Rondônia

Resumo

Este estudo apresenta a composição de espécies e também aponta dados sobre a história natural de serpentes em Rondônia. As coletas de dados compreendeu o período entre janeiro e dezembro de 2018. Amostramos as serpentes usando o método de procura visual limitada pelo tempo, armadilhas de interceptação e queda e encontros ocasionais. Registramos 155 serpentes pertencentes a 60 espécies, com 12 espécies registradas pela primeira vez para região da zona da mata e dois novos registros para o Estado de Rondônia (Lygophis meridionalis e Atractus pantostictus). A espécie mais abundante foi a jaracaca-da-Amazônia (Bothrops atrox). As serpentes em atividade foram mais frequentemente observadas no chão (63,22%). As presas mais comuns registradas são lagartos (45% das espécies). A riqueza de serpentes ainda pode ser considerada subestimada, apontando a necessidades de novas pesquisas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Carlos Batista Turci, Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Presidente Médici, Rondônia, Brasil, luiz.carlos@unir.br

Bacharel e Licenciado em Ciências Biológicas pela Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal (2005), Mestrado em Ecologia e Manejo de Recursos Naturais pela Universidade Federal do Acre (2009), Doutorado em biodiversidade e biotecnologia pela Rede de Biodiversidade e Biotecnologia da Amazônia Legal - BIONORTE (2019). Atualmente é professor Adjunto III da Universidade Federal de Rondônia - UNIR (Campus de Presidente Médici). Tem experiência nas áreas de Ecologia e Zoologia com ênfase em herpetologia (anuros, lagartos e serpentes), Etnoecologia e Educação ambiental.

Paulo Sérgio Bernarde, Universidade Federal do Acre (UFAC), Cruzeiro do Sul, Acre, Brasil, snakebernarde@hotmail.com

Graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Londrina (1996), mestrado em Zoologia pela Universidade Federal do Paraná (1999) e doutorado em Ciências Biológicas (Zoologia) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2004). Atualmente é Professor Titular da Universidade Federal do Acre (Campus Floresta - Cruzeiro do Sul - AC) e docente permanente credenciado nos cursos de Mestrado em em Ciências da Saúde na Amazônia Ocidental da UFAC (Rio Branco - AC) e de Doutorado na Rede de Biodiversidade e Biotecnologia da Amazônia Legal - REDE BIONORTE. Tem experiência nas áreas de Ecologia e Zoologia com ênfase em herpetologia (anuros, lagartos e serpentes), Etnoecologia e em Animais de Interesse na Saúde.

Referências

Ab'Saber, A. N. 1977. Os domínios morfoclimáticos da América do Sul. Primeira aproximação. Geomorfologia. 52:1-21.

Amaral, A. 1948. Ofídios de Mato Grosso. 2.ed. Comissão Linhas Telegráficas Estratégicas do Mato Grosso e Amazonas, Imprensa Nacional, Rio de Janeiro. Publicação n. 84, Anexos n. 5. Hist. Nat. Zool.

Avila-Pires, T. C. S., L. J. Vitt, S. S. Sartorius & P. A. Zani. 2009. Squamata (Reptilia) from four sites in southern Amazonia, with a biogeographic analysis of Amazonian lizards. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ser. Zool. 4(2): 99-118.

Avila-Pires, T. C. S., M. S. Hoogmoed & W. A. Rocha. 2010. Notes on the Vertebrates of northern Pará, Brazil: a forgotten part of the Guianan Region, I. Herpetofauna. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi Ciênc. Nat. 5(1):13-112.

Bernarde, P. S. & A. S. Abe. 2006. A snake community at Espigão do Oeste, Rondônia, southwestern Amazon, Brazil. South American Journal of Herpetology. 1(2): 102-113.

Bernarde, P. S. & A. S. Abe. 2010. Hábitos alimentares de serpentes em Espigão do Oeste, Rondônia, Brasil. Biota Neotrop. 10(1): 167-173.

Bernarde, P. S. & L. C. Macedo. 2008. Impacto do desmatamento e formação de pastagens sobre a anurofauna de serapilheira em Rondônia. Iheringia. 98(4): 454–459.

Bernarde, P. S. & R. A. Machado. 2000. Oxyrhopus petola digitalis (NCN). Prey. Herpetological Review. 31(4):247-248.

Bernarde, P. S., R. A. Machado & L. C. B. Turci. 2011. Herpetofauna da área do Igarapé Esperança na Reserva Extrativista Riozinho da Liberdade, Acre – Brasil. Biota Neotrop. 11(3):117–144.

Bernarde, P. S., S. Albuquerque, T. O. Barros & L. C. B. Turci. 2012. Serpentes do Estado de Rondônia, Brasil. Biota Neotrop. 12(3):154-182.

Bernarde, P. S., L. C. B. Turci, A. D. Abegg & F. L. Franco. 2018. A remarkable new species of coralsnake of the Micrurus hemprichii species group from the Brazilian Amazon. Salamandra. 54(4): 249–258.

Brandão, R. A. 2002. Avaliação ecológica rápida da herpetofauna nas Reservas extrativistas de Pedras Negras e Curralinho, Costa Marques, RO. Brasil Florestal. 21(74):61-73.

Capobianco, J. P. R. 2002. Metodologia. In Ministério do Meio Ambiente, Biodiversidade Brasileira: avaliação e identificação de áreas e ações prioritárias para a conservação, utilização sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade brasileira. MMA/SBF, Brasília.

Cechin, S. Z. & M. Martins. 2000. Eficiência de Armadilhas de Queda (Pitfall Traps) em Amostragens de Anfíbios e Répteis no Brasil. Revista Brasileira de Zoologia. 17(3):729-740.

Costa, H. C., R. S. Bernils & T. Guedes. 2021. Lista de répteis do Brasil: padrões e tendências. Herpetologia Brasileira. 10(3): 110–279.

Cunha, O. R. & F. P. Nascimento.1993. Ofídios da Amazônia. As cobras da região leste do Pará. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Série Zoologia. 9(1):1-191.

Duellman, W. E. 1978. The biology of equatorial herpetofauna in Amazonian Equador. Museum of Natural History, University of Kansas. 65(1):1-352.

Fearnside, P. M. 2006. Desmatamento na Amazônia: dinâmica, impactos e controle. Acta Amazonica. 36(3): 395-400.

Ferrão, M., J. A. S. Rodrigues-Filho & M. O. Silva. 2012. Checklist of reptiles (Testudines, Squamata) from Alto Alegre dos Parecis, southwestern Amazonia, Brazil. Herpetology Notes. 5:473-480.

Ferreira, L. V., E. Venticinque & S. Almeida. 2005. O desmatamento na Amazônia e a importância das áreas protegidas. Estudos Avançados. 19(53): 157-166.

Ferreira-Bisneto, P. & I. L. Kaefer. 2019. Reproductive and feeding biology of the common lancehead Bothrops atrox (Serpentes, Viperidae) from central and southwestern Brazilian Amazonia. Acta Amazônica. 49:105-113.

Fraga, R., A. P. Lima & W. E. Magnusson. 2011. Mesoscale spatial ecology of a tropical snake assemblage: the width of riparian corridors in central Amazonia. Herpetological Journal. 21:51-57.

Fraga, R., A. P. Lima, A. L. Prudente & W. E. Magnusson. 2013. Guia de cobra da região de Manaus - Amazônia Central. Manaus. Inpa.

Fraga, R., A. P. Lima., W. E. Magnusson., M. Ferrão & A. J. Stow. 2017. Contrasting Patterns of Gene Flow for Amazonian Snakes That Actively Forage and Those That Wait in Ambush. Journal of Heredity. 108(5):524-534.

França, F. G. R., D. O. Mesquita & G. R. Colli. 2006. Checklist of Snakes From Amazonian Savannas in Brazil, Housed in the Coleção Herpetológica Da Universidade De Brasília, With New Distribution Records. Occasional Papers Oklahoma Museum of Natural History. 17:1-13.

França, F. G. R & N. M. Venâncio. 2010. Reptiles and amphibians of a poorly known region in southwest Amazonia. Biotemas. 23(3):71-84.

França, D. P. F., M. A. Freitas., W. P. Ramalho & P. S. Bernarde. 2017. Diversidade local e influência da sazonalidade sobre taxocenoses de anfíbios e répteis na Reserva Extrativista Chico Mendes, Acre, Brasil. Iheringia, Sér. Zool. 107:1-12.

Frota, J. G. 2004. As serpentes da região de Itaituba, médio Rio Tapajós, Pará, Brasil (Squamata). Comum. Mus. Ciênc. e Tecnol. da PUCRS, Sér. Zool. 17(1): 9-19.

Frota, J. G., A. P. N. Santos-Jr, H. M. Chalkidis & A. G. Guedes. 2005. As serpentes da região do baixo rio Amazonas, oeste do Estado do Pará, Brasil (Squamata). Biociências. 13(2):211-220.

Freitas, M. A., R. S. Vieira., O. M. Entiauspe-Neto, S. O. Sousa, T. Farias, A. G. Sousa & G. J. B. Moura. 2017. Herpetofauna of the Northwest Amazon forest in the state of Maranhão, Brazil, with remarks on the Gurupi Biological Reserve. ZooKeys. 643:141-155.

Greene, H. W. 1997. Snakes, the evolution of mistery in nature. Berkeley and Los Angeles. University of California Press.

Henderson, R. W., J. R. Dixon & P. Soini. 1978. On the seasonal incidence of tropical snakes. Contributions in Biology and Geology. 17:1-15.

Hoogmoed, M. S. & L. J. Vitt. 2007. Herpetofauna da Amazônia. In Herpetologia no Brasil II. pp. 13-43. In: Nascimento, L. B. & M. E. Oliveira (Eds.). Sociedade Brasileira de Herpetologia, Belo Horizonte.

Jorge-da-Silva Jr, N. 1993. The snakes from Samuel hydroelectric power plant and vicinity, Rondônia, Brasil. Herpetological Natural History. 1(1): 37-86.

Lillywhite, H. B. & R. W. Henderson. 1993. Behavioral and functional ecology of arboreal snakes. pp. 1-48. In: Seigel R. A. & J. T. Collins (Eds.). Snakes: ecology and behavior. New York, USA, McGraw-Hill.

Macedo, L. C., P. S. Bernarde & A. S. Abe. 2008. Lagartos (Squamata: Lacertilia) em áreas de floresta e de pastagem em Espigão do Oeste, Rondônia, sudoeste da Amazônia, Brasil. Biota Neotrop. 8(1): 134-139.

Martins, M. 1993. Why do snakes sleep on the vegetation in Central Amazonia? Herpetological Review. 24(3): 83-84.

Martins, M. & M. E. Oliveira. 1998. Natural history of snakes in forests of the Manaus region, Central Amazonia, Brazil. Herpetol. Nat. Hist. 6(2): 78-150.

Martins, M., O. A. V. Marques & I. Sazima. 2008. How to be arboreal and diurnal and still stay alive: Microhabitat use, time of activity, and defense in Neotropical Forest Snakes. South American Journal of Herpetology. 3(1): 58-67.

Masseli, G. S., A. D. Bruce, J. G, Santos, T. Vicent & I. L. Kaefer. 2019. Composition and ecology of a snake assemblage in an upland forest from Central Amazonia. Anais da Acad. Brasil. de Ci. 9: 1-8.

Mota-Da-Silva, A., W. M. Monteiro & P. S. Bernarde. 2019. Popular names for bushmaster (Lachesis muta) and lancehead (Bothrops atrox) snakes in the Alto Juruá region: repercussion to clinical-epidemiological diagnosis and surveillance. Rev. da Soc. Brasil. de Med. Trop. 52: 1-4.

Myers, N., R. A. Mittermeier, C. G. Mittermeier, G. A. B. Fonseca & J. Kent. 2000. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature. 403(6772): 853-858.

Nascimento, F., T. C. S. Ávila-Pires & O. R. Cunha. 1987. Os répteis da área de Carajás, Pará, Brasil (Squamata) II. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. 3(1):33-65.

Nascimento, F. P., T. C. S. Ávila-Pires & O. R. Cunha. 1988. Répteis Squamata de Rondônia e Mato Grosso coletados através do programa Polonoroeste. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi, Sér. Zool. 4(1): 21-66.

Nolte, C., A. Agrawal, K. M. Silvius & B. S. Soares-Filho. 2013. "Governance regime and location influence avoided deforestation success of protected areas in the Brazilian Amazon". Proc. of the Nat. Ac. of Sci. 110(13): 4956-4961.

Oliveira, M. E. & M. Martins. 2001. When and where to find a pitviper: activity patterns and habitat use of the lancehead, Bothrops atrox, in central Amazonia, Brazil. Herpetol. Nat. Hist. 8:101-110.

Prudente, A. L. C., G. F. Maschio, M. C. Santos-Costa & D. T. Feitosa. 2010. Serpentes da Bacia Petrolífera de Urucu, Município de Coari, Amazonas, Brasil. Acta Amazônica. 40(2): 381-386.

Recoder, R. S., M. T. Junior, A. Camacho, S. M. P. Nunes, T. Mott, P. H. Valdujo, J. M. Ghellere, C. Nogueira & M. T. Rodrigues. 2011. Répteis da Estação Ecológica Serra Geral do Tocantins, Brasil Central. Biota Neotrop. 11(1): 263-282.

Ribeiro-Júnior, M. A., T. A. Gardner & T. C. S. Ávila-Pires. 2008. Evaluating the effectiveness of herpetofaunal sampling techniques across a gradient of habitat change in a tropical forest landscape. J. of Herpetol. 42(4): 733-749.

Rodrigues, G. M., G. F. Maschio & A. L. C. Prudente. 2015. Snake assemblages of Marajó Island, Pará state, Brazil. Zoologia. 33(1): 1-13.

Roriz K. R. P. S., K. D. Zaqueo, S. S. Setubal, T. H. Katsuragawa, R. R. D. Silva & C. F. C. Fernandes. 2018. Epidemiological study of snakebite cases in Brazilian Western Amazonia. Rev. da Soc. Brasil. de Med. Trop. 51(3): 338-346.

Santos-Costa, M. C., G. F. Maschio & A. L. C. Prudente. 2015. Natural history of snakes from Floresta Nacional de Caxinauã, Amazônia Oriental, Brasil. Herpetology Notes. 8: 69-98.

Silva, M. V., M. B. Souza & P. S. Bernarde. 2010. Riqueza e dieta de serpentes do Estado do Acre, Brasil. Rev. Brasil. de Zooci. 12(2): 165-176.

Turci, L. C. B & P. S. Bernarde. 2008. Levantamento herpetofaunístico em uma localidade no município de Cacoal, Rondônia, Brasil. Bioikos. 22(2): 101-108.

Turci, L. C. B., S. Albuquerque, P. S. Bernarde & D. B. Miranda. 2009. Uso do hábitat, atividade e comportamento de Bothriopsis bilineatus e de Bothrops atrox (Serpentes: Viperidae) na floresta do Rio Moa, Acre, Brasil. Biota Neotrop. 9(3): 197-206.

Turci, L. C. B., A. D. Abegg, C. M. Rosa & P. S. Bernarde. 2020. First record of the snake Lygophis meridionalis (Serpentes: Dipsadidae) for the state of Rondônia, northern Brazil. Herpetology Notes. 13: 145-149.

Vanzolini, P. E. 1986. Levantamento herpetológico da área do Estado de Rondônia sob a influência da rodovia Br-364, Polonoreste. Ecologia Animal, Relatório de Pesquisa CNPq, Brasília. 1: 1-50.

Vaz-Silva, W., R. M. Oliveira, A. F. N. Gonzaga, K. C. F. C. Poli, T. M. Bilce, M. Penhacek, L. Wronski, J. X. Martins, T. G. Junqueira, L. C. C. Cesca, V. Y. Guimarães & R. D. Pinheiro. 2015. Contributions to the knowledge of amphibians and reptiles from Volta Grande do Xingu, northern Brazil. Brazil. J. of Biol. 75(3): 205-218.

Vitt, L. J. 1987. Communities. pp.335-365. In: Seigel, R. A., J. T. Collins & S. S. Novak (Eds.). Snakes: Ecology and evolutionary biology. New York, USA, McGraw-Hill Publishing.

Vogt, R. C., G. Moreira & A. C. O. C. Duarte. 2001. Biodiversidade de répteis do bioma floresta Amazônica e ações prioritárias para sua conservação. pp.89-96. In: Capobianco, J. P. R. (Ed.). Biodiversidade na Amazônia brasileira: avaliação e ações prioritárias para a conservação, uso sustentável e repartição de benefícios. São Paulo, Instituto Sócio Ambiental.

Waldez, F., M. Menin & R. C. Vogt. 2013. Diversidade de anfíbios e répteis Squamata na região do baixo rio Purus, Amazônia Central, Brasil. Biota Neotrop. 13(1): 300-316.

Yuki, R. N., U. Galatti & M. T. Rocha. 1999. Contribuições ao conhecimento da fauna de Squamata de Rondônia, Brasil, com dois novos registros. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Sér. Zool. 15(2): 181-193.

Zimmermann, B. L. & M. T. Rodrigues. 1990. Frogs, Snakes, and Lizards of the INPA/WWF reserves near Manaus, Brazil. pp. 426-454. In: Gentry, A. H. (Ed.). Four Neotropical Rainforests. New Haven, Yale University Press.

Downloads

Publicado

30-12-2022

Como Citar

TURCI, L. C. B.; BERNARDE, P. S. Composição e história natural de serpentes da Zona da Mata, Rondônia, sudoeste da Amazônia brasileira. Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology, Goiânia, v. 19, n. esp, p. 111–126, 2022. DOI: 10.5216/rbn.v19iesp.73820. Disponível em: https://revistas.ufg.br/RBN/article/view/73820. Acesso em: 23 fev. 2024.