Caracterização dos répteis descartados por mantenedores particulares e entregues ao Centro de Conservação e Manejo de Répteis e Anfíbios – RAN

Autores

  • Valéria Leão Souza Centro de Conservação e Manejo de Répteis e Anfíbios
  • Tatiane Mendonça Santos Centro de Conservação e Manejo de Répteis e Anfíbios
  • Alfredo Palau Peña Centro de Conservação e Manejo de Répteis e Anfíbios
  • Vera Lúcia Ferreira Luz Centro de Conservação e Manejo de Répteis e Anfíbios
  • Isaías José Reis Centro de Conservação e Manejo de Répteis e Anfíbios

DOI:

https://doi.org/10.5216/rbn.v4i2.5215

Palavras-chave:

Animal de estimação, entrega voluntária, Goiás, mantenedores particulares, répteis

Resumo

O interesse das pessoas em manter animais silvestres como animais de estimação é mais um incentivo à prática do comércio predatório e indiscriminado da fauna silvestre. Neste estudo foram analisados os registros de recebimento de répteis pelo Centro de Conservação e Manejo de Répteis e Anfíbios (RAN), entre agosto de 2002 e dezembro de 2005, para identificar as causas da devolução, o número de espécies e a integridade física e a saúde dos animais. Os dados foram separados por grupos taxonômicos e descritos em tabelas e gráficos. A principal causa de devolução alegada pelos mantenedores no ato da entrega foi o desinteresse pelos animais. Dos 136 indivíduos registrados, 70% eram quelônios, 26% Squamata e 4% crocodilianos. Entre os quelônios, a família Testudinidae foi a mais representativa (67%). Dos 35 espécimes de Squamata, 42% pertenciam à família Viperidae, 15% à Colubridae, 32% à Boidae e 11% à Iguanidae. Os crocodilianos foram os menos expressivos, com apenas cinco exemplares de três espécies. A maior parte dos animais apresentava bom estado de saúde. Considera-se de grande importância que as autoridades competentes desenvolvam projetos educativos e de esclarecimento para a sociedade, bem como para controlar e reprimir o comércio ilegal da fauna silvestre.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Babbie, E. 2003. Métodos de pesquisa de survey. 2a reimpr., UFMG, Belo Horizonte, 519 p.

Borges, R. C., A. Oliveira, N. Bernardo & R. M. M. C. da Costa. 2006. Diagnóstico da fauna silvestre apreendida e recolhida pela Polícia Militar de Meio Ambiente de Juiz de Fora, MG (1998 e 1999). Rev. Bras. Zooci. 8: 23-33.

Grespan, A. 2001. Salmonelose humana causada por répteis. Bol. Inform. Anclivepa, ano VI, no 25, p. 14. Disponível em: <http://www.anclivepa-sp.org.br/rev-6-25-02.htm>. Acesso em: 8 abr. 2008.

Hoover, C. 1999. Amazon tree boas to zulu-land dwarf chameleons: the US role in the international live reptile trade. Traff. Bull. 17.Disponível em: . Acesso em: 8 abr. 2008.

IBAMA. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. 2002. Instrução normativa n. 31, de 31 de dezembro de 2002. Disponível em: <http://www.diagnostico.org.br/legislacao/legislacao.2005-10-19.5402768361>. Acesso em: 8 abr. 2008.

Marcondes, S. A. 2005. Brasil, amor à primeira vista! Viagem ambiental no Brasil do século XVI ao XXI. Peirópolis, São Paulo, 343 p.

Molina, F. B. & D. A. Piraino. 2002. Animais silvestres no mercado de animais de estimação: um fato real que necessita atenção especial. Olam – Ci. Tecnol. 2. Disponível em: <http://www.olam.com.br/abstracts/abstract4/molina.htm>. Acesso em: 8 abr. 2008.

Peixoto, J. E., M. C. Tischer & A. Miranda. 2003. Entrada de répteis no Parque Ecológico “Mourão” durante o período de 1999 a 2002. In: Anais do 12o Congresso da Sociedade Paulista de Zoológicos. Disponível em: <http://www.spzoo.org. br/0603.htm>. Acesso em: 8 abr. 2008.

RENCTAS. Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres. 2001. 1o Relatório nacional sobre o tráfico de fauna silvestre. Brasília, 107 p. Disponível em: <http://www.renctas.org.br/files/ REL_RENCTAS_pt_final.pdf>. Acesso em: 8 abr. 2008.

Ribeiro, L. B. & B. M. de Sousa. 2004. Quelônios: quanto vale ter um? Ci. Hoje 35: 65-67.

Sá, I. V. A. de & C. A. Solari. 2001. Salmonella in Brazilian and imported pet reptiles. Braz. J. Microbiol. 32: 293- 297. Disponível em: . Acesso em: 8 abr. 2008.

Szpilman, M. 1999. Nossa fauna urbana. Inform. Inst. Aqualung 25.

Vidolin, G. P., P. R. Mangini, M. de Moura-Brito & M. C. Muchailh. 2004. Programa estadual de manejo de fauna silvestre apreendida – Estado do Paraná, Brasil. Cad. Biodivers. 4: 37-49. Disponível em: <http://www.pr.gov.br/meioambiente/iap/pdf/artigo_5.pdf>. Acesso em: 8 abr. 2008.

WWF. World Wildlife Fund. 1995. Tráfico de animais silvestres no Brasil. 1O informe. Brasília, 48 p.

Downloads

Publicado

15-12-2008

Como Citar

SOUZA, V. L.; SANTOS, T. M.; PEÑA, A. P.; LUZ, V. L. F.; REIS, I. J. Caracterização dos répteis descartados por mantenedores particulares e entregues ao Centro de Conservação e Manejo de Répteis e Anfíbios – RAN. Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology, Goiânia, v. 4, n. 2, p. 149–160, 2008. DOI: 10.5216/rbn.v4i2.5215. Disponível em: https://revistas.ufg.br/RBN/article/view/5215. Acesso em: 28 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)