Apreensão de espécimes da fauna silvestre em Goiás – situação e destinação

Autores

  • Lilian Freitas Bastos
  • Vera Lúcia Ferreira Luz Centro Nacional de Conservação e Manejo de Répteis e Anfíbios I (RAN/ICMBio)
  • Isaías José dos Reis Centro Nacional de Conservação e Manejo de Répteis e Anfíbios I (RAN/ICMBio)
  • Valéria Leão Souza Superintendência Municipal de Meio Ambiente

DOI:

https://doi.org/10.5216/rbn.v5i2.9822

Palavras-chave:

Apreensão, fauna silvestre, Goiás, tráfico

Resumo

Este estudo objetivou o levantamento das espécies silvestres encontradas com comerciantesilegais e apreendidas no estado de Goiás, entre 1997 e 2005, visando identificar aquelas ameaçadas de extinção, quantificar os grupos mais apreendidos e conhecer a destinação dada aos espécimes. Foramanalisados os registros obtidos a partir dos Termos de Apreensões e Depósitos (TADs), emitidos pela Superintendência do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA)/Batalhão de Polícia Militar Ambiental do estado de Goiás, e os dados são descritos em tabelas e figuras. Constatou-se a apreensão de 13.691 animais e 417,65 kg de produtos e/ou subprodutos da fauna silvestre. Do total de animais apreendidos, 94% eram aves, 4% mamíferos e 2% répteis, entre os quais, oito espécies constam na Lista das Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de Extinção de 2003. Os principais locais de apreensão foram os municípios de Abadiânia, Alexânia, Aparecida de Goiânia, Aporé, Alvorada do Norte, Itumbiara, Sanclerlândia, Uruaçu e Goiânia. A maioria dos animais foi solta em áreasadequadas nos próprios municípios de apreensão e os demais foram destinados a zoológicos, centros de pesquisa e criadouros da região. Os resultados oferecem subsídios para o conhecimento sobre os crimescontra a fauna em Goiás, constituindo tema de discussão entre os órgãos envolvidos no planejamento de ações fiscalizatórias e educativas para o combate ao tráfico de espécies silvestres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lilian Freitas Bastos

Bióloga autônoma

Vera Lúcia Ferreira Luz, Centro Nacional de Conservação e Manejo de Répteis e Anfíbios I (RAN/ICMBio)

Centro Nacional de Conservação e Manejo de Répteis e Anfíbios I (RAN/ICMBio)

Isaías José dos Reis, Centro Nacional de Conservação e Manejo de Répteis e Anfíbios I (RAN/ICMBio)

Centro Nacional de Conservação e Manejo de Répteis e Anfíbios I (RAN/ICMBio)

Referências

Bérnils, R. S. (Org.). 2009. Brazilian reptiles – list of species. Curitiba, Sociedade Brasileira de Herpetologia. Disponível em: <http://www.sbherpetologia.org.br/ checklist/repteis.htm>.

Bezerra, A. R. G. F., R. C. Costa, F. Lins & M. L. P. Silva. 2004. Tráfico de animais silvestres: (II) Variação anual de espécies recebidas no Centro de Triagem de Animais Silvestres. In: 25o Congresso Brasileiro de Zoologia, Brasília, DF, Universidade de Brasília. Resumos. Curitiba, Sociedade Brasileira de Zoologia, p. 473.

Borges, R. C., A. de Oliveira, N. Bernardo & R. M. M. C. da Costa. 2006. Diagnóstico da fauna silvestre apreendida e recolhida pela Polícia Militar de Meio Ambiente de Juiz de Fora, MG (1998 e 1999). Rev. Bras. Zoociênc. 8: 23-33.

Borges, R. C., M. G. Silva, E. L. Bisaggio & A. E. R. Nascimento. 2004. Levantamento das espécies e determinação da taxa de mortalidade da fauna apreendida/recolhida no Ibama/JF. In: 25o Congresso Brasileiro de Zoologia, Brasília, DF, Universidade de Brasília. Resumos. Curitiba, Sociedade Brasileira de Zoologia, p. 476.

Brasil. 1967. Lei no 5.197, de 3 de janeiro de 1967. Dispõe sobre a proteção à fauna e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 3 jan. 1967. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/ L5197.htm>.

Brasil. 1998. Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 12 fev. 1998. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/ L9605.htm>.

Brasil. 2003. Instrução Normativa MMA no 3, de 27 de maio de 2003. Ministério do Meio Ambiente, Brasília, DF, 22 p. Disponível em: .

Brasil. 2008. Decreto no 6.514, de 22 de julho de 2008. Dispõe sobre as infrações e sanções administrativas ao meio ambiente, estabelece o processo administrativo federal para apuração destas infrações, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 22 jul. 2008. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/CCIVIL/_Ato20072010/2008/Decreto/D6514.htm>.

CBRO. Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos. 2007. Lista das aves do Brasil. 6a ed. Rio de Janeiro. Disponível em <http://www.cbro.org.br/CBRO/listabr.htm>.

CITES. Convention on International Trade in Endangered Species of Wild Fauna and Flora. 2009. CITES species database. Geneva. Disponível em: <http://www.cites.org/eng/resources/species.html>.

Costa, L. P., Y. R. L. Leite, S. L. Mendes & A. D. Ditchfield. 2005. Conservação de mamíferos no Brasil. Megadiversidade 1: 103-112.

Fuccio, H., E. F. de Carvalho & G. Vargas. 2003. Perfil da caça e dos caçadores no Estado do Acre, Brasil. Rev. Aportes Andinos 6: 1-18. Movimientos Sociales, Políticas de Seguridad y Democracia. Disponível em: <http://www.uasb.edu.ec/padh/centro/pdfs6/Heloisa%20Fuccio.pdf>.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2004. Dimensão ambiental – biodiversidade. In: Indicadores de desenvolvimento sustentável – Brasil 2004. Brasília, DF, p. 100-134. Disponível em: .

IUCN. International Union for Conservation of Nature. 2008. IUCN Red List. Gland. Disponível em: <http://www.iucn.org/about/work/programmes/species/red_list/>.

Pereira, G. A. & M. T. de Brito. 2005. Diversidade de aves silvestres brasileiras comercializadas nas feiras livres da Região Metropolitana do Recife, Pernambuco. Atual. Ornitol. 126: 14.

Piraiano, D. A. & F. B. Molina. 2001. Estudantes universitários e animais de estimação: influência do curso/sexo na posse dos animais. In: 19o Congresso Brasileiro de Etologia, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora. Resumos. São Paulo, Sociedade Brasileira de Etologia, p. 314.

Reis, N. R., A. L. Peracchi, W. A. Pedro & I. P. Lima. 2006. Mamíferos do Brasil. Nélio R. dos Reis, Londrina, 437 p. Disponível em: <http://www.cienciamao.if.usp.br/dados/pdf/_mamiferosdobrasilneliord. arquivopdf.pdf>.

RENCTAS. Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais. 2001. 1o Relatório nacional sobre o tráfico de animais silvestres. 107 p.

RENCTAS. Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais. 2002. Animais silvestres: vida à venda. Dupligráfica, Brasília, DF, 260 p.

Rocha, F. M. 1995. Tráfico de animais silvestres no Brasil. WWF, Brasília, DF, 27 p.

Santos, T. C. C. & J. B. D. Câmara (Orgs.). 2002. GeoBrasil 2002: perspectivas do meio ambiente no Brasil – o estado da biodiversidade. Edições IBAMA, Brasília, DF, 447 p.

SEMA/PMA-SP. Secretaria Estadual do Meio Ambiente/Polícia Militar Ambiental do estado de São Paulo. 2006. Tráfico de animais da fauna silvestre nacional. Dados estatísticos e estratégias operacionais 2001-2005. São Paulo, 26 p. Disponível em: <http://www.pea.org.br/educativo/relatorio_ policia_ambiental.pdf>.

Vidolin, G. P., P. R. Mangini, M. de Moura-Brito & M. C. Muchailh. 2004. Programa estadual de manejo de fauna silvestre apreendida – Estado do Paraná, Brasil. Cad. Biodivers. 4: 37-49.

WWF. World Wildlife Foundation. 1995. Tráfico de animais silvestres no Brasil. 1o° Informe. Brasília, DF, 48 p.

Downloads

Publicado

07-05-2010

Como Citar

BASTOS, L. F.; LUZ, V. L. F.; REIS, I. J. dos; SOUZA, V. L. Apreensão de espécimes da fauna silvestre em Goiás – situação e destinação. Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology, Goiânia, v. 5, n. 2, p. 51–63, 2010. DOI: 10.5216/rbn.v5i2.9822. Disponível em: https://revistas.ufg.br/RBN/article/view/9822. Acesso em: 18 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)