Ocorrência de Anura e Squamata na Coleção Etnográfica Awá-Guajá do estado do Maranhão, Brasil: observações taxonômicas e etnobiológicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/rbn.v20i1.74823

Palavras-chave:

Boa, Eunectes, Iguana, Tafonomia

Resumo

A Coleção Etnográfica Awá-Guajá é constituída de uma assembleia faunística de vertebrados proveniente de depósitos de descarte da comunidade Awá-Guajá, localizada no estado do Maranhão. Estudos zoológicos e etnoecológicos com mamíferos, peixes e aves já foram feitos, porém nenhum trabalho envolvendo répteis e anfíbios foi desenvolvido com material proveniente desta coleção. O objetivo deste trabalho é o estudo dos clados de vertebrados mais raros dessa coleção: anuros, serpentes e lagartos. Para essa finalidade foram realizados estudos taxonômicos e tafonômicos e também foi verificada a presença de atividade humana nesses ossos através do estudo de cortes, queimas e quebras. Os espécimes identificados incluem um exemplar de Anura indeterminado, dois indivíduos da espécie de Iguanidae Iguana iguana Linnaeus, 1758 e várias vértebras e costelas de dois gêneros de Boidae, Eunectes e Boa. O Anura e o Iguanidae não possuíam evidência de atividade humana, porém os Boidae apresentaram queima e cortes sugerindo que os espécimes foram manipulados pela comunidade indígena, provavelmente para fins de subsistência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila da Silva Praita, Universidade de São Paulo (USP), Instituto de Biociências, São Paulo, São Paulo, Brasil, camila.praita@gmail.com

Graduanda em Ciência e Tecnologia do Mar pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Campus Baixada Santista. Graduada em Ciências Biológicas Bacharelado pela Universidade Cidade de São Paulo (UNICID). Atualmente, estagiária e aluna de iniciação científica no Laboratório de Estudos Evolutivos Humanos do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (LEEH-IB-USP), desenvolvendo pesquisas nas áreas de tafonomia, zooarqueologia e zoologia com a Herpetofauna de sítios arqueológicos e paleontológicos. Anteriormente, bolsista PIBIC/CNPq em pesquisa desenvolvida no laboratório que trabalho atualmente.

Artur Chahud, Universidade de São Paulo (USP), Instituto de Biociências, São Paulo, São Paulo, Brasil, arturchahud@yahoo.com

Graduação em Geologia Bacharelado pela Universidade de São Paulo (2003). Mestrado em Geologia Sedimentar e Ambiental na área de Paleontologia e Bioestratigrafia no Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo (2007). Doutorado em Geoquímica e Geotectônica na área de Geotectônica Evolução de bacias trabalhando na área de paleontologia, bioestratigrafia e sedimentologia no Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo (2011). Pos-doutorando em geologia e paleontologia do Permiano da formações Tatuí e Irati, trabalhando com estratigrafia, tafonomia, paleobotânica, paloictiologia e paleontologia de artrópodes (2012 - 2015). Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Paleontologia Estratigráfica, atuando principalmente nos seguintes temas: bioestratigrafia, paleontologia, geologia, biologia, pré-história, tafonomia, vertebrados paleoambiente e paleoecologia. Especializações em paleovertebrados do Paleozóico (Chondrichthyes, Osteichthyes e Tetrápodes) Desenvolve atualmente pesquisas com zooarqueologia em sitios arqueológicos e etnográficos, além de paleontologia de cavernas e paleontologia de mamíferos do quaternário.

Juliana Takahashi Machado, Universidade de São Paulo (USP), Instituto de Biociências, São Paulo, São Paulo, Brasil, takahashijuliana@usp.br

Graduação em Ciências Biológicas (em curso) na Universidade de São Paulo.

Maria Mercedes Martinez Okumura, Universidade de São Paulo (USP), Instituto de Biociências, São Paulo, São Paulo, Brasil, okumuram@ib.usp.br

Bacharelado e licenciatura em Ciências Biológicas pelo Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (1999), mestrado (2002) e doutorado pela mesma instituição (2007). Trabalhei como pesquisadora-curadora no Depto de Antropologia Biológica da Universidade de Cambridge no Reino Unido (2006-2010) e, a seguir, fiz um pós-doutorado no Museu de Arqueologia e Etnologia da USP (2011-2014). Fui docente do Programa de Pós-Graduação em Arqueologia (PPGArq) do Depto. de Antropologia do Museu Nacional-UFRJ (2014-junho 2018). Atualmente sou docente do Depto. de Genética e Biologia Evolutiva do Instituto de Biociências da Universidade de São paulo e coordeno o Laboratório de Estudos Evolutivos Humanos nesse depto. Tenho experiência na área de Evolução Humana, Bioarqueologia, Antropologia Biológica e Arqueologia, atuando principalmente nos seguintes temas: estudos bioculturais humanos, estudos microevolutivos humanos, povoamento pré-histórico brasileiro, transmissão cultural em caçadores-coletores e aplicação de métodos estatísticos em arqueologia. Sou Honorary Research Fellow da University of Exeter (Reino Unido) e associada ao Depto. de Biologia Evolutiva Humana (Universidade de Harvard) sob responsabilidade do professor David Reich. Sou parte do comitê de seleção dos ganhadores do prêmio IgNobel desde 2021.

Referências

Albino, A. M. 2011. Morfología vertebral de Boa constrictor (Serpentes: Boidae) y la validez del Género Mioceno Pseudoepicrates Auffenberg, 1923. Ameghiniana. 48(1):53-62. DOI: https://doi.org/10.5710/AMGH.v48i1(302)

Albino, A.M. & A. Carlini. 2008. First record of Boa constrictor (Serpentes, Boidae) in the Quaternary of South America. J. Herpetol. 42: 82-88. DOI: https://doi.org/10.1670/07-124R1.1

Balée, W. 1994. Footprints of the forest: Ka’apor ethnobotany - the historical ecology of plant utilization by na amazonian people. New York, Columbia University Press.

Barreto, L., L. E. S. Ribeiro, M. C. Nascimento, M. B. Martins & T. G. Oliveira. 2011. Caracterização da herpetofauna em áreas da Amazônia do Maranhão. pp. 204-217. In: Martins, M. B. & T. G. Oliveira, (Org.) Amazônia maranhense: diversidade e conservação. Belém, MPEG.

Behrensmeyer, A. K. 1978. Taphonomic and ecologic information from bone weathering. Paleobiology. 4(2): 150-162. DOI: https://doi.org/10.1017/S0094837300005820

Behrensmeyer, A. K. 1991. Terrestrial Vertebrate Accumulations. Taphonomy. pp. 291-335. In: Allison, P.A. & D. E. G. Briggs, (eds.). Taphonomy: releasing the data locked in the fossil record. New York, Plenum Press. DOI: https://doi.org/10.1007/978-1-4899-5034-5_6

Bissaro Jr., M. C. 2008. Tafonomia como ferramenta zooarqueológica de interpretação: viés de representatividade óssea em sítios arqueológicos, paleontológicos e etnográfico. 102 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia de Sistemas Terrestres e Aquáticos), Instituto de Biociências da USP, São Paulo.

Chahud, A. 2019. Uma coleção osteológica de roedores derivada de atividades de caça da Sociedade Awá-Guajá do estado do Maranhão. Acta Biol Catarin. 6(4): 83-94. DOI: https://doi.org/10.21726/abc.v6i4.790

Chahud, A. 2020a. Presença de duas espécies de Caimaninae (Crocodylia, Alligatoridae) em material osteológico oriundo de descarte da comunidade Awá-Guajá no Estado do Maranhão. Rev. Nordestina de Zool. 12(2): 15- 25.

Chahud, A. 2020b. Uma coleção de Carnivora derivada de atividades de caça da Sociedade Awá-Guajá do Estado do Maranhão, Brasil. Biota Amazônia. 10(2): 34-37. DOI: https://doi.org/10.21726/abc.v6i4.790

Chahud, A. & M. Okumura. 2020. Uma coleção ictiológica proveniente de atividade pesqueira da Sociedade Awá-Guajá do estado do Maranhão. Rev. Nordestina Biol. 28(1): 93-111. DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.2236-1480.2020v28n1.53292

Chahud, A. 2021. Presença de Ramphastidae Vigors, 1825 derivado de atividade de caça da Sociedade Awá-Guajá do Estado do Maranhão. BIOTERRA. 21(1): 46-50.

Chahud, A., G. F. Figueiredo, G. S. Mingatos & M. Okumura. 2021. Taxonomic analysis of the Quaternary archaeofauna found at The Lapa do Santo site, Lagoa Santa region, Brazil. J Quaternary Sci, 36, 1268-1278. DOI: https://doi.org/10.1002/jqs.3372

Chahud, A. 2022a Tafonomia de anuros, marsupiais e pequenos roedores do Abismo Ponta de Flecha (Quaternário), sudeste do Brasil. Bol. Par. Geoc. 80(1): 102-113. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/geo.v80i1.88184

Chahud, A. 2022b. Tafonomia de restos de Anura (Amphibia) do Holoceno da Gruta Cuvieri, estado de Minas Gerais, Brasil. Rev. Biol. Neotrop./J. Neotrop. Biol. 19(esp.). 92-98. DOI: https://doi.org/10.5216/rbn.v19iesp.73433

Chahud, A. 2022c. Xenarthra provenientes de atividades de caça da comunidade Awá-Guajá do Estado do Maranhão: considerações taxonômicas e tafonômicas. Biota Amazônia. 12(1): 11-15. DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v12n1p11-15

Comier, L. A. 2003. Kinship with Monkeys: The Guajá foragers of Eastern Amazonia. Historical Ecology Series, New York, Columbia University Press.

Conrad, J. L. & M. A. Norell. 2010. Cranial autapomorphies in two species of Iguana (Iguanidae: Squamata). J . Herpetol. 44(2): 307-312. DOI: https://doi.org/10.1670/08-175.1

Ferreira Figueiredo, M. G. O. 2020. Taxonomia e tafonomia dos remanescentes ósseos de Ungulados da Coleção Guajá. 14 f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Ciências Biológicas). Universidade Cidade de São Paulo, São Paulo.

Ferreira Figueiredo, G., A. Chahud & M. Okumura. 2022. Taxonomia e tafonomia dos remanescentes ósseos de ungulados da coleção Awá-Guajá do estado do Maranhão, Brasil. Etnobiología. 20(2): 84-99.

Forline L. C. 1997. The persistence and cultural transformation of the Awá-Guajá indians: foragers of Maranhão state, Brazil. 336 f. Tese (Doutorado em Antropologia). University of Florida, Gainesville.

Fraga, R., A. P. Lima, A. L. C. Prudente & W. E. Magnusson. 2013. Guia de cobras da região de Manaus – Amazônia Central. Manaus, Ed. INPA.

Garcia, U. F. 2010. KarAwára a caça e o mundo dos Awá-Guajá. 447 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Hsiou, A. S. & A. M. Albino. 2009. Presence of the genus Eunectes (Serpentes, Boidae) in the Neogene of Southwestern Amazonia, Brazil. J. Herpetol. 43: 612-619. DOI: https://doi.org/10.1670/08-295.1

Lima, J. D. 2003. Composição e diversidade de serpentes em um mosaico de habitats no município de Urbano Santos, Maranhão. 63 f. Dissertação (Mestrado em Zoologia). Museu Paraense Emílio Goeldi, Universidade Federal do Pará, Belém.

Lima, F. C., K. F. Pereira & A. Sebben. 2015. Osteologia do dermatocrânio e da mandíbula de Iguana iguana iguana (Squamata: Iguanidae). Rev. Biol. Neotrop./J. Neotrop. Biol. 12(2): 63-73. DOI: https://doi.org/10.5216/rbn.v12i2.31934

Lyman, R. L. 1994. Vertebrate Taphonomy, Cambridge Manuals in archaeology. Cambridge, Cambridge University Press. 552 p. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9781139878302

Moura, I. A. A. 2016. “Tá osso” Zooarqueologia nos sítios arqueológicos Teotônio e Garbin no Rio Madeira, RO. 69 f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Arqueologia). Fundação Universidade Federal de Rondônia/UNIR, Porto Velho.

Oliveira, T. G., J. S. S. Júnior, R. G. Gerude, P. A. Dias & L. G. P. Resende. 2011. Utilização de caça pelos índios Awá/Guajá e Ka’apor da Amazônia Maranhense. pp. 271-282. In: Martins M. B. & T. G. Oliveira (Orgs.). Amazônia maranhense: diversidade e conservação. Belém, MPEG.

Onary, S. & A. S. Hsiou. 2018. Systematic revision of the early Miocene fossil Pseudoepicrates (Serpentes: Boidae): implications for the evolution and historical biogeography of the West Indian boid snakes (Chilabothrus). Zoo. J. Linn. Soc. 184(2): 453-470. DOI: https://doi.org/10.1093/zoolinnean/zly002

Onary-Alves S. Y., Hsiou, A. S. & A. Rincón. 2016. The northernmost South American fossil record of Boa constrictor (Boidae, Boinae) from the Plio-Pleistocene of El Breal de Orocual (Venezuela). Alcheringa. 41: 1-8. DOI: https://doi.org/10.1080/03115518.2016.1180031

Prado, H. M. 2007. Impacto da caça versus a conservação de primatas numa Comunidade Indígena Guajá. 98 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Prado, H. M., Forline, L. C. & R. Kipnis. 2012. Hunting practices among the Awá-Guajá:towards a long-term analysis of sustainbility in a Amazonian indigenous community. Bol. do Mus. Par. Emílio Goeldi, Ci. Hum. 7(2): 479-491. DOI: https://doi.org/10.1590/S1981-81222012000200010

Praita, C. S. 2022. Taxonomia e Tafonomia de restos de Testudines Batsch, 1788 oriundos da Coleção Guajá: uma abordagem Zooarqueológica. ?? f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Ciências Biológicas). Universidade Cidade de São Paulo, São Paulo.

Praita, C. S, A. Chahud, J. T. Machado & M. Okumura. 2022a. Tab.s de Cobras e Iguanas Awá-Guaja. figshare. Journal contribution. DOI: https://doi.org/10.6084/m9.figshare.21757946.v1

Praita, C. S, A. Chahud, J. T. Machado & M. Okumura. 2022b. Geral Cobras. figshare. Journal contribution. DOI: https://doi.org/10.6084/m9.figshare.21758036.v1

Praita, C. S, A. Chahud, J. T. Machado & M. Okumura. 2022c. Queima em Cobras. figshare. Journal contribution. DOI: https://doi.org/10.6084/m9.figshare.21758066.v1

Rivas, J., M. C. Muñoz, J. B. Thorbjarnarson, G. M. Burghardt, W. Holmstrom & P. P. Calle. 2007. "Natural History of the green anaconda (Eunectes murinus) in the Venezuelan llanos”. pp. 129-138. In: Henderson, R. W. & R. Powell, (Eds.). Biology of the Boas and Pythons. Eagle Mountain, Eagle Mountain Publishing.

Shipman, P. 1981. Life history of a fossil: an introduction to taphonomy and paleoecology. Cambridge, Harvard University Press, 222 p.

Shipman, P., G. Foster & M. Schoeninger. 1984. Burnt bones and teeth: an experimental study of color, morphology, crystal structure and shrinkage. J. Archeol. Sci. 11(4): 307-325. DOI: https://doi.org/10.1016/0305-4403(84)90013-X

Queiroz, H. L. & R. Kipnis. 1997. Os índios Guajá e os primatas da Amazônia maranhense: um caso de sustentabilidade de caça. A Primatologia no Brasil. 5: 81-94.

Voorhies, M. R. 1969. Taphonomy and population dynamics of an Pliocene vertebrate fauna, Knox County, Nebraska. Contributions to Geology. pp. 1-69. In: Contributions to Geology: special paper. Laramie, University Wyoming. DOI: https://doi.org/10.2113/gsrocky.8.special_paper_1.1

Downloads

Publicado

25-06-2023

Como Citar

PRAITA, C. da S.; CHAHUD, A.; MACHADO, J. T.; OKUMURA, M. M. M. Ocorrência de Anura e Squamata na Coleção Etnográfica Awá-Guajá do estado do Maranhão, Brasil: observações taxonômicas e etnobiológicas. Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology, Goiânia, v. 20, n. 1, p. 32–43, 2023. DOI: 10.5216/rbn.v20i1.74823. Disponível em: https://revistas.ufg.br/RBN/article/view/74823. Acesso em: 18 jul. 2024.