Mecanismos antipredatórios exibidos por Gymnodactylus darwinii (Squamata: Phyllodactylidae) e Chatogekko amazonicus (Squamata: Sphaerodactylidae) quando manuseados em trabalhos de campo

Autores

Palavras-chave:

Amazônia, Mata Atlântica, comportamentos defensivos, lagartos

Resumo

O Brasil é um dos países mais ricos em répteis. No entanto, os mecanismos antipredatórios de muitas dessas espécies ainda não são conhecidos. Ao documentarmos novos registros, podemos continuamente melhorar nosso entendimento sobre as interações predador-presa. Aqui, quatro mecanismos antipredatórios são relatados, o mimetismo de escorpiões exibido por Gymnodactylus darwinii e Chatogekko amazonicus, bem como a descarga cloacal, perda de pele e autotomia de cauda para o primeiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Becacici Loureiro, Secretaria de Estado da Educação do Espírito Santo, Vitória; Secretaria Municipal de Educação de Vila Velha, Vila Velha, Espírito Santo, Brasil, vb.confirmacao@gmail.com

Graduação em Ciências Biológicas pela Faculdade De Saúde E Meio Ambiente (FAESA), 2004. Pós Graduado em Educação de Jovens e Adultos. Pós Graduado em Educação Ambiental. Professor Efetivo do Estado do Espírito Santo . Professor Efetivo do Município de Vila Velha / ES.

Thiago Silva-Soares, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Museu de História Natural do Sul do Estado do Espírito Santo; Herpeto Capixaba, Espírito Santo, Brasil, thiagosilvasoares@hotmail.com

Pesquisador, hertólogo. Natural de Vitóra, Espírito Santo. Atua na área de Herpetologia, nas subáreas de taxonomia, morfologia e história natural, desenvolvendo pesquisas técnicas e científicas relacionadas ao conhecimento dos anfíbios e répteis brasileiros.Graduado em Ciências Biológicas - Bacharelado e Licenciatura pela FAESA (2004). Mestre (2010) e Doutor (2015) em Zoologia pelo Museu Nacional (MNRJ), Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Fundador e coordenador do Herpeto Capixaba, projeto que atua em prol do conhecimento e conservação dos anfíbios e répteis. Integrou o Lab. de Anfíbios e Répteis da UFRJ de 2007 a 2010 e o laboratório de Herpetologia do MNRJ de 2010 a 2015. Pesquisador PCI-DA do Instituto Nacional da Mata Atlântica (2014-17). Pós-doc No Laboratório de Genética e Evolução Molecular na Universidade Federal do Espírito Santo. Atualmente é pesquisador associado do Museu de História Natural do Sul do Estado do Espírito Santo, da Universidade Federal do Espírito Santo.

Waltécio de Oliveira Almeida, Universidade Regional do Cariri (URCA), Crato, Ceará, Brasil, waltecio@gmail.com

Concluiu estágio pós-doutoral sobre biologia de endoparasitas pulmonares de vertebrados pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN (2005-2006), cursou doutorado (2000-2003), mestrado (1997-1999) e bacharelado em Ciências Biológicas (1993-1996) pela Universidade Federal da Paraíba - UFPB. Foi coordenador do primeiro projeto de infraestrutura da Universidade Regional do Cariri - URCA financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq (2004-2005) e de projetos individuais com fomento da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico - FUNCAP (2004-2013), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES (2013-2020) e CNPq (2013-atual). É Professor Associado da URCA, coordenador do Laboratório de Zoologia da URCA e Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq. Compõe o corpo docente do programa de Pós-Graduação em Diversidade Biológica e Recursos Naturais - PPGDR/ URCA. Desenvolve pesquisas sobre parasitos de animais silvestres e colabora em projetos de bioprospecção molecular.

Fabrício Oda, Universidade Regional do Cariri (URCA), Crato, Ceará, Brasil, fabricio_oda@hotmail.com

Graduação em Ciências Biológicas Licenciatura Plena e Bacharelado pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), mestrado em Ecologia e Evolução pela Universidade Federal de Goiás (UFG) e doutorado em Ecologia de Ambientes Aquáticos Continentais pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) com período sanduíche na Unidade de Zoologia Marinha do Instituto Cavanilles de Biodiversidad y Biología Evolutiva da Universidad de Valencia, Espanha. É revisor de periódicos nacionais e internacionais. Tem interesse nas áreas de Ecologia e Zoologia, com ênfase em Herpetologia e Parasitologia, atuando principalmente nos seguintes temas: ecologia de comunidades, história natural, comportamento e parasitologia de peixes, anfíbios e répteis.

Referências

Almeida-Gomes, M., D. Vrcibradic, C. C. Siqueira, M. C. Kiefer, T. Klaion, P. Almeida-Santos, D. Nascimento, C. V. Ariani, V. N. T. Borges-Junior, R. F. Freitas-Filho, M. Van Sluys & C. F. D. Rocha. 2008. Herpetofauna of an Atlantic Rainforest area (Morro São João) in Rio de Janeiro State, Brazil. An. Acad. Bras. Ciênc. 80(2): 291-300. DOI: https://doi.org/10.1590/S0001-37652008000200007

Almeida-Gomes, M., D. Vrcibradic, T. Maia-Carneiro & C. F. D. Rocha. 2012. Diet and endoparasites of the lizard Gymnodactylus darwinii (Gekkota, Phyllodactylidae) from an Atlantic Rainforest area in southeastern Brazil. Biotemas 25(1): 203-206. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2012v25n1p203

Bauer, A. M. & A. P. Russell. 1992. The evolutionary significance of regional integumentary loss in island geckos: a complement to caudal autotomy. Ethol. Ecol. Evol. 4(4): 343-358. DOI: https://doi.org/10.1080/08927014.1992.9523127

Bauer, A. M., A. P. Russell & R. E. Shadwick. 1993. Skin mechanics and morphology of two species of Pachydactylus (Reptilia: Gekkonidae). S. Afr. J. Zool. 28(4): 192-197. DOI: https://doi.org/10.1080/02541858.1993.11448317

Brandão, R. & P. Motta. 2005. Circumstantial evidences for mimicry of scorpions by the neotropical gecko Coleodactylus brachystoma (Squamata, Gekkonidae) in the Cerrados of central Brazil. Phyllomedusa. 4(2): 139-145. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9079.v4i2p139-145

Castro, T. M. & T. Silva-Soares. 2016. Répteis da restinga do Parque Estadual Paulo César Vinha, Guarapari, Espírito Santo, Sudeste do Brasil. Cachoeiro de Itapemirim, Universidade São Camilo.

Colli, G. R., D. O. Mesquita, P. V. V. Rodrigues & K. Kitayama. 2003. Ecology of the gecko Gymnodactylus geckoides amarali in a Neotropical Savanna. J. Herpetol. 37(4): 694-706. DOI: https://doi.org/10.1670/180-02A

Costa, H. C., T. B. Guedes & R. S. Bérnils. 2022. Lista de répteis do Brasil: padrões e tendências. Herpetol. Bras. 10(3): 110-279. https://doi.org/10.5281/zenodo.5838950

Costa, H. C., V. A. São Pedro, D. J. Santana & R. N. Feio. 2009. Gonatodes humeralis (NCN). Defensive behavior. Herpetol. Rev. 40(2): 221.

Dewynter, M., T. Frétey, E. A. Courtois & J.-C. de Massary. 2020. Les Geckos indigènes et introduits de Guyane: identification et répartition. Herp me! 1: 1-23.

Dias, E. J. R. & C. F. D. Rocha. 2005. Os répteis nas restingas do Estado da Bahia: Pesquisa e ações para sua conservação. Rio de Janeiro, Instituto Biomas.

Fiuza, L. M. S. C. 2011. Uso do espaço e comportamento de fuga dos lagartos da restinga de Praia das Neves, Espírito Santo. Unpublished M.Sc. Dissertation. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Brazil.

Gamble, T., J. D. Daza, G. R. Colli, L. J. Vitt & A. M. Bauer. 2011. A new genus of miniaturized and pug-nosed gecko from South America (Sphaerodactylidae: Gekkota). Zool. J. Linn. Soc. 163(4): 1244-1266. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1096-3642.2011.00741.x

Geurgas, S. R. & M. T. Rodrigues. 2010. The hidden diversity of Coleodactylus amazonicus (Sphaerodactylinae, Gekkota) revealed by molecular data. Mol. Phylogenet. Evol. 54(2): 583-593. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ympev.2009.10.004

Greene, H. W. 1988. Antipredator mechanisms in reptiles. pp. 1-152. In: Gans, C. & R. B. Huey (Eds.). Biology of the Reptilia. v. 16, Ecology B, Defense and Life History. New York, Alan R. Liss.

Langstroth, R. P. 2005. Adiciones probables y confirmadas para la saurofauna Boliviana. Kempffiana. 1: 101-128.

Miranda, E. B. P. 2017. The plight of reptiles as ecological actors in the tropics. Front. Ecol. Evol. 5(159): 1-15. DOI: https://doi.org/10.3389/fevo.2017.00159

Miranda, R. B., J. Klaczko, J. F. R. Tonini & R. A. Brandão. 2022. Escaping from predators: a review of Neotropical lizards defence traits. Ethol. Ecol. Evol. DOI: https://doi.org/10.1080/03949370.2022.2082538

Passos, D. C., P. C. M. D. Mesquita & D. M. Borges-Nojosa. 2012. Gymnodactylus geckoides. Defensive behavior. Herpetol. Rev. 43(3): 486-487.

Pianka, E. R. & L. J. Vitt. 2003. Lizards: Windows to the evolution of diversity. Berkeley, University of California Press.

Pinto, R. O. & C. E. Costa-Campos. 2017. Norops chrysolepis (Goldenscale Anole). Defensive display. Herpetol. Rev. 48(1): 197.

Ribeiro Junior, M. A. 2015. Catalogue of distribution of lizards (Reptilia: Squamata) from the Brazilian Amazonia. II. Gekkonidae, Phyllodactylidae, Sphaerodactylidae. Zootaxa. 3981: 1-55. DOI: https://doi.org/10.11646/zootaxa.3981.1.1

Schalk, C. M. & M. V. Cove. 2018. Squamates as prey: predator diversity patterns and predator-prey size relationships. Food Webs. 16: 1-4. DOI: https://doi.org/10.1016/j.fooweb.2018.e00103

Teixeira, R. L. 2002. Aspectos ecológicos de Gymnodactylus darwinii (Sauria: Gekkonidae) em Pontal do Ipiranga, Linhares, Espírito Santo, Sudeste do Brasil. Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.). 14: 21-31.

Valdez, J. W. 2020. Arthropods as vertebrate predators: a review of global patterns. Glob. Ecol. Biogeogr. 29(10): 1691-1703. DOI: https://doi.org/10.1111/geb.13157

Vitt, L. J., S. S. Sartorius, T. C. S. Avila-Pires, P. A. Zani & M. C. Espósito. 2005. Small in a big world: ecology of leaf-litter geckos in New World tropical forests. Herpetol. Monogr. 19: 137-152. DOI: https://doi.org/10.1655/0733-1347(2005)019[0137:SIABWE]2.0.CO;2

Downloads

Publicado

14-11-2022

Como Citar

LOUREIRO, B. B.; SILVA-SOARES, T.; ALMEIDA, W. de O.; ODA, F. Mecanismos antipredatórios exibidos por Gymnodactylus darwinii (Squamata: Phyllodactylidae) e Chatogekko amazonicus (Squamata: Sphaerodactylidae) quando manuseados em trabalhos de campo. Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology, Goiânia, v. 19, n. esp, p. 187­–191, 2022. Disponível em: https://revistas.ufg.br/RBN/article/view/73190. Acesso em: 22 abr. 2024.