Estrutura de comunidades de leveduras em frutos de diferentes espécies nativas de plantas do Cerrado brasileiro

Palavras-chave: Especificidade de hospedeiro, diversidade de endofíticos, leveduras em frutos

Resumo

Neste estudo, avaliamos a ocorrência e diversidade de leveduras endofíticas e totais (endofíticas + epifíticas) em frutos de sete espécies de plantas nativas do Cerrado em duas Unidades de Conservação do Distrito Federal. Frutos aparentemente sadios foram coletados para o isolamento de leveduras utilizando o meio MYGP. Após cinco dias foi realizada a contagem de colônias e as leveduras morfologicamente distintas foram isoladas em cultura axênica. A identificação molecular dos isolados foi realizada pelo sequenciamento da região ITS (rDNA). Um total de 69 leveduras foram isoladas e a densidade de levedura por grama de fruto foi semelhante entre os hospedeiros. As espécies Guapira graciliflora (endofítico), Ouratea hexasperma (total) e Brosimum gaudichaudii (total) apresentaram maior diversidade de espécies. Leveduras pertencentes ao Filo Ascomycota foram predominantes. Os gêneros de leveduras mais frequentes foram Candida, Aureobasidium e Hannaella. Outros gêneros como Hanseniaspora, Meyerozyma, Filobasidium, Cryptococcus, Symmetrospora, Sirobasidium, Meira, Rhodosporidiobolus, Papiliotrema e Erythrobasidium foram identificados. Este estudo é o primeiro relato da ocorrência de leveduras endofíticas em frutos de G. graciliflora, que aqui mostrou ser a hospedeira com maior diversidade de espécies de leveduras endofíticas. Adicionalmente, o presente trabalho expande o conhecimento sobre a ocorrência de leveduras associadas aos frutos de sete espécies de plantas nativas do Cerrado Brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Gabriel Ferreira Coelho, Universidade de Brasília

Estudou no Instituto Federal Goiano- Campus Ceres, onde cursou técnico em Agropecuária Integrado ao Ensino Médio. Foi bolsista do CNPq em projeto de pesquisa (2010/2011), trabalhando com melhoramento genético de pimentas do gênero Capsicum. Foi estagiário na Embrapa Hortaliças, Brasília. Atualmente cursa Bacharel em Ciências Biológicas na Universidade de Brasília (UnB).

Geisianny Augusta Monteiro Moreira, Universidade de Brasília

Bacharel e licenciada em Ciências Biológicas, mestra e doutora em Biologia Microbiana pela Universidade de Brasília ? UnB. Atua nas grandes áreas: Microbiologia, Biologia molecular, Ecologia microbiana e Biotecnologia. Realizou pesquisas e produção científica com ênfase nos seguintes temas: microbiologia do solo, ecologia microbiana em habitats naturais e modificados, identificação molecular de fungos filamentosos e leveduras, abordagens dependentes e independentes de cultivo, prospecção de microrganismos promotores do crescimento de plantas. Ampla experiência em pesquisa científica e práticas laboratoriais na área de Microbiologia e Biologia Molecular. Possui experiência em atividades rotineiras de laboratório de pesquisa e em técnicas aplicadas a estudos em microbiologia clássica e aplicada, com ênfase em fungos unicelulares (leveduras), como: preparação de meios de cultivo e soluções, isolamento, manutenção e identificação molecular de microrganismos. Experiência em análises ecológicas de comunidades microbianas, com ênfase nas comunidades de leveduras, em amostras ambientais, por meio de abordagens dependentes e independentes de cultivo. Possui experiência em docência ministrando as disciplinas de Micologia e Diversidade Microbiana para os cursos de graduação em Ciências Biológicas e Ciências Ambientais na Universidade de Brasília.

Catharine Abreu Bomfim, Universidade de Brasília

Atualmente é doutoranda do programa de pós-graduação em Biologia Microbiana da Universidade de Brasília. Possui graduação em Biotecnologia pela Universidade Federal da Bahia (2014) e mestrado em Biologia Microbiana pela Universidade de Brasília (2016). Tem experiência na área de Microbiologia Agrícola e Biologia Molecular, atuando principalmente nos seguintes temas: Diversidade e Ecologia microbiana; Biofertilizantes; Microorganismos promotores do crescimento vegetal.

Helson Mario Martins do Vale, Universidade de Brasília

Departamento de Fitopatologia área de interação de micro-organismos com plantas e caracterização molecular de micro-organismos.

Referências

Abranches, J., M. J. Vital, W. T. Starmer, L. C. Mendonça-Hagler & A. N. Hagler. 2000. The yeast community and mycocin producers of guava fruit in Rio de Janeiro, Brazil. Mycologia. 92: 16–22.

Araújo, W. L., W. Maccheroni, C. I. Aguilar-Vildoso, P. A. V. Barroso, H. O. Saridakis & J. L. Azevedo. 2001. Variability and interactions between endophytic bacteria and fungi isolated from leaf tissues of citrus rootstocks. Can. J. of Microbio. 236: 229–236.

Barbosa, A. C., C. G. Morais, P. B. Morais, L. H. Rosa, R. S. Pimenta, M. Lachance & C. A. Rosa. 2012. Wickerhamiella pagnoccae sp. nov. and Candida tocantinsensis sp. nov., two ascomycetous yeasts from flower bracts of Heliconia psittacorum (Heliconiaceae). Int. J. of System. and Evol. Microbio. 62: 459–464.

Bhadra, B., R. S. Rao, P. K. Singh, P. K. Sarkar & S. Shivaji. 2008. Yeasts and yeast-like fungi associated with tree bark: diversity and identification of yeasts producing Extracellular Endoxylanases. Curr. Microbio. 56: 489–494.

Camatti-Sartori, V., R. T. Silva-Ribeiro, R. M. Valdebenito-Sanhueza, F. C. Pagnocca, S. Echeverrigaray & J. L. Azevedo. 2005. Endophytic yeasts and filamentous fungi associated with southern Brazilian apple (Malus domestica) orchards subjected to conventional, integrated or organic cultivation. J. Basic Microbio. 45: 397–402.

Cardoso da Silva, J. M. & J. M. Bates. 2002. Biogeographic patterns and conservation in the South American Cerrado: A Tropical Savanna Hotspot. BioScience. 52: p.225.

Fernández, N. V., M. C. Mestre, P. Marchelli & S. B. Fontenla. 2012. Yeast and yeast-like fungi associated with dry indehiscent fruits of Nothofagus nervosa in Patagonia, Argentina. FEMS Microbiology. 80: 179–192.

Ferreira, M. C., C. L. Cantrell, D. E. Wedge, V. N. Gonçalves, M. R. Jacob, S. Khan, C. A. Rosa & L. H. Rosa. 2017. Diversity of the endophytic fungi associated with the ancient and narrowly endemic neotropical plant Vellozia gigantea from the endagered Brazilian rupestrian grasslands. Bioch. System. and Ecol. 71: 163–169.

Galvão, K. C. S., S. S. F. Santos, M. V. P. Leão & C. R. G. Silva. 2010. Análise de atividade inibitória de Passiflora edulis Sims f. flavicarpa sobre Candida albicans. Rev. Bioci. 16: 80–85.

Glushakova, A. M. & I. Y. Chernov. 2007. Seasonal dynamic of the numbers of epiphytic yeasts. Microbiology. 76: 590–595.

Glushakova, A. M. & I. Y. Chernov. 2010. Seasonal dynamics of the structure of epiphytic yeast communities. Microbiology. 79: 830–839.

Glushakova, A. M. & A. V. Kachalkin. 2017a. Endophytic Yeasts in Malus domestica and Pyrus communis fruits under anthropogenic impact. Microbiology. 86: 128–135.

Glushakova, A. M. & A. V. Kachalkin. 2017b. Yeasts of Nikitsky Botanical Garden Plants. Microbiology. 86: 647–652.

Grondin, E., A. S. C. Sing, Y. Caro, M. Raherimandimby, A. L. Randrianierenana, S. James, C. Nueno-Palop, J. M. François & T. Petit. 2015. A comparative study on the potential of epiphytic yeasts isolated from tropical fruits to produce flavoring compounds. Int. J. of Food Microbio. 203: 101–108.

Hammer, Ø., D. A. T. Harper & P. D. Ryan. 2001. PAST: Paleontological Statistics software package for education and data analysis. Palaeontol Electron. 4:1–9.

Ippolito, A., A. E. Ghaouth, C. L. Wilson & M. Wisniewski. 2000. Control of postharvest decay of apple fruit by Aureobasidium pullulans and induction of defense responses. Postharvest Biol. and Tech. 19: 265–272.

Isaeva, O. V., A. M. Glushakova, S. A. Garbuz, A. V. Kachalkin & I. Y. Chernov. 2010. Endophytic yeast fungi in plant storage tissues. Microbiology. 37: 26-34.

Lima, G., A. Ippolito, F. Nigro & M. Salerno. 1997. Effectiveness of Aureobasidium pullulans and Candida oleophila against postharvest strawberry rots. Postharvest Biol. and Tech. 10: 169-178.

Liu, Y., W. Wang, Y. Zhou, S. Yao, L. Deng & K. Zeng. 2017. Isolation, identification and in vitro screening of Chongqing orangery yeasts for the biocontrol of Penicillium digitatum on citrus fruit. Biol. Control. 110: 18–24.

Masoud, W., L. B. Cesar, L. Jespersen & M. Jakobsen. 2004. Yeast involved in fermentation of Coffea arabica in East Africa determined by genotyping and by direct denaturating gradient gel electrophoresis. Yeast. 21: 549–556.

Moller, L., B. Lerm, & A. Botha. 2016. Interactions of arboreal yeast endophytes: an unexplored discipline. Fungal Ecol. p. 1-10.

Morais, P. B., M. B. Martins, L. B. Klaczko, L. C. Medonça-Hagler & A. N. Hagler. 1995. Yeast Succession in the Amazon fruit Parahancornia amapa as resource partitioning among Drosophila spp. Appl. and Env. Microbio. 61: 4251–4257.

Moreira, G. A. M., E. M. Sperandio & H. M. M. Vale. 2015. Leveduras associadas a frutos de plantas nativas do Cerrado: Eugenia lutescens Cambess, Campomanesia xanthocarpa (Mart.) O. Berg e Brosimum guadichaudii Tréc. Rev. de Biol. Neotrop. 12: 104–111.

Nassar, A. H., K. A. El-Tarabily & K. Sivasithamparam. 2005. Promotion of plant growth by an auxin-producing isolate of the yeast Williopsis saturnus endophytic in maize (Zea mays L.) roots. Biol. and Fert. of Soils. 42: 97–108.

Oliveira, M. D. E. 2015. Ocorrência, diversidade e caracterização enzimática de leveduras isoladas de frutos do Cerrado. Dissertação de mestrado. Universidade de Brasília, Brasília. 83 p.

Oliveira, T. de S. 2015. Seleção de leveduras de frutos do cerrado tocantinense para produção de hidrolases e otimização de suas condições de cultivo. Dissertação de mestrado. Universidade Federal do Tocantins, Palmas. 77 p.

Rosa, C. A., P. B. Morais, M. Lachance, R. O. Santos, W. G. P. Melo, R. H. O. Viana, M. A. L. Bragança & R. S. Pimenta. 2009. Wickerhamomyces queroliae sp. nov. and Candida jalapaonensis sp. nov., two yeast species isolated from Cerrado ecosystem in North Brazil. Int. J. of System. and Evol. Microbio. 59: 1232–1236.

Sperandio, E. M., H. M. Martins do Vale & G. A. M. Moreira. 2015. Yeasts from native Brazilian Cerrado plants: Occurrence, diversity and use in the biocontrol of citrus green mould. Fungal Biol. 119: 984–993.

Trindade, R. C., M. A. Resende, C. M. Silva & C. A. Rosa. 2002. Yeasts associated with fresh and frozen pulps of brazilian tropical fruits. System. and Appl. Microbio. 300: 294–300.

Vadkertiová, R., J. Molnárová, D. Vránová & E. Sláviková. 2012. Yeasts and yeast-like organisms associated with fruits and blossoms of different fruit trees. Can. J. of Microbio. 58: 1344–1352.

Vale, S. C. S., A. P. M. Guimarães & P. B. Morais. 2015. Ocorrência e potencial biotecnológico de leveduras associadas aos frutos de Attalea speciosa Mart ex Spreng. J. of Bioenergy and Food Sci. 02: 213–225.

Vieira, M. L. A., A. F. S. Hughes, V. B. Gil, A. B. M. Vaz, T. M. A. Alves, C. L. Zani, C. A. Rosa & L. H. Rosa. 2012. Diversity and antimicrobial activities of the fungal endophyte community associated with the traditional Brazilian medicinal plant Solanum cernuum Vell. (Solanaceae). Can. J. of Microbio. 58: 54–66.

Publicado
23-04-2020
Como Citar
Ferreira Coelho, L. G., Moreira, G. A. M., Bomfim, C. A., & Martins do Vale, H. M. (2020). Estrutura de comunidades de leveduras em frutos de diferentes espécies nativas de plantas do Cerrado brasileiro. Revista De Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology, 17(1), 35-46. https://doi.org/10.5216/rbn.v17i1.58885
Seção
Artigos