Comparações histológicas e ultra-estruturais do peritônio de saguis e peixes.

Autores

  • Wesley Antunes Meireles Setor de anatomia - Departamento de Cirurgia, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo.
  • Luana Célia Stunitz Silva Setor de anatomia - Departamento de Cirurgia, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo.
  • Diogo Nader Palermo Setor de anatomia - Departamento de Cirurgia, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo.
  • Ronaldo Agostinho da Silva Setor de anatomia - Departamento de Cirurgia, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo.
  • Rose Eli Grassi Rici Departamento de Cirurgia da FMVZ/USP
  • Antônio Chaves de Assis-Neto Setor de anatomia - Departamento de Cirurgia, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo.

DOI:

https://doi.org/10.5216/rbn.v9i1.19135

Palavras-chave:

Peritônio, morfometria, peixes, sagui.

Resumo

Neste estudo foram realizadas comparações histológicas e ultraestruturais do peritônio de sagui-de-tufo-preto jovem e adulto, e dos peixes Curimbatá e Robalo-flexa, sendo de águas continentais e marinhas, respectivamente. Análises morfométricas foram realizadas, demonstrando que o número de células/mm2 e diâmetro dos espaços intercelulares no Sagui-de-tufo-preto adulto. Entretanto, foi observado presença de corpúsculo de Vater-Pacini no peritônio do Curimbatá. Cromatóforos foram encontrados nos dois tipos de peixes, através do exame histológico e/ou ultra-estrutural. Células mesoteliais do peritônio parietal das espécies estudas coraram positivamente pela técnica citoquímica do Ácido Periódico de Schiff. Houve forte correlação entre o diâmetro dos espaços intercelulares e comprimento dos prolongamentos celulares em todas as espécies. Nenhum estudo foi realizado com o peritônio parietal de primatas não-humanos e peixes neotropicais na literatura consultada, sendo necessários estudos mais aprofundados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Allen, T.; Awasthi, A.; Rana, S.V.S. 2004. Fish chromatophores as biomarkers of arsenic exposure. Environmental Bilogy of Fishes 71: 7-11.

Ballas, C.B.; Davidson, J.M. 2001. Delayed wound healing in aged rats is associated with increased collagen gel remodeling and contraction by skin fibroblasts, not with differences in apoptotic or myofibroblast cell populations. 2001. Wound Repair Regen. 9: 223-237,

Bird, S.D. 2004. Mesothelial primary cilia of peritoneal and other serosal surfaces. Cell Biology International 28: 151-159.

Binnebosel, M.; Klinge, U.; Rosch, R.; Junge, K.; Lynen-Jansen, P.; Schumpelick, V. 2008. Morphology, quality, and composition in mature human peritoneal adhesion. Langenbecks Archives of Surgery 393: 59-66.

Cerqueira, V.; Mioso, R.; Canarin, M. 2005. Indução de desova com fertilização natural e artificial e incubação de ovos do robalo-peva (Centropomus parallelus). Atlântica 27: 31-38.

Coimbra-Filho, A.F.; Silva, R.R.; Pissinatti, A. 1981. Sobre a dieta de Callitrichidae em cativeiro. Revista Biotérios 1: 83-93.

Dobbie, J. W. 1988. From Philosopher to Fish: The Comparative Anatomy of the Peritoneal Cavity as an Excretory Organ and its Significance for Peritoneal Dialysis in Man. Peritoneal Dialysis International 8: 3-6.

Ettarh, R. R.; Carr, K. E. 1996. Ultrastructural observations on the peritoneum in the mouse. Journal of Anatomy 188: 211-215. Fujii, R. 2000. The regulation of motile activity in fish chromatophores. Pigment Cell Research. 13: 300-319.

George, C.J.; Ellis, A.E.; Bruno, D.W. 1982. On the resemblance of the abdominal pores in rainbow trout, Salmo gairdneri Richardson, and some other salmonid spp. Journal of Fish Biology 21: 643-647.

Getty, R; Grossman, J. D.; Sisson, S. 1986. Anatomia dos Animais Domésticos, Vol.1, 5a ed., Nova Guanabara, Rio de Janeiro.

Junqueira, L.C.; Carneiro, J. 2004. Histologia Básica, 10a ed., Guanabara Koogan, Rio de Janeiro.

Lopes, J. V.; Oliveira, P. G.; Sousa, J. B.; Báo, S. N.; Takano, G. H. S.; Leal, I. I. R. 2007. Histopathologic evaluation of the peritoneum exposed to heat shock. Experimental study in rats. Acta Cirúrgica Brasileira 22: 342-350.

Mendes, L. C. N.; Periró, J. R.; Marques, L. C.; Borges, A. S. 2000. Avaliação laboratorial do fluido peritoneal em modelos experimentais utilizados para indução de reação inflamatória intra-abdominal em equinos. Revista de educação continuada CRMV-SP 3: 21–27.

Meireles, W.A.; Santos, L.X.; Figueiredo, S. 2010. A importância e dificuldades do cultivo e reprodução de peixes nativos no Brasil. Revista V&Z em Minas. 105: 45-46.

Michailova, K.; Wassilev, W.; Wedel, T. 1999. Scanning of transmission microscopic study of visceral and parietal peritoneal regions in the rat. Annals of Anatomy 181: 253-260.

Mojovic, L.V.; Jovanovic, G.N. 2005. Development of a microbiosensor based on fish chromatophores immobilized on ferromagnetic gelatin beads. Food Techol. Biotechnol. 43: 1-7.

Rylands, A.B.; Scheneider, H.; Langguth, A.; Mittermeier, R.A.; Groves, C.P.; Rodrigues-Luna, E. 2000. An assessment of the diversity of new words primates. Neotropical Primates 8: 61-93.

Stylianou, E.; Jenner, L.A.; Davies, M.; Coles, G.A.; Williams, J.D. 1990. Isolation, culture and characterization of human peritoneal mesothelial cells. Kidney International 37: 1563-1570.

Wal, J. B. C.; Jeekel, J. 2007. Biology of the peritoneum in normal homeostasis and after surgical trauma. Journal compilation, The Association of Coloproctology of Great Britain and Ireland 9:9–13.

Downloads

Publicado

21-12-2012

Como Citar

MEIRELES, W. A.; SILVA, L. C. S.; PALERMO, D. N.; SILVA, R. A. da; RICI, R. E. G.; ASSIS-NETO, A. C. de. Comparações histológicas e ultra-estruturais do peritônio de saguis e peixes. Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology, Goiânia, v. 9, n. 1, p. 4–9, 2012. DOI: 10.5216/rbn.v9i1.19135. Disponível em: https://revistas.ufg.br/RBN/article/view/19135. Acesso em: 20 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos