A Prática do Choro: tecendo considerações sobre performance, interpretação e improvisação

Autores

  • Grazielle M. L. de Souza

DOI:

https://doi.org/10.5216/mh.v13i1.25810

Resumo

O presente artigo descreve conceitos sobre performance, interpretação e improvisação e como tais elementos são realizados no Choro em um recorte temporal que privilegia o momento presente, e devido a isso, a influência do Jazz em novas performances de Chorões. O levantamento bibliográfico foi considerado para que as observações conceituais fossem tecidas, além de utilizar depoimentos de músicos que realizam atividades de execução do Choro. Percebeu-se com este estudo que o gênero possui um jogo de relações musicais e extramusicais que influenciam em sua performance. A descrição dos conceitos esclarece a compreensão acerca do gênero, em especial no que diz respeito à mistura do Choro com o Jazz. No Choro, a performance desejável está vinculada a uma avaliação do desempenho do músico na Roda, enquanto que na interpretação o “virtuosismo e expressividade” mostram-se como elementos capazes de ajudar o instrumentista na construção de sua identidade como Chorão. A improvisação também será abordada como elemento que contribui para mudanças na execução do gênero. Instiga-se neste trabalho a reflexão acerca do campo tensional criado por músicos tradicionais e aqueles que executam o gênero de forma contemporânea. Palavras-chave: Performance, interpretação e improvisação no Choro; Virtuosismo e expressividade no Choro; Tradicionalismo e contemporaneidade no Choro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-08-12

Como Citar

M. L. DE SOUZA, G. A Prática do Choro: tecendo considerações sobre performance, interpretação e improvisação. Música Hodie, Goiânia, v. 13, n. 1, 2013. DOI: 10.5216/mh.v13i1.25810. Disponível em: https://revistas.ufg.br/musica/article/view/25810. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos