FORMAÇÃO DE PROFESSOR DE BIOLOGIA E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA: PERSPECTIVAS INVESTIGADAS EM TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO

Autores

  • Camila Salgado Lemke Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, camilalemke9@gmail.com https://orcid.org/0000-0003-2759-9407
  • Greici Maia Behling Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, biogre@gmail.com https://orcid.org/0000-0001-6086-4028
  • Francele de Abreu Carlan Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, francelecarlan@gmail.com https://orcid.org/0000-0002-1711-9476

DOI:

https://doi.org/10.5216/ia.v46i2.65154

Resumo

Este estudo buscou compreender as constatações sobre as temáticas “Educação Ambiental” e “Formação de Professores”, obtidas por meio da Análise Textual Discursiva dos quatorze resumos de Trabalhos de Conclusão de Curso de egressos do curso de licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade Federal de Pelotas. Emergiram desse fenômeno duas categorias denominadas “Problematizando a formação docente em Ciências Biológicas” e “Aportes de uma EA Crítica na formação de professores de Ciências Biológicas”. Perante as análises realizadas, notou-se fragilidade na formação crítica e transversal dos docentes. Logo, a EA crítica deve ser uma estratégia para a superação desses obstáculos, tendo em vista a sua importância na tomada de decisões sobre aspectos ambientais e sociais indissociáveis.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de Professores. Educação Ambiental Formal. Análise Textual Discursiva. Ciências Biológicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Salgado Lemke, Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, camilalemke9@gmail.com

Técnica em Meio Ambiente pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-Rio-Grandense Campus Pelotas Visconde da Graça-IFSul/CaVG. Graduanda no Curso de Ciências Biológicas na modalidade Licenciatura, pela Universidade Federal de Pelotas-UFPel. Atualmente é bolsista no Projeto de Ensino: Recursos didáticos para o ensino de Ciências e Biologia, o qual atua na construção e aplicação de metodologias, estratégias e recursos didáticos inovadores e que promovam o protagonismo docente.

Greici Maia Behling, Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, biogre@gmail.com

Doutora em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande (2018), Mestrado em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande (2007), Especialização em Direito Ambiental pela Universidade Federal de Pelotas (2011) e Graduação em Ciências Biológicas (Bacharelado e Licenciatura Plena) pela Universidade Federal de Pelotas (2004). Atua como Técnica Administrativa em Educação - Bióloga, da Universidade Federal de Pelotas, desenvolvendo atividades junto ao Núcleo de Reabilitação da Fauna Silvestre e Centro de Triagem de Animais Silvestres da UFPEL. Professora do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis da UFPEL e colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais.

Francele de Abreu Carlan, Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, francelecarlan@gmail.com

Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Mestre em Educação em Ciências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Doutora em Educação em Ciências pelo Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências pela (UFSM). Atualmente é professora Adjunta da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e  professora permanente do Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática da Universidade Federal de Pelotas e professora na especialização em Educação Ambiental - espaços educadores sustentáveis desta mesma instituição.

Downloads

Publicado

31-08-2021

Como Citar

Lemke, C. S., Behling, G. M., & Carlan, F. de A. (2021). FORMAÇÃO DE PROFESSOR DE BIOLOGIA E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA: PERSPECTIVAS INVESTIGADAS EM TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Revista Inter Ação, 46(2), 826–842. https://doi.org/10.5216/ia.v46i2.65154