Análise da construção do conceito de Objeto Coreográfico através da triangulação metodológica:mutabilidade, transferibilidade

Autores

  • Ana Margarida Medeiros Faculdade de Motricidade Humana, Universidade de Lisboa
  • Zélia Macedo Teixeira Universidade Fernando Pessoa

DOI:

https://doi.org/10.5216/32052

Palavras-chave:

Objeto coreográfico. Grounded analysis. Triangulação metodológica

Resumo

O presente artigo tem como objetivo a apresentação de uma abordagem incomum no mundo das artes performativas. Partindo do conceito “objeto coreográfico” da autoria de William Forsythe(FORSYTHE, 2008) originalmente circunscrito à dança, pretendemos a clarificação e o aprofundamento quer do conceito em si, quer da sua aplicação em áreas como as artes performativas, práticas de produção e projeto de espaço. A presença de uma das autoras na equipa de produção de Scattered Crowd permitiu a conjugação de vários métodos de acesso aos atores principais desta peça: o próprio William Forsythe e dez elementos da equipa que construíram esta instalação. As entrevistas realizadas conjugaram-se com técnicas de exploração de significados e experiências como o recurso a objetos visuais e gráficos (cartaz) e a objetos-vídeo. A conjugação de quatro metodologias qualitativas diferentes constitui a sustentação do presente artigo. A conclusão da triangulação destas várias abordagens permite compreender o conceito de “objeto coreográfico” como um objeto de convergência. Esta ilação é derivada da investigação em curso. A convergência que o “objeto coreográfico” detém parece concretizar-se no efeito que requer e na forma como afeta quem o frequenta, o espetador.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Margarida Medeiros, Faculdade de Motricidade Humana, Universidade de Lisboa

Designer, Licenciada pela Escola Superior de Artes e Design, é neste momento Doutoranda em Motricidade Humana, na especialidade de Dança na Universidade de Lisboa, é atualmente bolseira de investigação da FCT na área de estudos artísticos. Membro do centro de investigação INED-MD. Gestora da projectos de Investigação na ESAD Matosinhos (2011), onde relaciona campos disciplinares como o design e processos de criação na performance.

Zélia Macedo Teixeira, Universidade Fernando Pessoa

Psicóloga Clínica, Licenciada pela Univ. do Porto, Mestre em Psicologia da Educação e Doutorada em Psicologia pela Univ.do Minho. Professora Auxiliar na Faculdade de  Ciências Humanas e Sociais da Universidade Fernando Pessoa (2004), onde tem como áreas prioritárias os comportamentos aditivos, o desvio e a exclusão, as modificações corporais entre outros temas.

Referências

DENZIN, K. The research act in sociology. Chicago: Aldine, 1970.

FONTE, Carla. Investigar narrativas e significados: a Grounded Analysis como metodologia de referência. Revista da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Porto, v. [s.i.], n. 2, p. 290-297, 2005.

FORSYTHE, W. Choreographic objects. In: BIRNBAUM, D.; FORSYTHE, W.; WEISBECK, M. Suspense. Alemanha, 2008.

GABLIK, S. The object lesson. In:Magritte, Londres: Thames and Hudson, 1970. p. 102-125.

MEDEIROS, Ana Margarida Marques de Macedo Guimarães. Análise do campo coreográfico contemporâneo: a coreografia enquanto proposta projectual de espaço. 2014. Tese (Doutorado) - Curso de Motricidade Humana, Faculdade de Motricidade Humana, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2014.

MEDEIROS, A.; TEIXEIRA, Z. Scattered crowd: perspectivas convergentes na análise de um objecto coreográfico. In: CONGRESSO IBERO­AMERICANO EM INVESTIGAÇÃO QUALITATIVA, 3., Badajoz. Anais... [s.n.],2014. p.246-251.

SEALE, Clive. Quality in Qualitative Research.Qualitative inquiry, London, v. 5, n. 4, p.465-478, nov. 1999.

STRAUSS, A; CORBIN, J. Pesquisa qualitativa:técnicas e procedimentos para o desenvolvimento da teoria fundamentada. Porto Alegre: Artmed, 2008.

Downloads

Publicado

2014-12-15

Como Citar

MEDEIROS, A. M.; TEIXEIRA, Z. M. Análise da construção do conceito de Objeto Coreográfico através da triangulação metodológica:mutabilidade, transferibilidade. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 17, n. 2, p. 70–82, 2014. DOI: 10.5216/32052. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/32052. Acesso em: 17 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos