Informática educacional na educação básica e inclusiva

Autores

  • Jacqueline Leire Roepke Centro Universitário Leonardo da Vinci (Uniasselvi), Indaial, Santa Catarina, Brasil, jacleire@gmail.com
  • Valdecir Reginaldo de Oliveira Centro Universitário Leonardo da Vinci (Uniasselvi), Indaial, Santa Catarina, Brasil, guyodaister@hotmail.com
  • Marcelo Martins entro Universitário Leonardo da Vinci (Uniasselvi), Indaial, Santa Catarina, Brasil, marcelo.martins@uniasselvi.com.br

DOI:

https://doi.org/10.5216/rp.v31i2.67088

Resumo

Entre percalços que escolas enfrentam diante da realidade do uso das tecnologias da informação e comunicação, coexistem diferentes opiniões quanto ao uso delas no ambiente escolar inclusivo. O objetivo desse artigo foi levantar dados, reflexões, sugestões e posicionamentos presentes em pesquisas que versam sobre a informática educacional na educação básica e inclusiva. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica que investigou artigos científicos disponíveis na base de dados da Biblioteca Virtual em Saúde - Psicologia Brasil. A pesquisa apresenta alguns aspectos que podem estar por trás da negação ou da aceitação do uso das tecnologias digitais na esfera educacional. A maioria dos artigos encontrados defende que as tecnologias são muito contributivas no processo de ensino e aprendizagem, e que a relutância ao uso delas, ou mesmo as dificuldades de usá-las por parte das crianças, não deve eximir os professores de incentivarem essas crianças a irem se aproximando das tecnologias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-12-16

Como Citar

LEIRE ROEPKE, J.; REGINALDO DE OLIVEIRA, V.; MARTINS, M. Informática educacional na educação básica e inclusiva. Revista Polyphonía, Goiânia, v. 31, n. 2, p. 74–90, 2020. DOI: 10.5216/rp.v31i2.67088. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sv/article/view/67088. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Tecnologias Digitais na Educação Básica