A discursividade sobre a universidade pública em períodos de crise democrática no Brasil (1964 / 2016)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v34.68465

Palavras-chave:

Discurso. Memória. Universidade Pública. Estado.

Resumo

Este estudo transita pelo ambiente das universidades públicas brasileiras em dois momentos – no pós-golpe militar de 1964 e no pós- -golpe institucional de 2016. O objetivo é compreender o funcionamento do discurso sobre a universidade em períodos de ameaça à democracia, quando, não por acaso, o sistema econômico pressiona os Estados a realizarem reformas em setores como educação e saúde. Assim, ancorada na Análise do Discurso de viés pecheutiano (PÊCHEUX, 2014; ORLANDI, 2012; SILVA SOBRINHO, 2018), o artigo se direciona para uma memória que é atualizada sempre que a classe hegemônica se vê ameaçada, levando ao avanço do autoritarismo estatal. Nesse contexto, a universidade pública, enquanto espaço de pluralidade de ideias e de resistência, é um dos principais alvos.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Santos de Oliveira, Instituto Federal de Roraima (IFRR), Boa Vista, Roraima, Brasil. E-mail: virtual.ana@gmail.com

Doutora em Linguística pela Universidade Federal de Alagoas.

Docente no Instituto Federal de Roraima-IFRR, campus Boa Vista.

Simone Natividade Santos, Instituto Federal de Alagoas (IFAL), Maceió, Alogoas, Brasil. E-mail: simone.doutorado.sp@gmail.com

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Alagoas. Pesquisadora/ bolsista do doutorado- CAPES

Referências

ALMEIDA, Camila. Alvos de críticas e cortes, universidades lutam para mostrar sua importância. Revista Galileu, 2019. Disponível em: <https://revistagalileu.globo.com/Sociedade/noticia/2019/08/alvo-de-criticas-e-cortes-universidades-lutam-para-mostrar-sua-importancia.html>. Acesso em: 12 maio 2020.

ALTHUSSER, Louis. Aparelhos ideológicos de Estado: nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado (AIE). Tradução de Walter José Evangelista e Maria Laura Viveiros de Castro. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

ALVES, Márcio Moreira. Beabá dos MEC-USAID. Rio de Janeiro: Edições Gernasa, 1968.

AMARAL, Maria Virgínia Borges. Discurso e relações de trabalho. Maceió: EDUFAL, 2005.

BERTOLDO, Edna. “Escola Livre” e “Sem Partido”: a internalização da lógica do capital. In: NOMERIANO, Aline Soares et al. As políticas educacionais no contexto dos limites absolutos do Estado e do capital em crise. Maceió: Coletivo Veredas, 2017. P. 139-157.

CARVALHO, Alexandre Douglas Zaidan de. Entre o dever da toga e o apoio à farda: independência judicial e imparcialidade no STF durante o regime militar. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 32, n. 94, p. 1-22, 2017. Disponível em: <https://doi.org/10.17666/329415/2017>. Acesso em: 21 maio 2020.

CAVALCANTE, Maria do Socorro de A. O. A língua sob o olhar da Análise do Discurso. In: MOURA, Denilda (org.). Os mútiplos uso da língua. Maceió: EDUFAL, 1999. P. 179-182.

DUARTE, Newton. Vigotski e o “aprender a aprender”: critica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. 4. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

FGV. Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil-CPDOC. Passeata dos cem mil. 2009. Disponível em: <http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-tematico/passeata-dos-cem-mil>. Acesso em: 26 maio 2020.

INDURSKY, Freda. Unicidade, desdobramento, fragmentação: a trajetória da noção de sujeito em Análise do Discurso. In: MITTMANN, Solange et al. Práticas discursivas e identitárias: sujeito e língua. Porto Alegre: Nova Prova, 2008. P. 9-33.

MAGALHÃES, Belmira. A crise estrutural do capitalismo e o irracionalismo. Conexão Letras, Porto Alegre, v. 14, n. 22, p. 81-91, 2019.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. Tradução de Paulo Cezar Castanheira e Sérgio Lessa. São Paulo: Boitempo, 2011.

ORLANDI, Eni. Discurso e leitura. 2 ed. Campinas, SP: Cortez; São Paulo: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1993.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de Eni P. Orlandi. Campinas, SP: Ed. da Unicamp, 2014 [1988].

PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. Tradução de Eni P. Orlandi. 5 ed. Campinas/SP: Pontes editores, 2008.

PÊCHEUX, Michel. Análise automática do discurso (AAD-69). In: GADET, Françoise &

HAK, Tony (org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Tradução de Bethania S. Mariani et al. 5. ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2014. P. 59-158.

PRONER, Carol et al. (org.). A resistência ao golpe de 2016. Bauru, SP: Clacso/Projeto Editorial Praxis, 2016.

SHALDERS, André et al. Eleições 2018: STF suspende ações da Justiça Eleitoral em universidades; entenda a polêmica. BBC News Brasil, 2018. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/brasil-46005982>. Acesso em: 19 abr. 2020.

SILVA SOBRINHO, Helson. Os (des)arranjos das lutas entre posições idealistas e materialistas na Análise do Discurso. In: BALDINI, Lauro & BARBOSA FILHO, Fábio. Análise de discurso e materialismos: prática política e materialidades. V. 2. Campinas-SP: Pontes, 2018.

STF. STF referenda liminar que garantiu livre manifestação de ideias em universidades. 2018. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=394447. Acesso em: 12 maio 2020>.

Downloads

Publicado

2022-01-06

Como Citar

OLIVEIRA, A. P. S. de .; SANTOS, S. N. A discursividade sobre a universidade pública em períodos de crise democrática no Brasil (1964 / 2016). Signótica, Goiânia, v. 34, 2022. DOI: 10.5216/sig.v34.68465. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/68465. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

Estudos Linguísticos