“Não ando só”

afirmação na pós-graduação, negritudes e os potenciais intelectuais que o racismo desperdiça

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/revufg.v21.69197

Resumo

A Lei nº 12.711/2012, que induz ações afirmativas na graduação, e a Portaria Normativa do Ministério da Educação nº 13/2016, na pós-graduação, inserem-se no contexto de democratização da educação superior. Nosso objetivo é analisar as implicações do Curso de Extensão “Afirmação na Pós-graduação: curso preparatório de negras e negros” no enfrentamento à discriminação racial na educação superior. O Curso foi oferecido pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Relações Raciais e Educação (NEPRE/UFMT), campus Cuiabá, no período de maio a dezembro de 2019, no âmbito do Programa de Extensão “Ação Afirmativa no Ensino Superior: articulações de vivências e saberes na UFMT”. O aporte teórico utiliza de referenciais que fazem a interface entre Educação, Relações Raciais e Gênero. É uma reflexão de caráter bibliográfico, documental e exploratório. As ações do Curso indicaram a relevância das políticas identitárias e afirmativas para a emancipação social da população negra e construção de projetos democráticos antirracistas, de maneira a driblar as estatísticas do racismo e dos estereótipos mantenedores da branquitude nos espaços de poder na pós-graduação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

06-12-2021

Como Citar

CORDEIRO, A. L. A.; COSTA, C. S. da; SANTOS, S. P. dos. “Não ando só”: afirmação na pós-graduação, negritudes e os potenciais intelectuais que o racismo desperdiça. Revista UFG, Goiânia, v. 21, n. 27, 2021. DOI: 10.5216/revufg.v21.69197. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revistaufg/article/view/69197. Acesso em: 15 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê - Cultura e diversidade étnico-raciais: articulando pesquisa e extensão