A trilha musical de Moacir Santos para Os Fuzis no contexto das produções do Cinema Novo e a predominância do silêncio narrativo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/mh.v20.54570

Palavras-chave:

Moacir Santos, Trilha musical, Os Fuzis, Silêncio narrativo

Resumo

O presente artigo estuda a trilha musical de Moacir Santos para o filme Os Fuzis por meio da análise musical e historiográfica. Para se alcançar esse objetivo, foram primeiramente contextualizadas as principais tendências da produção de trilhas musicais nos anos 1960 no Brasil, de modo a se traçar possíveis paralelos de entendimento. O tema principal do filme, que é efetivamente a única composição de Santos presente na trilha musical, foi transcrito em partitura e devidamente analisado. Além disso, também foram abordadas outras inserções musicais que não foram compostas por Santos, mas que passaram por seu crivo de diretor musical da produção. Por fim, foi de grande interesse para a pesquisa perceber o uso narrativo e estrutural do silêncio dentro da trilha sonora, dialogando com outros aspectos estéticos do filme, e se aproximando de outras produções do período.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Zangirolami Bonetti

Lucas Zangirolami Bonetti é doutor e mestre em música pela UNICAMP (ambos com financiamento da FAPESP), tendo estudado a obra composicional de Moacir Santos por meio da análise de suas trilhas musicais. Com essa pesquisa, já apresentou trabalhos em congressos por vários estados do Brasil e também no exterior. Entre 2015 e 2016, realizou uma extensa pesquisa de campo na Califórnia, atuando como Visiting Graduate Researcher na UCLA. Integrou a Orquestra Jovem Tom Jobim em 2011 e a Big Band da Santa entre 2009 e 2010, bem como mantém seus trabalhos autorais: Lucas Bonetti | OCTETO, Lucas Bonetti | QUARTETO e Ágar-Ágar TRIO.

Referências

BERNARDET, Jean-Claude. Brasil em Tempo de Cinema: ensaio sobre o cinema brasileiro de 1958 a 1966. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

BRUCE, Graham. Alma Brasileira: Music in the films of Glauber Rocha. In: JOHNSON, R. e STAM, R. (orgs) Brazilian Cinema. Londres e Toronto: Associeted University Press, 1982. Capítulo 31, p. 290-305.

CARRASCO, Ney. Sygkhronos: a formação da poética musical do cinema. São Paulo: Via Lettera, 2003.

COSTA, Fernando de Moaes. O Som no Cinema Brasileiro. Tese de Doutorado. Rio de Raneiro: UFF. 2006.

DIAS, Andrea Ernest. Mais “coisas” sobre Moacir Santos, ou os caminhos de um músico brasileiro. Tese de Doutorado. Bahia: UFBA, 2010.

DÍDIMO, Marcelo. O Cangaço no Cinema Brasileiro. São Paulo: Annablume, 2010.

DIEGUES, Carlos. Cinema Brasileiro: ideias e imagens. Segunda Edição. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS/MEC/SESu/PROED, 1999.

EIKMEIER, Martin. A música de Remo Usai no cinema brasileiro. Tese de Doutorado. Bahia: UNICAMP, 2010.

FINK, Camila; CALHADO, Cyntia. Uma perspectiva histórica do cinema brasileiro: O cinema como instrumento de crítica social e política. 2008. Disponível em <http://www.cinecaleidoscopio.com.br/uma_perspectiva_historica_do_cinema_brasileiro_parte3.html>. Acessado em 03/07/2018.

FREIRE, Rafael de Luna (Org.). Nas trilhas do cinema brasileiro. 1 ed. Rio de Janeiro: Tela Brasilis, 2009.

GORBMAN, Claudia. Unheard melodies – Narrative film music. Londres: London, Bfl, 1987.

GUERRINI Jr., Irineu. A música no cinema brasileiro: Os inovadores anos sessenta. São Paulo: Terceira Margem, 2009.

LIMA, Ednalva Alves. Crenças ambientais de camponeses maranhenses relacionadas ao uso e conservação da água. Dissertação de Mestrado. Brasília/DF: UnB, 2013.

MARTINELLI, Sérgio. Vera Cruz – Imagens e histórias do cinema brasileiro. São Paulo: @Books, 2002.

NAHUD, Antonio. A trilogia do sertão. O Falcão Maltês. Maio de 2013. In: <http://ofalcaomaltes.com/cinema-novo/a-trilogia-do-sertao>. Acesso em 25 julho 2013.

RAMALHO, Elba Braga. Cantoria Nordestina: pensando uma estética da cultura oral. IASPM, Latin-American Branch. Cidad de Mexico, 2002.

SANTOS, F. Os Sertões do Cinema Brasileiro: a Guerra de Canudos no Cinema Novo e no cinema após a Retomada. BOCC. Biblioteca Online de Ciências da Comunicação, v. 1, p. 1-8, 2012.

SANTOS, Moacir. In: Encarte do disco Ouro negro. São Paulo: MP,B, 2001. 2 CDs.

SCHWARZ, Roberto. O cinema e Os Fuzis. Revista Civilização Brasileira, v. 1, n. 9/10, p. 217-222, set.-nov, 1966.

TARKOVSKI, Andrei Arsensevich. Esculpir o tempo [tradução: Jefferson Luiz Camargo]. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

TEREZANI, João Henrique Tellaroli. O Vazio da Trilha: Considerações sobre o silêncio e sua atuação na narrativa cinematográfica. CUAC, Coloquio Universitario de Análisis Cinematrográfico. Cidad de México, 2012.

Downloads

Publicado

2020-03-03

Como Citar

BONETTI, L. Z. A trilha musical de Moacir Santos para Os Fuzis no contexto das produções do Cinema Novo e a predominância do silêncio narrativo. Música Hodie, Goiânia, v. 20, 2020. DOI: 10.5216/mh.v20.54570. Disponível em: https://revistas.ufg.br/musica/article/view/54570. Acesso em: 25 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos