Outros territórios da música independente brasileira no início do século XXI: uma discussão a partir do catálogo de artistas do rock independente de Teresina (2001-2017)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/mh.v18i2.52374

Palavras-chave:

Música independente, Brasil, Teresina

Resumo

É notório o incremento das pesquisas sobre fenômenos musicais “independentes” na agenda acadêmica brasileira nos últimos anos. No entanto, são ainda poucas as pesquisas que forneçam indicativos mais específicos sobre o volume de agentes e estruturas atuantes, assim como do material artístico produzido nestes contextos. É relativamente clara, também, a pouca presença, nesta bibliografia, de territórios situados mais distantes dos principais centros econômicos e políticos do Brasil. O artigo busca adentrar nesta dupla lacuna a partir da apresentação e análise de um catálogo de artistas que atuam ou atuaram no rock independente de Teresina, capital do Piauí, nos primeiros anos do século XXI. Antes da análise propriamente dita, são explicados os procedimentos de coletas dos dados e os critérios gerais que nortearam a construção deste arquivo. Verificou-se quer o caráter robusto da produção de rock autoral da cidade, com mais de 150 nomes catalogados, quer a diversidade deste conjunto em termos estéticos, ideológicos e sociodemográficos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Meneses Alves, Universidade do Porto, Porto, Portugal, thiagomeneses85@gmail.com

Referências

Livros

ALEXANDRE, Ricardo. Cheguei Bem a Tempo do Palco Desabar. 50 causos e memórias do rock brasileiro (1993-2008). 1ªed. Porto Alegre: Arquipélago, 2013, 256p.

ALEXANDRE, Ricardo. Dias de Luta. O rock e o Brasil dos anos 80. São Paulo, DBA Dórea Books and Art, 2002. 399 p.

BENNETT, Andy. Cultures of Popular Music. 1ª ed. Maidenhead: Open University Press, 2001, 194p.

BOURDIEU, Pierre. As Regras da Arte. Gênese e estrutura do campo literário. 1ª ed. São Paulo, Companhia das Letras, 1996. 431 p.

CANCLINI, Néstor. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2003.

DAPIEVE, Arthur. BROCK. O rock brasileiro dos anos 80. 5ªed. São Paulo: Editora 34, 1995, 224p.

FRIEDLANDER, Paul. Rock and Roll. Uma História Social. 1ºed. Rio de Janeiro, São Paulo: Record, 2002. 490p.

FRITH, Simon. Performing Rites. Evaluating Popular Music. 1ºed. Oxford: Oxford University Press, 1996. 352p.

GUERRA, Isabel. Pesquisa Qualitativa e Análise de Conteúdo: sentidos e formas de uso. 1ª ed. Cascais: Princípia, 2006. 95p.

HERSCHMANN, Micael. Indústria da música em transição. 1 ed. São Paulo, Estação das Letras e Cores, 2010. 179 p.

JANOTTI JR., Jeder. Rock me like the devil. A assinatura das cenas musicais e das identidades metálicas. 1ªed. Recife: Livrinho de papel finíssimo, 2014, 150p.

LEMOS, André. Cibercultura. Tecnologia e vida social na cultura contemporânea. 1 ed. Porto Alegre: Editora Sulina, 2004. 295 p.

REGEV, Motti. Pop-rock music: aesthetic Cosmopolitanism in Late Modernity. 1ª ed. Cambridge: Polity Press, 2013. 208p.

REYNOLDS, S. Retromania: Pop Culture‘s Addiction to its Own Past. 1ª ed. London: Faber & Faber, 2011. 496 p.

SHUKER, Roy. Popular music. The key concepts. 1ªed. Manchester e Nova Iorque: Routledge Taylor & Francis Group, 1998. 324 p.

SILVA, Augusto; GUERRA, Paula. As palavras do punk. Uma viagem fora dos trilhos pelo Portugal contemporâneo. 1ª ed. Lisboa: Alêtheia, 2015.

VAZ, Gil. História da Música Independente. 1ºed. São Paulo: Brasiliense, 1988. 65 p.

Partes de livro

ALBAGLI, Sarita; MACIEL, Maria. Lúcia. Informação, poder e política: a partir do sul, para além sul. In: ALBAGLI, Sarita; MACIEL, Maria Lúcia (Ed.). Informação, conhecimento e poder: mudança tecnológica e inovação social. Rio de Janeiro: Garamond, 2011. p. 9-39.

BECKER, Howard. S. Mundos artísticos e tipos sociais. In: VELHO, Gilberto (ed.). Arte e Sociedade: ensaios de Sociologia da Arte. Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1977. p. 9-26.

Artigos em periódicos

ABRAMO, Bia. Rock Made in Brasil. Teoria e Debate. 1996.

HESMONDHALGH, David. Indie: the institutional politics and aesthetics of a popular music genre. Cultural Studies. v. 13, n. 1, p. 34–61, 1999.

JANOTTI JR., Jeder. 2003. À procura da batida perfeita: a importância do gênero musical para a análise da música popular massiva. ECO-PÓS, v. 6, n. 2. p.31-46, 2003.

KRUSE, Holly. Local Identity and Independent Music Scenes, On line and Off.

Popular Music and Society, v. 33, n. 5. p. 625-639, 2010.

VENTURA, Magda. O Estudo de Caso como Modalidade de Pesquisa. Revista Socerj. v. 20, n. 5, p. 383-386, 2007.

Dissertações e Teses

ALVES, Thiago. Genealogia, morfologia, dinâmicas e produtos do rock independente de Teresina no início do século XXI. Tese de Doutorado. 3º Ciclo de Sociologia da Universidade do Porto, 2017. Porto: Universidade do Porto, 2017. 566 p.

ALVES, Thiago. Os Festivais de música independente no capitalismo cognitivo: um estudo de caso da Feira da Música de Fortaleza. Dissertação de Mestrado. Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2013. Rio de Janeiro: UFRJ, 2013, 256 p.

DE MARCHI, Leonardo. Transformações estruturais da indústria fonográfica no Brasil 1999-2009: desestruturação no mercado de discos, novas mediações no comércio de fonogramas digitais e consequências para a diversidade cultural no mercado da música. Tese de Doutorado. Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2011. Rio de Janeiro: UFRJ, 2011, 289 p.

GUMES, Nadja. (2011). A Música Faz o Seu Gênero: uma análise sobre a importância das rotulações para a compreensão do indie rock como gênero. Tese de Doutorado. Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia. 2011. Salvador: UFBA, 2011, 222p

MEDEIROS, Hermano. Acordes na cidade: música popular em Teresina nos anos 1980. Dissertação de Mestrado. Centro de Ciências Humanas e Letras da Universidade Federal do Piauí. 2013. Teresina: UFPI, 2013, 131p.

RODRIGUES, Mário. Hibridações musicais de Narguilé Hidromecânico: um estudo de caso sobre a canção Remédio Caseiro. Monografia. Departamento de Artes da Universidade Federal do Piauí. 2014. Teresina: UFPI, 2014, 63p.

Trabalhos em anais de eventos científicos

CAMPOS, Cynthia. Quando o Indie Começou? Contribuição das Bandas Fellini e Maria Angélica Não Mora Mais Aqui Para a Consolidação do Indie Rock Nacional. In: I CONGRESSO INTERNACIONAL DE ESTUDOS DO ROCK. Anais. Cascavel, 2013.

Downloads

Publicado

07-12-2018

Como Citar

Meneses Alves, T. (2018). Outros territórios da música independente brasileira no início do século XXI: uma discussão a partir do catálogo de artistas do rock independente de Teresina (2001-2017). Revista Música Hodie, 18(2), 254–269. https://doi.org/10.5216/mh.v18i2.52374

Edição

Seção

Artigos