Interpretação vocal e imaginação criativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/mh.v17i2.49048

Palavras-chave:

processos de criação vocal, performance vocal, transcriação

Resumo

Discute-se aqui a compreensão de Interpretação Vocal como parâmetros (dinâmica sonora, fraseado e articulação sonora, andamento, timbre) e estilos musicais (medieval, renascentista, barroco, clássico, romântico, moderno e contemporâneo), trazendo ao diálogo a questão da imaginação criativa no processo da Interpretação Vocal. A teoria de Redes da Criação de Salles (2006) redimensiona tal compreensão levando em conta, junto aos parâmetros musicais oferecidos pela partitura, informações estilísticas ligadas ao compositor e algumas das vivências pessoais do intérprete-cantor (memória e imaginação conectadas à percepção, aspectos afetivos, dimensão somática). Interpretação vocal como transcriação será trazida à discussão em Haroldo de Campos (2002, 2006, 2013).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucila ROMANO TRAGTENBERG, PUC-SP

Prof. de voz, música e processos de criação vocal na Graduação no curso de Artes do Corpo/Departamento de Comunicação das Artes do Corpo, PUC-SP. Prof. de voz no curso de Extensão do COGEAE/PUC-SP. Gravou o CD voz, verso e avesso com músicas de Livio Tragtenberg sobre poemas e transcriações de Haroldo de Campos, com patrocinio do Programa Petrobras Cultural. Prof. de voz na Sala Crisantempo (SP) e de processos de criação vocal na Cooperativa da Invenção na Casa das Rosas (SP).

Referências

Bernac (

Campos ((2002, 2006, 2013)

Dart (1990)

Deborah Stein & Robert Spillman (

Dorian (1942)

Fubini (1994)

Kerman (1985)

Glusberg (1987)

Lima (2006)

Lopes (2003)

Ray (2005)

Sadie (1994)

Salles ( 2006)

Schnaiderman (2011)

Shirlee Emmons e Stanley Sonntag (2002)

Taruskin (1995)

Tragtenberg (2012)

Vieira (2007)

Zampronha (2000)

Downloads

Publicado

2018-05-22

Como Citar

TRAGTENBERG, L. R. Interpretação vocal e imaginação criativa. Música Hodie, Goiânia, v. 17, n. 2, p. 205–216, 2018. DOI: 10.5216/mh.v17i2.49048. Disponível em: https://revistas.ufg.br/musica/article/view/49048. Acesso em: 16 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos