ESCRITURA INSTRUMENTAL COMO TERRITÓRIO PARA A COMPOSIÇÃO DE SONORIDADES

Autores

  • Alexandre Ficagna Ficagna

DOI:

https://doi.org/10.5216/mh.v9i1.10742

Resumo

Este artigo sintetiza o percurso que permitiu elaborar a hipótese a ser investigada em meu curso de Doutorado: ao aliar as singularidades da escrita e do suporte instrumental com a “sensibilidade eletroacústica”, potencializa-se as possibilidades da escritura instrumental, tornando-a um território atravessado por diversos fatores, permitindo o aparecimento – e o cruzamento – de quaisquer ferramentas. O ponto de partida é o entendimento da música eletroacústica como um “modo de sensibilidade”, também audível em diversas músicas “instrumentais” (Caesar, 1994), principalmente naquelas em que os compositores buscaram novas abordagens para a escritura instrumental (busca descrita já por Varèse). Numa etapa posterior, espera-se desenvolver estratégias analítico-composicionais que, através do estudo da produção instrumental contemporânea orientada às sonoridades e suas aquisições técnicas e estéticas, potencialize a atualização das virtualidades contidas neste território.
Palavras-chave: Escritura instrumental; Território; Composição; Análise; Sonoridade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2010-08-04

Como Citar

FICAGNA, A. F. ESCRITURA INSTRUMENTAL COMO TERRITÓRIO PARA A COMPOSIÇÃO DE SONORIDADES. Música Hodie, Goiânia, v. 9, n. 1, 2010. DOI: 10.5216/mh.v9i1.10742. Disponível em: https://revistas.ufg.br/musica/article/view/10742. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos