Monumentos catástrofes

entre a barbárie e a cultura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v26i2.68610

Resumo

O tema desse artigo são os monumentos catástrofes, ou seja, aqueles produzidos como homenagem às vítimas de uma tragédia. Inspirando-se em Walter Benjamim, considera-se esses monumentos como documentos da cultura, tendo em vista os seguintes aspectos: possuem um importante significado cultural na leitura das catástrofes, difundem narrativas com ampla visibilidade destacando o sofrimento das vítimas, possuem a capacidade de apaziguar o trauma da catástrofe, são artefatos modernistas, pois utilizam a representação estética para chocar o espectador e/ou fazer uma denúncia social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliézer Cardoso Oliveira, Universidade Estadual de Goiás, Anápolis, Goiás, Brasil, ezi@uol.com.br

Doutor em Sociologia pela UnB. Pós Doutor em Ciências da Religião pela PUC/Goiás. Professor efetivo do curso de História da UEG de Anápolis. Integrante do Mestrado em História (UEG/Morrinhos) e em Territórios e Expressões Culturais do Cerrado (UEG/Anápolis).

 

Referências

/11 MEMORIAL & MUSEUM. Site oficial do Memorial e Museu 11 de Setembro. Disponível em: https://www.911memorial.org/visit/memorial. Acessado em 2 abril de 2021.

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém. Trad. José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. Trad. Mauro W. Barbosa de Almeida. São Paulo: Perspectiva, 1997.

ARENDT, Hannah. Homens em tempos sombrios. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

OLIVEIRA, Eliézer Cardoso de. O incêndio da Igreja Nossa Senhora do Rosário em Pirénopolis como Evento Hermenêutico. Revista Caminhos. v. 11, n. 2, 2013.

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. v. 1. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994, p. 197-221.

BENJAMIN, Walter. Sobre o Conceito de História. In: Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. v. 1. São Paulo: Brasiliense, 1994, p. 222-232.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. Trad. Carlos Felipe Moisés e Ana Maria L Ioriatti. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

BODEI, Remo. As formas da Beleza. Trad. Antonio Angonese. Bauru/SP: Edusc, 2005.

BURKE, Edmund. Uma investigação filosófica sobre a origem de nossas ideias do sublime e do belo. Trad. Enid Abreu Dobránszky. Campinas: Papirus/ Editora da Unicamp, 1993.

FLUSSER, Vilém. A escrita: há futuro para a escrita? Trad. Murilo Jardelino da Costa. São Paulo: Annablume, 2010.

HERÓDOTO. História. Trad. J. Brito Broca. Vol. 1. São Paulo: W. M. Jackson Inc, 1964.

KANT, Emmanuel. Observações sobre o sentimento do belo e do sublime. Ensaios sobre as doenças mentais. Trad. Vinicius de Figueiredo. Campinas: Papirus, 1993.

LOWITH, Karl. O sentido da História. Trad. Maria Georgina Segurado. Lisboa: edições 70, 1991.

NEIMAN, Susan. O mal no pensamento moderno. Trad. Fernanda Abreu. Rio de Janeiro: Difel, 2003.

REMARQUE, Erich Maria. Nada de novo no front. Trad. Helen Rumjaneck. Porto Alegre: L&PM, 2004.

RODRIGUES, Nelson. A pátria em chuteiras. São Paulo: Companhia das Letras, 1984.

SCHILLER, Friedrich. Do Sublime (Para uma exposição de algumas ideias kantianas). In: SÜSSEKIND, Pedro. Friedrich Schiller: do sublime ao trágico. Trad. Pedro Süssekind e Vladimir Vieira. Belo Horizonte: Autêntica, 2011, p. 19-51.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. A história como trauma. In. NESTROVSKI, Arthur; SELIGMANN-SILVA, Márcio (org.). Catástrofe e representação. São Paulo: Escuta, 2000. p. 73-98.

Downloads

Publicado

04-11-2021

Como Citar

Oliveira, E. C. (2021). Monumentos catástrofes : entre a barbárie e a cultura . História Revista, 26(2), 218–239. https://doi.org/10.5216/hr.v26i2.68610

Edição

Seção

Dossiê "Cultura e barbárie: o mundo em tempos extremos"