Teorias da Conspiração no Brasil

apontamentos a partir de observações no Telegram

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v26.76843

Palavras-chave:

Desinformação, Teoria da Conspiração, Brasil

Resumo

Este artigo aborda as Teorias da Conspiração no Brasil, entendidas como uma das várias formas de desinformação que compõem o distúrbio informacional contemporâneo. Para compreendê-las e caracterizá-las quanto a forma e conteúdo, foram realizados dois movimentos: uma revisão crítica da literatura, que procurou enfatizar os autores nacionais, e a observação sistemática e coleta de mensagens de dois grupos do aplicativo Telegram. Como resultado, foi possível identificar a prevalência de conteúdos que, embora instituam epistemologias alternativas, não desafiam o paradigma de pensamento da Modernidade. Quatro mecanismos retóricos se destacaram nas TCs: a circularidade, a nucleação suprimida, o maniqueísmo e o recurso a indeterminações concorrentes e simultâneas. As TCs provêm segurança e controle aos que a elas aderem, tanto devido à simplicidade lógica dos raciocínios propostos (baseados em causalidades lineares) quanto devido ao incremento de sua valorização e pertencimento sociais junto a outros conspiracionistas. Isso confere às TCs grande potencial de engajamento e mobilização de grupos sociais efetivamente fragilizados pelas estruturas vigentes e também daqueles que se consideram desfavorecidos devido à perda de privilégios aos quais estavam acostumados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Suely Fragoso, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, suelyfragoso@ufrgs.br

 Professora Titular-Livre da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), onde atua nos cursos de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCom) e Graduação em Publicidade e Propaganda e Relações Públicas. Presidente do Chapter Brasil da Digital Games Research Association (DIGRA-Brasil). Ph.D. em Communication Studies pela University of Leeds (Reino Unido, 1998), Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP (1992) e arquiteta pela USP (1987).

Referências

ALBUQUERQUE, A. DE; QUINAN, R. Crise epistemológica e teorias da conspiração: o discurso anti-ciência do canal “Professor Terra Plana”. Revista Mídia e Cotidiano, v. 13, n. 3, p. 83-104, 2019.

AZARIAS, W. Não confie em ninguém - Teorias da Conspiração como Mitologia Política. Revista Alabastro, v. 2, n. 6, p. 45-51, 2016.

BOBRIC, G.-D. The Overton Window: A Tool for Information Warfare - ProQuest. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON CYBER WARFARE AND SECURITY, 16. 2021, Tenesse. Proceedings [...], 2021. Disponível em: https://www.proquest.com/openview/d14239dd5c1f67e37109feb2573f50e1/1?pq-origsite=gscholar&cbl=396500. Acesso em: 24 jan. 2023.

BORGES, R. L. Políticas da presença em tempos de neoliberalismo e neofascismo. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS, 2022.

CAMPION-VINCENT, V. From Evil Others to Evil Elites. In: CAMPION-VINCENT, V. (Ed.). Rumor Mills. 1. ed. [s.l.] Routledge, 2017. p. 103–122.

DE CERTEAU, M. Invenção do cotidiano: Artes de fazer. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1998. v. 1

DEMURU, P. Caos, teorias da conspiração e pandemia. Revista Acta Semiotica, v. 1, p. 244-261, 2021.

ELLIS, B. Raising the Devil: Satanism, New Religions, and the Media. Kentucky: University Press of Kentucky, 2000.

ENDERS, A. et al. Are Republicans and Conservatives More Likely to Believe Conspiracy Theories? Political Behavior, v. 45, p. 2001-2024, 2022.

FRANZKE et al. Internet Research: Ethical Guidelines 3.0. Association of Internet Researchers, 2020. Disponível em: https://aoir.org/reports/ethics3.pdf. Acesso em: 21 nov. 2023

GEHRKE, M.; BENETTI, M. A desinformação no Brasil durante a pandemia de Covid-19:: temas, plataformas e atores. Fronteiras - Estudos Midiáticos, v. 23, n. 2, 14 set. 2021.

HARAMBAM, J. Contemporary Conspiracy Culture: Truth and Knowledge in an Era of Epistemic Instability. 1. ed. Abingdon, Oxon ; New York, NY : Routledge, 2020. |: Routledge, 2020.

HOFSTADTER, R. The Paranoid Style in American Politics. Harper’s Magazine, v. November 1964, 1964.

KNIGHT, P. (Ed.). Conspiracy Theories in American History: An Encyclopedia: Conspiracy Theories in American History [2 volumes]: An Encyclopedia. New edição ed. Santa Barbara, Calif: ABC-CLIO, 2003.

LACLAU, E. Emancipation(s). [s.l.] Verso, 1996.

LATOUR, B. Reassembling the Social: An Introduction to Actor-Network-Theory. First Edition ed. Oxford: Oxford University Press, 2007.

LATOUR, B.; MAUGUIN, P.; TEIL, G. A Note on Socio-Technical Graphs. Social Studies of Science - SOC STUD SCI, v. 22, p. 33-57, 1992.

LEWANDOWSKY, S.; COOK, J.; LOMBARDI, D. Debunking Handbook 2020. Databrary, , 2020. Disponível em: http://databrary.org/volume/1182. Acesso em: 3 jun. 2021

LEWANDOWSKY, S.; ECKER, U. K. H.; COOK, J. Beyond Misinformation: Understanding and Coping with the “Post-Truth” Era. Journal of Applied Research in Memory and Cognition, v. 6, n. 4, p. 353-369, 2017.

LUTAV, S. Paramídia: controles algorítmicos: Os mecanismos que multiplicam fake news, conspirações e bolhas ideológicas. Revista Inteligência Empresarial, v. 40, p. 17–19, 2018.

MALINI, F. et al. Medo, infodemia e desinformação: a timeline dos discursos sobre coronavírus nas redes sociais. Revista UFG, v. 20, 31 dez. 2020.

MASSUCHIN, M. G. et al. A estrutura argumentativa do descrédito na ciência: uma análise de mensagens de grupos bolsonaristas de Whatsapp na pandemia da COVID-19. Fronteiras - Estudos Midiáticos, v. 23, n. 2, p. 160–174, 14 set. 2021.

NASCIMENTO, L. F. et al. Poder oracular e ecossistemas digitais de comunicação:: a produção de zonas de ignorância durante a pandemia de Covid-19 no Brasil. Fronteiras - Estudos Midiáticos, v. 23, n. 2, p. 190–206, 14 set. 2021.

OLIVEIRA, T. Desinformação científica em tempos de crise epistêmica: circulação de teorias da conspiração nas plataformas de mídias sociais. Fronteiras - Estudos Midiáticos, v. 22, n. 1, p. 21–35, 2 mar. 2020.

PIGDEN, C. Popper Revisited, or What Is Wrong With Conspiracy Theories? Philosophy of the Social Sciences, v. 25, n. 1, p. 3–34, 1 mar. 1995.

POLANYI, M. The Stability of Beliefs. The British Journal for the Philosophy of Science, v. III, n. 11, p. 217–232, 1952.

POPPER, K. R. The Conspiracy Theory of Society. In: HARVEY, D. (Ed.). Conspiracy Theories. [s.l.] Routledge, 2006.

RECUERO, R.; SOARES, F. O Discurso Desinformativo sobre a Cura do COVID-19 no Twitter: Estudo de caso. E-Compós, v. 24, 2021.

REZENDE, A. T.; GOUVEIA, V. V.; MOIZÉIS, H. B. C. Crenças em Teorias da Conspiração: uma aproximação desde a Psicologia Social. Interação em Psicologia, v. 25, n. 1, p. 101-110, 2021.

ROBERTSON, D. How an Obscure Conservative Theory Became the Trump Era’s Go-to Nerd Phrase. POLITICO Magazine, 25 fev. 2018.

SAAD, E. Reflexões sobre ontologias jornalísticas no contexto de desinformação e crises sistêmicas. Fronteiras - Estudos Midiáticos, v. 23, n. 2, p. 58-72, 2021.

SANCHOTENE, C.; MARQUES, D. N. Quando a arma é a notícia: : um estudo sobre a circulação de fake news. Comunicação & Informação, v. 24, 2021.

SANTOS, C. R. P. DOS; MAURER, C. Potencialidades e limites do fact-checking no combate à desinformação. Comunicação & Informação, v. 23, 2020.

SEIBT, T.; FONSECA, V. P. DA S. Transparência como princípio normativo do jornalismo: a prática de fact-checking no Brasil. Comunicação Pública, v. 14, n. 27, 2019.

SOARES, A. Conspiração, Mentiras e Imunização na Estabilização de Crenças. CTS em Foco, n. 2, p. 30-34, 2021.

TRÄSEL, M. A eficácia da checagem de fatos no combate à desinformação. Cadernos Adenauer, v. XIX, n. 4, p. 69-87, 2018.

VICARIO, M. et al. The spreading of misinformation online | PNAS. PNAS, v. 113, n. 3, p. 554-559, 2016.

WARDLE, C. Information Disorder: The Essential Glossary. In: Information Disorder: The Definitional Toolbox, 2018. p. 8.

WARDLE, C. Understanding Information disorder. First Draft, 2019.

WARDLE, C.; DERAKHSHAN, H. Information DisorderToward an interdisciplinary framework for research and policymaking. Estrasburgo: Council of Europe, 2017.

WEBER, M. Economy and Society: An Outline of Interpretive Sociology. [s.l.] University of California Press, 1978.

Downloads

Publicado

2023-12-28

Como Citar

FRAGOSO, S. Teorias da Conspiração no Brasil: apontamentos a partir de observações no Telegram. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 26, p. 363–377, 2023. DOI: 10.5216/ci.v26.76843. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/76843. Acesso em: 28 fev. 2024.