Cultura de paz na comunicação organizacional

análise da produção científica brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v25.64717

Palavras-chave:

Cultura de Paz, Relações Públicas, Comunicação Organizacional, Relacionamento, Produção Científica

Resumo

A promoção de uma cultura de paz é essencial à construção de práticas sociais voltadas ao respeito à vida e à dignidade humana. Considerando que a comunicação é constitutiva da cultura, e que as Relações Públicas abrangem a atividade comunicacional construtora dos sistemas simbólicos que sustentam as relações entre organizações e públicos, pesquisas recentes no campo vêm sendo realizadas sob a égide das dimensões de uma cultura de paz. Nesse sentido, este artigo tem como objetivo compilar a produção científica deste campo, referente às duas últimas décadas, selecionando os trabalhos que expõem de forma direta e/ou indireta os pressupostos de uma cultura de paz, conforme o Manifesto 2000 da UNESCO. Para tanto, utiliza-se como método a pesquisa bibliométrica, de abordagem quantitativa e qualitativa, envolvendo os trabalhos publicados em periódicos e anais de eventos significativos. Os resultados demonstram que os estudos envolvendo a paz, no campo das Relações Públicas e Comunicação Organizacional, podem ser articulados em nove categorias: Cidadania e democracia; Responsabilidade social, Sustentabilidade e meio ambiente; Mediação, diálogo, negociação e cooperação; Gênero, minorias e grupos de risco; Ética; Educação, informação e acessibilidade; Interculturalidade, cultura e diversidade; Saúde, Bem-estar social e dignidade humana; Paz e não violência. Conclui-se que, embora a maior parte dos trabalhos analisados não façam menção ao conceito cultura de paz, os pressupostos da cultura de paz estão enraizados na produção científica do campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberta de Oliveira Neves, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, Paraíba, Brasil, robertaneves08@gmail.com

Universidade Federal da Paraíba.

Felipe Sá Brasileiro, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, Paraíba, Brasil, fellipesa@hotmail.com

Docente do Curso de Relações Públicas e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal da Paraíba. Doutor em Ciência da Informação pela UFPB.

Caroline Delevati Colpo, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, Paraíba, Brasil, carolinecolpo@gmail.com

Professora do Curso de Relações Públicas e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Culturas Midiáticas da Universidade Federal da Paraíba/PB. Doutora em Comunicação Social – PUC/RS, Mestre em Desenvolvimento Regional – UNISC/RS e Graduada em Relações Públicas – UFSM/RS

Andrea Karinne Albuquerque Maia, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, Paraíba, Brasil, andreakarinne@gmail.com

Docente e Coordenadora do Curso de Relações Públicas da Universidade Federal da Paraíba. Mestre em Comunicação e Culturas Midiáticas pela UFPB. MBA em Gestão Estratégica de Pessoas (UEPB). Bacharel em Comunicação Social nas habilitações Relações Públicas e Jornalismo.

Referências

ALMEIDA, H. N.; PINTO ALBUQUERQUE, C.; CRUZ SANTOS, C. Cultura de Paz e Mediação Social: Fundamentos para a construção de uma sociedade mais justa e participativa, Mediaciones Sociales. Revista de Ciencias Sociales y de la Comunicación, n. 12, p. 132-157, 2013.

ALVES, E. C.; BRASILEIRO, F. S. A socialização como processo informacional. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA EM INFORMAÇÃO, ANAIS, 13., 2017, Salvador. Anais ... Salvador: EDUFBA, 2017, p. 165-17.

BERGER, Peter. L.; LUCKMANN, Thomas. Perspectivas sociológicas. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1983.

BRASILEIRO, F. S. Emoções e redes colaborativas na resiliência informacional. Liinc em Revista, [S. 1.], v. 16, n. 2, p. e5309, 2020. DOI: 10.18617/liinc.v16i2.5309.

BRASILEIRO, F. S.; ALMEIDA, A. M. P. Barreiras à informação em saúde nas mídias sociais. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, SP, v. 19, n. 00, p. e021030, 2021. DOI: 10.20396/rdbci.v19i00.8667199.

CABRAL, R.; GONÇALVES, G.; SALHANI, J. Violência organizacional: reflexões a partir da perspectiva dos estudos da paz. Organicom. São Paulo, v. 15, n. 28, p. 247-264, set., 2018.

CASALI, A. Ética e sustentabilidade nas Relações Públicas. Organicom. São Paulo, v.5, n.8, p. 48-58, 14, jun., 2008.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração e Programa de Ação sobre uma Cultura de Paz. Resolução aprovada por Assembleia Geral em 06 de outubro de 1999, nº 53/243. New York: ONU; 1999.

DIAS, P. R.; FORTALEZA, K. K. C. Comunicação e Educação nas Organizações: Novas Interfaces de Conhecimento. In: Congresso Brasileiro Científico de Comunicação Organizacional e de Relações Públicas - Abrapcorp, Porto Alegre, Anais (on-line), São Paulo: Abrapcorp, 2017.

DUARTE, Jorge. (Org). Comunicação Pública: Estado, Mercado, Sociedade e Interesse Público. São Paulo: Atlas, 2012.

DUGAN, M. A. Peace Studies at the Graduate Level. In: The Annals of the American Academy of Political Science, v. 504, JSTOR, 1989, p. 72-79.

FERRARI, Maria. Aparecida. Relações públicas: gestão estratégica de relacionamentos. In: KUNSCH, Margarida (org.) Comunicação Organizacional Estratégica. São Paulo: Saraiva, 2016.p.139-159.

FISAS, Vicenç. La paz es posible. Barcelona: Plaza & Janés, 2002.

FONKERT, Renata. Mediação Familiar: Recurso Alternativo à Terapia Familiar na Resolução de Conflitos em Famílias com Adolescentes, 1999.

FRANÇA, Fábio. Públicos: como identificá-los em uma nova visão estratégica. São Caetano do Sul: Yendis, 2008.

GALTUNG, J. Cultural Violence. Journal of Peace Research. v. 27, n. 3, 1990.

GRUNIG, James. E. Teoria Geral da Excelência em Relações Públicas. In: GRUNIG, James. E.; FERRARI, Maria. Aparecida.; FRANÇA, Fábio. Relações Públicas: teoria, contexto e relacionamentos. São Caetano do Sul: Difusão, 2009.

GUERRA, M. das G. G. V.; CARVALHO, K. de A. G. Transparência pública e acesso à informação: a utopia virando realidade na UEPB. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 22, p. 1-19, 2019.

MARTINEZ, S. I. F. Envolvimento das empresas na construção da paz. Organicom. São Paulo, v. 15, n. 28, p. 189-205, set. 2018.

MARQUES DE MELO, José. et al. Mídia e saúde. São Paulo. Adamantina. UMESP. FAI, 2001.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Lisboa: Instituto Piaget, 1991.

NADER, S.; OLIVEIRA, M. J. da C. Relações Públicas na gestão da responsabilidade social: desafio e oportunidade. Organicom. São Paulo, v. 3, n. 5, p. 96-107, dez., 2006.

SANCHES, M. A.; RUTHES, V. R. M. Ética mundial e cultura da paz: desafios da Bioética. HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, Belo Horizonte, v. 7, n. 14, p. 31-45, jun., 2009.

VERGILI, R.; VETRITTI, F. G. C. de M. Grandes empresas e interculturalidade: importância do profissional de relações públicas no ambiente digital. Organicom. São Paulo, v. 11, n. 21, p. 133-143, dez., 2014.

WIBERG, H. Investigação para a paz: passado, presente e futuro. Organicom. São Paulo, v. 15, n. 28, p. 57-73, set., 2018.

WOLTON, Dominique. Pensar a comunicação. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2004.

Downloads

Publicado

2022-10-11

Como Citar

DE OLIVEIRA NEVES, R.; BRASILEIRO, F. S.; DELEVATI COLPO, C.; KARINNE ALBUQUERQUE MAIA, A. Cultura de paz na comunicação organizacional: análise da produção científica brasileira. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 25, p. 540–564, 2022. DOI: 10.5216/ci.v25.64717. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/64717. Acesso em: 18 maio. 2024.