A noção pós-gênero

proposta teórico-metodológica para estudos de experimentalismos e hibridizações na música pop

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v24.62623

Resumo

Na música pop e sua circulação globalizada consolidou-se uma comunicação institucionalizada em formas culturais reconhecíveis. Os gêneros musicais constituem assim, dentro de um complexo sensorial midiático, as noções e percepções maiores sobre a produção musical. Propõe-se aqui observar as hibridizações e os experimentalismos – espaços semióticos “entre” as categorias midiáticas – como processos comunicacionais de diferenciação que privilegiam imprevisibilidade artística e atualizações políticas. Para tanto, sugerimos uma revisão epistemológica centrada nos processos menores percebidos no som, a partir da noção de pós-gênero, cujo caminho teórico-metodológico baseado na semiótica, no pós-estruturalismo e no decolonialismo questiona as desigualdades narrativas que marcam a música pop nas mídias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Herom Vargas, Universidade Metodista de São Paulo (UMESP), São Paulo, Brasil, heromvargas50@gmail.com

Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Metodista de São Paulo - UMESP

Nilton Carvalho, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Cuiabá, MT, Brasil, niltonfar.carvalho@gmail.com

Doutor em Comunicação pela Universidade Metodista de São Paulo. Atualmente é professor substituto no curso de Jornalismo - Faculdade de Comunicação e Artes, da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Referências

AGAMBEN, G. A experiência da língua. Conferência proferida em 25 de maio de 1990, no Colóquio Lacan avec les philosophes – Collége International de Philosophie de Paris. Rio de Janeiro: Rotaplan Gráfica, 2018, p. 1-15.

AMARAL, A. Categorização dos gêneros musicais na Internet – Para uma etnografia virtual das práticas comunicacionais na plataforma social Last.fm. In: FREIRE FILHO, J.; HERSCHMANN, M. (orgs.). Novos rumos da cultura da mídia: indústrias, produtos e audiências. Rio de Janeiro, Mauad, 2007, p. 227-242.

BAKHTIN, M. M. Problemas da poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

BEZERRA, P. Polifonia. In: BRAIT, B. (org). Bakhtin: conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2012, p. 191-200.

CAMPESATO, L.; IAZZETTA, F. Práticas locais, discursos universalizantes: relendo

a música experimental. In: FIGUEIRÓ, C. Desobediência sonora: selos de música experimental e suas tecnologias de sustentabilidade. Salvador: EDUFBA, 2019, p. 15-72.

CASSIN, B. Translation as paradigm for human sciences. The Journal of Spculative Philosophy, v. 30, n. 3, p. 242-266, 2016.

MARTIN-BARBERO, J. Dos meios às mediações. Comunicação, Cultura e Hegemonia. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O anti-Édipo – capitalismo e esquizofrenia 1, São Paulo: Ed. 34, 2014.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs – capitalismo e esquizofrenia 2, v. 2. São Paulo: Ed. 34, 1995.

DERRIDA, J. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 2013.

FABBRI, F. A theory of musical genres: two applications. In: HORN, D.; TAGG, P. (eds.) Popular music perspectives. IASPM, Göteborg & Exeter, 1982, p. 52-81.

FRITH, S. The Discourse of World Music. In: BORN, G.; HESMONDHALGH, D. Western music and its others: difference, representation, and appropriation in music. California: University of California Press, 2000, p. 305-322.

HALL, S. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

JANOTTI JR, J. À procura da batida perfeita: a importância do gênero musical para a análise da música popular massiva. Eco-Pós, v. 6, n. 2, p. 31-46, 2003.

JANOTTI JR, J.; PEREIRA DE SÁ, S. Revisitando a noção de gênero musical em tempos de cultura musical digital. Galáxia, n. 41, p. 128-139, mai./ago. 2019.

KRISTEVA, J. Introdução à semanálise. São Paulo: Perspectiva, 2012.

KRISTEVA, J. Desire in language: a semiotic approach to literature and art. New York: Columbia University Press, 1980.

LAZZARATO, M. Signos, máquinas e subjetividades. São Paulo: N-1 Edições, 2014.

LOPES, M. I. Um percurso epistemológico para a pesquisa empírica de comunicação. In: LOPES, M. I. (org.). Epistemologia da comunicação no Brasil: trajetórias autorreflexivas. São Paulo: ECA-USP, 2016, p. 185-208.

LOTMAN, I. La semiosfera I. Semiótica de la cultura y del texto. Madrid/Valencia: Ediciones Cátedra/Frónesis Universidad de Valencia, 1996.

LOTMAN, I. No limiar do imprevisível. In: VÓLKOVA AMÉRICO, Ekaterina. Alguns aspectos da semiótica da cultura de Iúri Lótman. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Literatura e Cultura Russa. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012, p. 153-165.

MBEMBE, A. Variations on the beautiful in the congolese world of sounds. Politique Africaine, v. 100, n. 4, p. 69-91, 2005.

MCLEOD, K. Genres, subgenres, sub-subgenres and more: musical and social differentiation within electronic/dance music communities. Journal of Popular Music Studies, n. 13, p. 59-75, 2001.

MONTEIRO, M.; VIANA, L. R.; NUNES, C. G. Possíveis abordagens metodológicas em pesquisas sobre cenas e gêneros musicais. In: ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS, 28, 2019, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: PUC-RS, 1996. Disponível em: <http://www.compos.org.br/biblioteca/trabalhos_arquivo_G8G5OIUK3EF8AANBEPHB_28_7838_22_02_2019_14_25_25.pdf>. Acesso em: 09 jul. 2019.

MOURA, A. G.; GALAN, D.; MACHADO, L. Sobre questões de imprevisibilidade na cultura: o legado de Lótman para a compreensão dos mecanismos e trabalhos de semioses culturais. Bakhtiniana, v. 14, n. 4, p. 211-231, out./dez. 2019.

PEREIRA DE SÁ, S. Se vc gosta de Madonna também vai gostar de Britney! Ou não? Gêneros, gostos e disputa simbólica nos sistemas de recomendação musical. E-Compós, v. 12, n. 2, p. 1-20, 2009.

REGEV, M. Rock aesthetics and musics of the world. In: CATEFORIS, T (edit.). The rock history reader. New York: Routledge, 2007, p. 303-308.

ROLNIK, S. O mal-estar na diferença. Zona Erógena, Revista abierta de Psicoanalisis y Pensamiento Contemporaneo, n. 24, p. 1-13, 1995.

SAID, E. W. Orientalismo. O Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: UFMG, 2010.

TROTTA, F. Gêneros musicais e sonoridade: construindo uma ferramenta de análise. Ícone, v. 10, n. 2, p. 1-12, 2008.

VARGAS, H. Hibridismos musicais de Chico Science & Nação Zumbi. Cotia (SP): Ateliê Editorial, 2007.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Metafísicas canibais: elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: N-1 Edições, 2015.

Downloads

Publicado

11-08-2021

Como Citar

VARGAS, H.; CARVALHO, N. A noção pós-gênero: proposta teórico-metodológica para estudos de experimentalismos e hibridizações na música pop. Comunicação &amp; Informação, Goiânia, Goiás, v. 24, 2021. DOI: 10.5216/ci.v24.62623. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/62623. Acesso em: 17 out. 2021.