A agenda setting: os meios de comunicação como construtores da realidade social

Autores

  • Rhayssa Fernandes Mendonça Universidade Federal de Goiás (UFG). Faculdade de Informação e Comunicação (FIC). Goiânia, Goiás (GO), Brasil.
  • Ana Carolina Rocha Pessôa Temer Universidade Federal de Goiás (UFG). Faculdade de Informação e Comunicação (FIC). Goiânia, Goiás (GO), Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.5216/35712

Palavras-chave:

Agenda Setting. Efeitos em Longo Prazo. Representações Sociais.

Resumo

Este artigo aborda os estudos dos Efeitos em Longo Prazo, com enfoque naqueles que envolvem a Agenda Setting. A corrente trata sobre os efeitos da mídia e foi desenvolvida pelos pesquisadores Maxwell McCombs e Donald Shaw. As pesquisas tiveram início no final dos anos 60 durante as eleições presidenciais nos Estados Unidos e se desenvolveram, tendo como pressuposto central a afirmação que os meios de comunicação de massa são capazes de definir temas e assuntos na agenda das pessoas. Essa capacidade aponta uma consistência da mídia em definir a realidade social e o poder de modificar as imagens do mundo. Ao final, procura-se também estabelecer a correlação da Agenda Setting com a Teoria das Representações Sociais, corrente da Psicologia Social. Os principais autores utilizados são McCombs (2009), Wolf (2005), Nery e Temer (2009) e Moscovici (2003).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rhayssa Fernandes Mendonça, Universidade Federal de Goiás (UFG). Faculdade de Informação e Comunicação (FIC). Goiânia, Goiás (GO), Brasil.

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Faculdade de Informação e Comunicação da Universidade Federal de Goiás.

Ana Carolina Rocha Pessôa Temer, Universidade Federal de Goiás (UFG). Faculdade de Informação e Comunicação (FIC). Goiânia, Goiás (GO), Brasil.

Doutora e Mestre em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo, Especialista em Sociologia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Comunicação pela Faculdade de Informação e Comunicação (FIC) na Universidade Federal de Goiás (UFG). Brasil, Goiás (GO), Goiânia.

Referências

BRAGA, C. F.; CAMPOS, P. H. F. Representações sociais, situações potencialmente comunicativas e conflito: o caso da reserva indígena Raposa Serra do Sol (2005-2009). Curitiba: Appris, 2012.

FORMIGA, F. de O. N. A evolução da hipótese de agenda-setting. 2006. 93 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação)-Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

HOHLFELDT, A. Os estudos sobre a hipótese de agendamento. Revista Famecos, Porto Alegre, n. 7, p. 42-51, nov. 1997.

MCCOMBS, M. Estabeleciendo la agenda. Barcelona: Ediciones Paidós Ibérica, 2006

MCCOMBS, M. A Teoria da Agenda: a mídia e a Opinião. Rio de Janeiro: Vozes, 2009.

MOSCOVICI, S. Representações Sociais. Investigações em Psicologia Social. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

NASCIMENTO-SCHULZE, C. M.; CAMARGO, B. V. Psicologia social: representações sociais e métodos. Temas em Psicologia, Santa Catarina, v. 8, n. 3, p. 281-299, 2000.

NERY, V. C. A; TEMER, A. C. R. P. Para entender as Teorias da Comunicação. 2. ed. Uberlândia: Asppectus, 2009.

SPINK, M. J. P. As representações sociais como formas de conhecimento. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 300-308, 1993.

WOLF, Mauro. Teorias da comunicação de massa. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

Downloads

Publicado

2015-06-15

Como Citar

MENDONÇA, R. F.; TEMER, A. C. R. P. A agenda setting: os meios de comunicação como construtores da realidade social. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 18, n. 1, p. 192–207, 2015. DOI: 10.5216/35712. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/35712. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

Caderno Casadinho Procad UFG - UFRJ