O valor simbólico da sustentabilidade e as formas de sua apropriação pelas empresas: o exemplo das marcas Prius, Natura e Patagonia

Autores

  • Vivian Soares de Araujo Universidade de São Paulo (USP).Escola de Comunicações e Artes (ECA). São Paulo, São Paulo (SP)
  • Luiz Alberto de Farias Universidade de São Paulo (USP).Escola de Comunicações e Artes (ECA). São Paulo, São Paulo (SP)
  • Marcos Henrique Bedendo Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). São Paulo, São Paulo (SP)

DOI:

https://doi.org/10.5216/34514

Palavras-chave:

Sustentabilidade. Consumo. Prius. Natura. Patogonia.

Resumo

A sustentabilidade é um tema de importância crescente em nossa sociedade e nas organizações. A simbologia positiva que ela desperta gera interesse de empresas dos mais variados perfis que a incorporam em seus discursos e ações com diferentes abordagens. A proposta desse artigo é discutir a construção da simbologia da sustentabilidade e a sua utilização como argumento de vendas por empresas de bens de consumo. Para isso, foi realizado um debate teórico e exemplos de apropriações do conceito pelas marcas Toyota Prius, Natura e Patogonia, que possuem diferentes perspectivas para a utilização do conceito de sustentabilidade. Como um valor ainda em evolução, conclui-se que há dois paradigmas que precisam ser quebrados para a adoção da sustentabilidade: o paradigma simbólico, em que a redução do consumo passe a ser vista simbolicamente como positiva, e o paradigma econômico, no qual a redução dos volumes vendidos pelas empresas possa ser uma possibilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vivian Soares de Araujo, Universidade de São Paulo (USP).Escola de Comunicações e Artes (ECA). São Paulo, São Paulo (SP)

Pós-Graduação em Administração de Empresas, pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Graduação em Comunicação Social com Habilitação em Relações Públicas, na Universidade de São Paulo (USP), Escola de Comunicações e Artes (ECA). Brasil, São Paulo(SP), São Paulo.

Luiz Alberto de Farias, Universidade de São Paulo (USP).Escola de Comunicações e Artes (ECA). São Paulo, São Paulo (SP)

Doutor em Comunicação e Cultura pelo Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina (Prolam) da Universidade de São Paulo (USP). Mestre em Comunicação e Mercado, Faculdade Casper Líbero. Brasil, São Paulo (SP), São Paulo.

Marcos Henrique Bedendo, Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). São Paulo, São Paulo (SP)

Mestre pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP-FGV). Professor de marketing, branding e gestão de marcas dos cursos de graduação e pós-graduação na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM-SP). Brasil, São Paulo (SP), São Paulo.

Referências

ABRAMOVAY, R. A apropriação da sustentabilidade pelas grandes marcas globais. Folha de São Paulo, 18 de jul. 2013. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/empreendedorsocial/colunas/2013/07/1312685-a-apropriacao-da-sustentabilidade-pelas-grandes-marcas-globais.shtml>

BAUDRILLARD, J. A Sociedade do Consumo. São Paulo: Edições 70, 1978.

BELK, R. Possessions and the Extended Self. Journal of Consumer Research, v. 15, n. 2, p. 139-168, 1988.

BUCCI, E. A fabricação de valor na superindústria do imaginário. Revista Communicare, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 56- 72, 2002.

CASTELLS, M. Comunicación y poder. Madri: Alianza Editorial, 2009.

CASTELLS, M. A sociedade em rede: a era da informação: economia, sociedade e cultura. 9. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2006. v. 1.

CELEBRITY CARS BLOG. How Many Stars Own A Prius? [S.l.], [2011?] Disponível em: <http://www.celebritycarsblog.com/2011/01/how-many-celebrities-drive-a-prius/>. Acesso em: 8 mar. 2015.

CONSELHO EMPRESARIAL BRASILEIRO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (CEBDS). Linha do Tempo 1950 a 2008. Disponível em: <http://www.cebds.org.br/>: Acesso em: 24 out. 2014.

GREEN CAR REPORTS. Toyota Prius: a brief history in time. Disponível em: <http://money.cnn.com/2006/02/17/news/companies/mostadmired_fortune_toyota/>. Acesso em: 10 fev. 2015.

HOLBROOK, M. B.; HIRSCHMAN E. C. The experiential aspects of consumption: consumer fantasies, feelings, and fun. Journal of Consumer Research, v. 9, n. 2. p. 132-140, sep. 1982.

INSTITUTO ETHOS. Princípios e compromissos. Disponível em: <http://www3.ethos.org.br/>. Acesso em: 24 out. 2014

IPPOLITO, M.; MATHIOS, A. D. Information, advertising and health choices: a study of teh cereal market. Rand Journal of Economics, Santa Monica, CA, v. 21, n.3, p. 459-480, 1990.

IPPOLITO, M.; MATHIOS, A. D. Health claims in food marketing: evidence on

knowledge and behavior in the cereal market. Journal of Public Policy & Marketing, Chicago, IL, v. 10, p. 15-32, 1991.

KUNSCH, M. M. K. (Org.). A comunicação na gestão da sustentabilidade das organizações. São Caetano do Sul: Difusão Editora, 2009.

LEFF, E. Epistemologia ambiental. 4. ed. São Paulo: Cortez Editora, 2007.

LEVY, S. J. Interpreting Consumer mythology: a structural approach to consumer

behavior. Journal of Marketing, Chicago, v. 45, p. 49-61. 1981.

LIPOVETSKY, G. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo, Cia das Letras, 2006.

MARKETING HALL OF FAME. 2015 Inductees to the Marketing Hall of Fame. Disponível em: <http://www.marketinghalloffame.org/2015/03/03/2015-inductees-to-the-marketing-hall-of-fame/>. Acesso em: 8 mar. 2015.

MARTÍN-BARBERO, J. Dos meios às mediações. Rio de Janeiro: UFRJ, 1997.

PATAGONIA. Disponível em: <http://www.patagonia.com/us/environmentalism>. Acesso em: 8 mar. 2015.

RICHINS, M. L. Measuring emotions in the consumption experience. Journal of

Consumer Research, Oxford, v. 24, n. 2, p. 127-146. 1997.

SALECL, R. Sobre a felicidade: ansiedade e consumo na era do hipercapitalismo. São Paulo: Alameda, 2005.

SORON, D. Sustainability, self-identity and the sociology of consumption. Sustainable Development, v. 18, p. 172-18, 2010.

SENNET, R. The fall of the public man on the social psychology of capitalism.

New York: Vintage Books, 1978.

SZMIGIN, I.; CARRIGAN, M.; MCEACHERN, G. The conscious consumer: taking a flexible approach to ethical behavior. International Journal of Consumer Studies, v. 33, n. 2, p. 224-231, 2009.

TAYLOS, A. Toyota: the birth of the prius. CNN MONEY, [S.l.]. Disponível em: <http://money.cnn.com/2006/02/17/news/companies/mostadmired_fortune_toyota/>. Acesso em: 10 fev. 2015.

VEIGA, E.. Sustentabilidade: a legitimação de um novo valor. São Paulo: SENAC, 2010.

ZIZEK, S. O hedonismo envergonhado. Folha de São Paulo, Caderno Mais, 13 out. 2003.

Downloads

Publicado

2015-06-15

Como Citar

ARAUJO, V. S. de; DE FARIAS, L. A.; BEDENDO, M. H. O valor simbólico da sustentabilidade e as formas de sua apropriação pelas empresas: o exemplo das marcas Prius, Natura e Patagonia. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 18, n. 1, p. 140–156, 2015. DOI: 10.5216/34514. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/34514. Acesso em: 23 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos