Elas não querem criar? Apontamentos sobre a institucionalização do trabalho de criação publicitária no mercado de Porto Alegre

Autores

  • Fábio Hansen Universidade Federal do Paraná (UFPR). Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal do Paraná e Professor no Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM UFPR). Curitiba, Paraná (PR)
  • Cátia Schuh Weizenmann Escola Superior de Propaganda e Marketing. Porto Alegre, Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.5216/33556

Palavras-chave:

Feminino. Criação publicitária. Trabalho. Ensino. Gênero.

Resumo

Criaram os filhos, criaram revoluções, criaram asas, mas parece que não querem criar campanhas publicitárias. Este artigo investiga o fato de haver uma significativa dissonância entre o número de homens e mulheres nos departamentos de criação de agências de publicidade de Porto Alegre/RS, bem como nas salas de aula do curso de graduação em Publicidade e Propaganda da ESPM Sul, a partir da hipótese da institucionalização de papéis no mundo do trabalho, especialmente dentro das agências. O eixo central da nossa proposta está na identificação de mecanismos que legitimam a criação publicitária como espaço de atuação masculino, configurando a divisão sexual do trabalho no universo publicitário.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Hansen, Universidade Federal do Paraná (UFPR). Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal do Paraná e Professor no Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM UFPR). Curitiba, Paraná (PR)

Doutor em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Docente no Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal do Paraná e Professor no Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM UFPR). Curitiba, Paraná, Brasil

Cátia Schuh Weizenmann, Escola Superior de Propaganda e Marketing. Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Doutora em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Docente na Escola Superior de Propaganda e Marketing. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Referências

BADINTER, E. O conflito: a mulher e a mãe. Rio de Janeiro: Record, 2011.

BERGER, P.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. São Paulo: Vozes, 2008.

BOURDIEU, P. Sociologia. São Paulo: Ática, 1983.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

BOURDIEU, P. Para uma sociologia da ciência. São Paulo: Edições 70, 2004.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2007.

CASAQUI, V.; RIEGEL, V. Google e o consumo simbólico do trabalho criativo. Comunicação, Mídia e Consumo. São Paulo, v. 6, n. 17, p. 161-180, 2009.

CASAQUI, V.; RIEGEL, V.; BUDAG, F. E. Publicidade imaginada: a visão dos estudantes sobre o mundo do trabalho publicitário. In: CASAQUI, V.; LIMA, M. C.; RIEGEL, V. (Orgs.). Trabalho em publicidade e propaganda. São Paulo: Atlas, 2011. cap. 2.

CESAR, N. Direção de arte em propaganda. São Paulo: Futura, 2000.

DOMINGOS, C. Criação sem pistolão. São Paulo: Campus, 2003.

KNOPLOCH, Z. A ideologia do publicitário. Rio de Janeiro: Achiamé, 1980.

LIPOVETSKY, G. A terceira mulher: permanência e revolução do feminino. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

LOBOS, J. Amélia, adeus. São Paulo: Instituto da Qualidade, 2003.

MACHADO, C. M.; PERIPOLLI, J. C.; MARQUES, M. E. F. A mulher publicitária, preconceito e espaço profissional: estudo sobre a atuação de mulheres na área de criação em agências de comunicação em Curitiba. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 32., 2009, São Paulo. Anais... São Paulo: Intercom (Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação), 2009. p. 1-16.

PETERMANN, J. Do sobrevôo ao reconhecimento atento: a institucionalização da criação publicitária, pela perspectiva do habitus e dos capitais social, cultural e econômico. 2011. 408f. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação)-Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Unisinos, São Leopoldo, 2011.

RIBEIRO, M. Mulheres ainda são raridade na criação. O Estado de São Paulo, São Paulo, 27 jun. 2011.

SALOMÃO, A. K.; DREWS, K. A mulher e o mercado de trabalho. Porto Alegre: IEE, 2005.

SINA, A. Mulher e trabalho: o desafio de conciliar diferentes papéis na sociedade. São Paulo: Saraiva, 2005.

VALERIO, A. Mulheres se destacam na criação: Mercado têm buscado mais profissionais femininas para falar com seu público-alvo. Propmark, São Paulo, 27 fev. 2012.

WITTER, L.; CHEN, L. A decisão é delas. São Paulo: Larousse do Brasil, 2009.

Downloads

Publicado

2015-06-15

Como Citar

HANSEN, F.; WEIZENMANN, C. S. Elas não querem criar? Apontamentos sobre a institucionalização do trabalho de criação publicitária no mercado de Porto Alegre. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 18, n. 1, p. 21–36, 2015. DOI: 10.5216/33556. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/33556. Acesso em: 18 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos