Formação e prática docente: limites e potencialidades para a educação geográfica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v18i1.79126

Resumo

Formar professores se constitui em um desafio permanente para todos que, em alguma dimensão, estão envolvidos com esta demanda. No sentido de contribuir com a busca para qualificar tais processos formativos, esta investigação anseia identificar aspectos que podem contribuir para a compreensão sobre como os professores de Geografia da educação básica vislumbram a formação, a Geografia e alguns elementos da prática docente, defendendo que estas dimensões se colocam, dialeticamente, como limites e possibilidades para Educação Geográfica, bem como a importância da escuta ativa a estes sujeitos como uma estratégia potencialmente qualificadora da formação inicial. Optou-se pelo diálogo com professores do estado do Tocantins (região Norte do Brasil), dando voz aos sujeitos que estão trabalhando diretamente com a construção da Geografia cotidianamente nas escolas. Sem qualquer intenção de esgotar o debate, este artigo coloca-se como um retrato das percepções de alguns professores sobre a formação e a prática docente, compreendendo que estas dimensões contribuem de maneira indissociável para o delinear de uma Educação Geográfica que seja efetivamente significativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2024-04-20

Como Citar

VIEIRA FERREIRA, A.; VALLERIUS, D. M. Formação e prática docente: limites e potencialidades para a educação geográfica. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 18, n. 1, p. 386–399, 2024. DOI: 10.5216/ag.v18i1.79126. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/79126. Acesso em: 18 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê - A Educação Geográfica no contexto Panamericano