Epistemologias afrocentradas na academia

desafios de um concurso para docente em dança

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v7i2.70438

Resumo

Este trabalho apresenta um ensaio etnográfico sobre a experiência de um concurso público para docente efetivo em danças afro-brasileiras ocorrido em universidade federal do sul do Brasil. O texto busca narrar a singularidade do evento, que tornou evidente o choque epistemológico entre os saberes forjados em cultura afrocentrada e o conhecimento acadêmico eurocêntrico colonizador. Apresenta o modo como a banca de avaliação, constituída pelos(as) autores(as) do texto, construiu meios para manter uma postura anti-racista dentro de um sistema estruturalmente racista. O ensaio toma as perspectivas dos Estudos da Performance e da Exunêutica, para descrever as performances dos(as) candidatos(as) e as práticas em danças afro-brasileiras, cuja lógica destoa profundamente das danças acadêmicas, assentadas em modelos racionalistas de sistematização e difusão. Dentre esses princípios, identificou-se que a conexão com a ancestralidade é um dos elementos basilares da perspectiva afrocentrada. A escrita explicita o concurso como encruzilhada, na qual a banca construiu uma conduta em que os papeis de etnógrafos(as) e avaliadores(as) se sobrepunham, na medida em que o exercício de escuta e de definição de critérios se teciam. O artigo conclui que este concurso constituiu-se numa situação exemplar em que os critérios acadêmicos precisaram ser readequados para acolher a epistemodiversidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Falkembach, Universidade Federal de Pelotas,(UFPel)`,Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, mariafalkembach@gmail.com

Maria Fonseca Falkembach é artista do corpo, professora do Curso de Dança – Licenciatura e da Pós-Graduação em Artes - Latu Sensu, da UFPel. Doutora em Educação pela UFRGS, com doutorado sanduíche na Exeter University, e mestre em Teatro pela UDESC. Integra os grupos de pesquisa CNPq: GETEPE Grupo de Estudos em Educação, Teatro e Performance (UFRGS) e OMEGA Observatório de Memória, Educação, Gesto e Arte (UFPel). Membro da Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas (ABRACE). É coordenadora do Projeto de Extensão e Pesquisa Tatá – Núcleo de Dança-Teatro, desde 2009, no qual atua como diretora, coreógrafa, educadora e pesquisadora. É autora de livros e artigos na área das artes da cena, em articulação com a educação. Interesse de pesquisa: dramaturgia do corpo, dança-teatro, transcriação, pedagogia das artes da cena, estudos labanianos, epistemologias não eurocêntricas.

Claudio Baptista Carle, Universidade Federal de Pelotas,(UFPel), Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, cbcarle@yahoo.com.br

Professor Associado da Universidade Federal de Pelotas. Doutor em História - Internacional em Arqueologia (convênio CNPq-PUCRS) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2005). Mestre em História - Área de Concentração em História Ibero-Americana, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1993). Graduado em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1989). Tem experiência na área de Arqueologia e Antropologia, com ênfase nos seguintes temas: imaginário, arqueologia, etno-arqueologia, história, educação, educação popular, missões, quilombos e charqueadas, grupos caçadores-coletores e horticultores.

Eloisa Leite Domenice, Universidade Federal do Sul da Bahia, (UFSB), Itabuna, Bahia, Brasil, domeniceloisa@gmail.com

Professora Associada do Centro de Formação em Artes e do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) em Porto Seguro. Artista da Dança, pesquisadora e docente das artes do corpo, graduada em Dança pela UNICAMP (Campinas, 1991), com Mestrado em Imunologia pela mesma instituição e Doutorado em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP (São Paulo, 2004). Docente Permanente no Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia (UFBA), de 2009 a 2013, e Colaboradora desde 2014 até o momento. Membro da Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas (ABRACE) e membro da Associação Nacional de Pesquisa em Dança (ANDA). Atualmente é investigadora visitante no CES Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, sob orientação do Prof. Boaventura de Sousa Santos, com o projeto Projeto Descolonizando o Corpo: corporalidades não eurocêntricas na formação superior em Dança no Brasil. Interesses na pesquisa: a formação em artes na universidade brasileira; corporalidades não-eurocêntricas na formação do artista da dança; processos cognitivos do corpo cênico; educação somática; sustentabilidade das culturas tradicionais.

Referências

ALMEIDA, Silvio. Racismo estrutural. São Paulo: Pólen livros, 2019.

ASSIS Jr., A. Dicionário Kibundo-Português: lingüístico, botânico, histórico e corográfico. Seguido de um índice alfabético dos nomes próprios. (2 vol), Luanda: Ed. Argente, Santos e Cia Ltda., s.d.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

CONCEIÇÃO, Thiago Pirajira. Forjas Pedagógicas: rupturas e reinvenções nas corporeidades negras em um bloco de carnaval. Porto Alegre: Pós Graduação em Educação/ Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2019. (Dissertação em Educação).

DESMOND, Jane. Meaning in motion: new cultural studies of dance. Duke University Press, 1997.

DURAND, Gilbert. A imaginação simbólica. São Paulo: Cultrix, Ed.USP, 1988.

DURAND. Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário: introdução à arquetipologia. tradução Hélder Godinho. 4ª ed., São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.

FANON. Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

LIGIÉRO, Zeca. O conceito de “motrizes culturais” aplicado às práticas performativas afro-brasileiras. Revista PÓS ciências sociais, São Luis, Universidade Federal do Maranhão, v. 8, n. 16, 2011, p.129-144. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/rpcsoc/article/view/695/433. Acesso em 4 set. 2021.

MARTINS, Leda Maria. Performances da oralitura: corpo, lugar da memória. Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras, Santa Maria, Universidade Federal de Santa Maria, n. 26, 2003a. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/letras/article/view/11881. Acesso em 4 set. 2021.

MARTINS, Leda Maria. Performances of spiral time. Hemispheric Institute of Performance and Politics, 2003b. Disponível em: http://www.hemisphericinstitute.org/eng/seminar/usa/text/leda_paper.html. Acesso em 10 set. 2021.

MONTEIRO, Marianna F. M.. Dança Afro: uma dança moderna brasileira. Húmus, São Luis, Universidade Federal do Maranhão, v. 4, p. 51-59, 2003.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. 3.ed. São Paulo: Perspectiva, 2016.

NASCIMENTO, Elisa Larkin (org). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. (Sankofa 4. Matrizes africanas na cultura brasileira). São Paulo: Selo Negro, 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Decreto no 847: promulga o Código Penal. Rio de Janeiro: Casa Civil, 1890, s.p. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1851-1899/d847.htm. Acesso em 1 out. 2021.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Decreto-lei no 3.688: Leis das Contravenções Penais. Rio de Janeiro: Casa Civil, 1941, s.p. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del3688.htm. Acesso em 1 out. 2021.

ROBINSON, Danielle and DOMENICI, Eloisa. From inclusion to integration: intercultural dialogue and contemporary university dance education. Research in Dance Education, Taylor & Francis, v. 11, n. 3, 2010. p. 213-221.

SANTOS, Boaventura de S.. O fim do império cognitivo. Coimbra: Almedina, 2018.

SANTOS JR., Renato Nogueira dos. Afrocentricidade e educação: os princípios gerais para um currículo afrocentrado. Revista Africa e africanidades. Ano 3, n 11, nov. 2010. Disponível em https://africaeafricanidades.online/documentos/01112010_02.pdf. Acesso em 01 set. 2021.

SCHECHNER, Richard. Performance Theory. London and New York: Routledge, 2003.

SCHECHNER, Richard. Restauración de la conducta. In: TAYLOR, Diana; FUENTES, Marcela. Estudios avanzados de performance. México: FCE, Instituto Hemisférico de Performance y Politica, 2011. p. 31-49.

SILVA, Luciane da. Corpo em diáspora: colonialidade, pedagogia de dança e técnica Germaine Acogny. Tese (doutorado em Artes da Cena), Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2018.

SILVEIRA, Hendrix A.A. Exunêutica: construindo paradigmas para uma interpretação afro-religiosa. São Leopoldo, EST, (FACULDADES EST - Mestrado Acadêmico - Disciplina: Hermenêutica - Docente: Dr. Flávio Schmitt) 2º Semestre de 2012.

SODRÉ, Muniz. Pensar nagô. Petrópolis: Vozes, 2017.

Downloads

Publicado

2022-03-25

Como Citar

FALKEMBACH, M.; BAPTISTA CARLE, C.; LEITE DOMENICE, E. Epistemologias afrocentradas na academia: desafios de um concurso para docente em dança. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 7, n. 2, p. 313–352, 2022. DOI: 10.5216/ac.v7i2.70438. Disponível em: https://revistas.ufg.br/artce/article/view/70438. Acesso em: 27 nov. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático