Registros de deformação no bico de duas espécies de pica-paus no sul do Brasil

Autores

Palavras-chave:

anomalia, aves, bico, conservação, deformidade

Resumo

Deformidades em bicos de aves têm sido documentadas no Brasil ao longo dos últimos anos, com 35 espécies já tendo sido encontradas com estas condições no país. No presente estudo são apresentados os primeiros registros para o Brasil de deformidades em bicos de Piculus aurulentus e Dryocopus lineatus, além de informações sobre o comportamento de forrageio dessas aves no momento dos registros. P. aurulentus apresentou dificuldade para forragear, alterando seu comportamento de alimentação, devido ao elevado grau de alteração de seu bico. Já D. lineatus conseguiu forragear como o esperado para Picidae, mas uma com certa dificuldade em perfurar a madeira para capturar insetos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleiton José Geuster, Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC), Joaçaba, Santa Catarina, Brasil

Acadêmico de Ciências Biológicas - ênfase em Biotecnologia, na UNOESC - campus de Joaçaba, desenvolvendo pesquisas nas áreas de Ictiologia e Ornitologia.

Mario Arthur Favretto, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil

Graduação em Ciências Biológicas pela Universidade do Oeste de Santa Catarina - campus de Joaçaba (2010), especialização em Gestão Ambiental pela Universidade Católica Dom Bosco (2014) e mestrado em Ecologia e Conservação pela Universidade Federal do Paraná (2016). Tem experiência em pesquisas nas áreas de Interações Ecológicas Planta-Animal, Ornitologia, Entomologia, Herpetologia, Seleção de Habitat, identificação de Orquídeas e Bromélias. Autor e co-autor de livros e artigos nas grandes áreas de Zoologia e Botânica. Durante o trabalho de conclusão de curso de graduação realizou estudo das interações planta-animal, realizando a identificação de bromélias e beija-flores visitantes de suas flores, além da entomofauna presente nestes vegetais. Durante a especialização estudou a avifauna em diferentes fitofisionomias sob influência de um empreendimento hidrelétrico. No mestrado estudou a restrição de ocorrência e sazonalidade de duas espécies de aves, assim como a seleção de habitat destas espécies, por meio de estudos de fitossociológicos em suas áreas de ocorrência e não ocorrência. No ano de 2018 desenvolveu o conceito de ponto de equilíbrio ecológico de Bornschein-Reinert por meio de estudos de brejos salinos subtropicais, juntamente com seu respectivo índice de equilíbrio ecológico. Também é codescobridor e codescritor de duas espécies novas de ácaros parasitas de insetos. Possui ampla experiência na realização de levantamentos e inventários de fauna, realiza estas atividades desde sua iniciação científica, tendo auxiliado no licenciamento ambiental de loteamentos, usinas hidrelétricas e usinas eólicas. Entre 2012 e 2019 atuou na Vigilância Sanitária (chefe de setor de 2017 a 2019) da Prefeitura Municipal de Campos Novos (SC) realizando ações de educação e fiscalização de atividades relacionadas com a prestação de serviços ou comercialização de produtos que possam gerar riscos à saúde pública. Neste período também esteve envolvido em projetos de criação e regulamentação de leis de Vigilância Sanitária no referido município, além de ter participado de comissões de sindicância e processo administrativo disciplinar. Atualmente é Técnico de Laboratório / Biologia na Universidade Federal de Santa Catarina, campus de Florianópolis. No ano de 2021 deu início a publicação de uma série de livros sobre aves do Brasil, com o primeiro volume abordando as ordens Rheiformes a Psittaciformes, visando disponibilizar em livre acesso a maior quantidade possível de informações sobre esses animais.

Referências

Favretto, M. A. 2021. Aves do Brasil. vol. I: Rheiformes a Psittaciformes. Florianópolis, Ed. do Autor.

Gorosito, C. A., H. Gonda & V. R. Cueto. 2016. Beak deformities in North Patagonian birds. Ornitol. Neotrop. 27: 289-295.

Handel, C. M., L. M. Pajot, S. M. Matsuoka, C. V. Hemert, J. Terenzi, S. L. Talbot, D. M. Mulcahy, C. U. Meteyer & K. A. Trust. 2010. Epizootic of beak deformities among wild birds in Alaska: an emerging disease in North America? The Auk. 127(4): 882-898.

Handel, C. M. & C. V. Hemert. 2015. Environmental contaminants and chromosomal damage associated with beak deformities in a resident North American Passerine. Environ. Toxicol. Chem. 34(2): 314-327.

Moura, A. S., C. S. L. A. Olsen, L. L. A. Olsen, F. S. Machado, R. F. Mariano & M. A. L. Fontes. 2020. Registro de deformidade de bico em Melanerpes candidus, pica-pau-branco (Piciformes: Picidae). Atualidades Ornitológicas. 215: 30.

Purificação, K. N. 2019. A case of beak deformity in the Shiny Cowbird, Molothrus bonariensis and a review on beak deformities in wild birds in Brazil. Rev. Bras. Ornitol. 27(3): 212-217.

Sick, H. 1997. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro, Nova Fronteira.

Sigrist, T. 2006. Aves do Brasil: uma visão artística. São Paulo, Avis Brasilis.

Souza, T. O., L. F. Silva & C. R. Silva. 2016. Novos registos sobre deformidades de bicos em aves brasileiras. Atualidades Ornitológicas 192: 50-56.

Tattersal, G. J., B. Arnaout & M. R. E. Symonds. 2017. The evolution of the avian bill as a thermoregulatory organ. Biol Rev. 92(3): 1630-1656.

Verea, C., J. M. Verea & C. Sainz-Borgo. 2012. Nuevos registros de deformidadenel pico para el Azulejo de Jardín Thraupis episcopus y otras cuatro aves venezolanas. Rev. Venez. Ornitol. 2: 38-43.

Vitorino, B. D. & T. O. Souza. 2013. Comportamento reprodutivo de um indivíduo de Patagioenas picazuro (Columbidae) com deformidade no bico. Atualidades Ornitológicas. 175: 22.

Downloads

Publicado

30-11-2021

Como Citar

GEUSTER, C. J.; FAVRETTO, M. A. Registros de deformação no bico de duas espécies de pica-paus no sul do Brasil. Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology, Goiânia, v. 18, n. 2, p. 90­–93, 2021. Disponível em: https://revistas.ufg.br/RBN/article/view/70058. Acesso em: 21 fev. 2024.