Maturação de frutos e sementes de inhaíba (Lecythis lurida - Lecythidaceae)

Palavras-chave: morfologia, composição química, germinação, maturidade fisiológica

Resumo

As espécies nativas carecem de informações sobre a maturação de seus frutos e sementes. Objetivou-se avaliar a maturação de frutos e sementes de inhaíba (Lecythis lurida). Fez-se a marcação de flores em antese e a posterior colheita de frutos e sementes após 1, 2, 3, 4 e 5 meses, quando foram analisados e feita a descrição morfológica. Aos 4 meses de idade, os frutos de semiglobosos passaram a ter o formato cilíndrico-comprimidos. As sementes apresentaram um arilo vestigial, além do tegumento inicialmente de cor bege e que tornou-se marrom a partir do terceiro mês. O embrião branco manteve-se envolto pelo endosperma e não apresentou diferenciação morfológica. O máximo desenvolvimento morfológico das sementes ocorreu aos 4 meses, quando apresentaram as maiores dimensões (50,9 x 50,8 x 43,3 mm), as máximas germinação (84,8%) e massa seca (32 g), a menor mortalidade das sementes (19%), caracterizando a maturidade fisiológica e o momento de colheita. Nesse momento, os teores de N P K eram menores que 5% e o amido tornou-se o componente predominante nas reservas (47,8% da massa seca). As sementes maduras representam mais de 50% da massa dos frutos e apresentam dormência embrionária e resistência tegumentar que atrasam a emergência das plântulas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edson Ferreira Duarte, Universidade Federal de Goiás, Instituto de Ciências Biológicas, Departamento de Botânica, Goiânia, GO

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho(1997), mestrado em Ciências Biológicas (Botânica) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho(2001) e doutorado em Agronomia pela Universidade Federal de Goiás(2007). Atualmente é Professor Adjunto da Universidade Federal de Goiás, Revisor de periódico da Magistra, Revisor de periódico da Pesquisa Agropecuária Tropical (UFG), Revisor de periódico da Semina. Ciências Agrárias (Online), Participação em projetos de pesquisa da Agência Goiana de Desenvolvimento Rural e Fundiário, Revisor de periódico da Rodriguésia (Impresso), Revisor de periódico da Ciência Florestal (UFSM. Impresso), Revisor de periódico da Iheringia. Série Botânica, Revisor de periódico da Journal of Seed Science (0101-3122), Revisor de periódico da Scientia Agraria Paranaensis e Membro de corpo editorial da Revista de Biologia Neotropical. Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Fisiologia Vegetal. Atuando principalmente nos seguintes temas:Bromeliaceae, Fenologia, Propagação, sementes, Cultivo.

Daiane Sampaio Almeida, Universidade Estadual de Feira de Santana

Doutora e Mestre em Recursos Genéticos Vegetais (CNPq), com ênfase em Conservação Vegetal, pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) e Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). MBA em Gestão de Projetos (UNIJORGE), Especialista em Gestão Ambiental (FACTAE), Graduada em Engenharia Florestal pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Engenheira perita e Avaliadora. Revisora do Periódico Caatinga (Nacional). Experiência no servidorismo público (Secretaria Estadual de Meio Ambiente - SEMA/BA) e também em empresas privadas, atuando diretamente com conselho, legislação e licenciamento ambiental. Pesquisadora de Espécies Florestais Nativas, nas áreas de Produção de Mudas Nativas, Colheita Florestal, Tecnologia e Beneficiamento de Sementes Florestais, Melhoramento Genético, Fisiologia/Morfologia Vegetal e Geoprocessamento. Atualmente é INSPETORA EFETIVA DO CREA BAHIA, buscando o fortalecimento da valorização profissional dos Engenheiros da Bahia e CEO da TREVO SOLUÇÕES EM ENGENHARIA, IMÓVEIS E MEIO AMBIENTE, onde atua como Gestora de Projetos e Meio Ambiente na Bahia e em Sergipe.

Jaylson Araujo dos Santos, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Centro de Ciências Agrarias Ambientais e Biológicas

Membro do Grupo de Trabalho da Salvaguarda da Capoeira nos Territórios Portal do Sertão, Recôncavo e Sisal, instância integrante do Conselho Gestor da Salvaguarda da Capoeira da Bahia, e Membro do Pleno do mesmo Conselho; possui Pós-Graduação em Saúde Coletiva com Ênfase em Sanitarismo; Licenciatura em Educação Física; Engenheiro Agrônomo.

Carlos Henrique Barbosa Santos, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal, Departamento de Produção Vegetal

Possui graduação em Agronomia (2011) e mestrado em Ciências Agrárias (2013) pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia e doutorado em Agronomia (Produção Vegetal) (2017) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP/FCAV Campus de Jaboticabal. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Fruticultura, atuando principalmente nos seguintes temas: produção de mudas, propagação e enxertia, melhoramento de plantas frutíferas, microbiologia e bioquímica do solo.

André Dias de Azevedo Neto, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Possui Doutorado em Bioquímica pela Universidade Federal do Ceará (2005). Atualmente é Professor Associado da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Ministra Bioquímica Geral, Bioquímica Metabólica e Metodologia da Pesquisa Científica na Graduação e na Pós-Graduação. É revisor de diversas revistas nacionais (Acta Botânica Brasílica, Bragantia, Brazilian Journal of Plant Physiology, PAB e Revista Árvore) e estrangeiras (Acta Physiologiae Plantarum, Annals of Applied Biology, International Journal of Environmental Analytical Chemistry, Pedosphere, Scientia Horticulturae). Publicou vários artigos originais e capítulos de livros. Atualmente seu interesse na pesquisa se concentra em esclarecer mecanismos fisiológicos e bioquímicos relacionados à tolerância das plantas aos estresses ambientais.

Claudineia Regina Pelacani Cruz, Universidade Estadual de Feira de Santana, Departamento de Ciências Biológica

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Maringá (1988), mestrado em Agronomia (Fisiologia Vegetal) pela Universidade Federal de Lavras (1992) e doutorado em Ciências Agrárias (Fisiologia Vegetal) pela Universidade Federal de Viçosa (2001). Atualmente é professora nível pleno da Universidade Estadual de Feira de Santana. Na docência atua nas disciplinas de Fisiologia Vegetal e Tecnologia de Sementes no cursos de Ciências Biológicas e Agronomia, respectivamente. Na pesquisa esta envolvida com os seguintes temas: crescimento e produção de mudas, germinação e desenvolvimento pós-seminal, estresses abióticos na germinação de sementes nativas do semiárido. Orienta alunos de IC e trabalhos de conclusão de curso, dissertações de mestrado e Teses de Doutorado nos Programas de Pos Graduacao em Botanica e Recursos Geneticos Vegetais da UEFS. Atualmente é coordenadora do PPG-RGV.

Clovis Pereira Peixoto, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal da Bahia (1979), mestrado em Ciências Agrárias pela Universidade Federal da Bahia (1984), doutorado em Agronomia pela Universidade de São Paulo (1999) e pós doutorado pela Universidade de São Paulo. Atualmente é Professor Titular da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Consultor dos periódicos - SITIENTIBUS, Série Ciências biológicas, Revista da Universidade Estadual de Feira de Santana e Magistra, Revista da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Revista Coffe Science, vinculada a Universidade Federal de Lavras. Revisor das Revistas Agro@mbiente (on line) da Universidade Federal de Roraima, Biotemas da Universidade Federal de Santa Catarina e Caatinga (on line) da Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Fisiologia de Plantas Cultivadas, atuando principalmente nos seguintes temas: crescimento, desenvolvimento, fruticultura, plantas oleaginosas e rendimento de culturas.

Referências

Aguiar, F. F. A., M. M. Pinto, A. R. Tavares & S. Kanashiro. 2007. Maturação de frutos de Caesalpinia echinata Lam., pau-brasil. Rev. Árv. 31: 1-6.

Aguiar, I. B. & F. J. P. Barciela. 1986. Maturação de sementes de cabreúva. Rev. Bras. Sem. 8(3): 63-71.

Aguiar, W. M. & M. C. Gaglianone. 2008. Comportamento de abelhas visitantes florais de Lecythis lurida (Lecythidaceae) no norte do estado do Rio de Janeiro. Rev. Bras. Ent. 52: 277-282.

Alexandre R. S., A. Wagner Júnior, J. R. S. Negreiros & C. R. Bruckner. 2006. Estádio de maturação dos frutos e substratos na germinação de sementes e desenvolvimento inicial de plântulas de jabuticabeira. Rev. Bras. Agrobioc. 12(2): 227-230.

Alves, E. U., R. Sader, R. L. A. Bruno & A. U. Alves. 2005. Maturação fisiológica de sementes de sabiá. Rev. Bras. Sem. 27(1): 1-8.

Antunes, L. E. C., L. Picolotto, G. K. Vignolo & M. A. Gonçalves. 2012. Influência do substrato, tamanho de sementes e maturação de frutos na formação de mudas de pitangueira. Rev. Bras. Frut. 34(4): 1216-1223.

Ávila, A. L., M. S. Argenta, M. F. B. Muniz, I. Poleto & E. Blume. 2009. Maturação fisiológica e coleta de sementes de Eugenia uniflora L. (pitanga), Santa Maria, RS. Ci. Flor. 19(1): 61-68.

Barbosa, J. M., M. A. Rodrigues, J. M. Piliackas, I. B. Aguiar & N. A. Santos Júnior. 2007. Índice de maturação de sementes de Copaifera langsdorffii Desf. Rev. Bras. Bioc. 5: 786-788.

Barroso, G. M., M. P. Morim, A. L. Peixoto & C. L. F. Ichaso. 1999. Frutos e sementes: morfologia aplicada à sistemática de dicotiledôneas. Viçosa, UFV.

Baskin, C. C. & J. M. Baskin. 2014. Seed: Ecology, biogeography, and evolution of dormancy and germination. San Diego, Academic Press.

Baudet, L. & F. A. Villela. 2006. Armazenamento de sementes. pp. 427-472. In: Peske, S. T., O. A. Lucca Filho & A. C. S. A. Barros. (Eds.). Sementes: fundamentos científicos e tecnológicos. Pelotas, Editora e Gráfica Universitária.

Blackman, S. A., R. L. Obendorf & A. C. Leopold. 1992. Maturation proteins and sugars in desiccation tolerance of developing soybean seeds. Pl. Phys. 100: 225-230.

Borges, E. E. L. & C. G. Borges. 1979. Germinação de sementes de Copaifera langsdorffii Desf. provenientes de frutos com diferentes graus de maturação. Rev. Bras. Sem. 1: 45-47.

Borges, E. E. L., R. C. G. Borges & F. F. F. Teles. 1980. Avaliação da maturação e dormência de sementes de orelha de negro. Rev. Bras. Sem. 2: 29-32.

Borges, I. F., C. J. Barbedo, A. A. Richter & R. C. L. Figueiredo-Ribeiro. 2006. Variations in sugars and cyclitols during development and maturation of seeds of brazilwood (Caesalpinia echinata Lam., Leguminosae). Braz. J. of Pl. Phys. 18: 475-482.

Borges, I. F., J. D. Giudice Neto, D. A. C. Bilia, R. C. L. Figueiredo-Ribeiro & C. J. Barbedo. 2005. Maturation of seeds of Caesalpinia echinata Lam. (Brazilwood), an endangered leguminous tree from the Brazilian Atlantic Forest. Braz. Arch. of Biol. and Tech. 48: 851-861.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 2009a. Glossário ilustrado de morfologia. Brasília, MAPA/ACS.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 2009b. Regras para análise de sementes. Brasília, MAPA/ACS.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente, 2017. Planaveg: Plano Nacional de Recuperação da Vegetação Nativa. Brasília, MMA.

Camargo, J. L. C., I. D. K. Ferraz, M. R. Mesquita, B. A. Santos & H. D. Brum. 2008. Guia de propágulos e plântulas da Amazônia. v. 1, INPA, Manaus.

Carvalho, N. M. & J. Nakagawa. 2012. Sementes: ciência, tecnologia e produção. FUNEP, Jaboticabal.

Castro, R. D., K. Bradford & H. W. M. Hilhorst. 2004. Desenvolvimento das sementes e conteúdo de água. pp. 51-67. In: Ferreira, A. G. & F. Borghetti (Orgs.). Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed.

Chenevard, D., J. S. Frossard & A. Lacointe. 1994. Lipid utilization and carbohydrate partitioning during germination of English walnut (Juglans regia). An. of For. Sc. 51(4): 373-379.

Corner, E. J. H. 1976. The seeds of dicotyledons. v. 1. University Press, Cambrige.

Corvello, W. B. V., F. A. Vilella, J. L. Nedel & S. T. Peske. 1999. Maturação fisiológica de sementes de Cedro (Cedrella fissilis Vell.). Rev. Bras. Sem. 21(2): 23-27.

Cruz, E. D. & J. E. U. Carvalho. 2003. Biometria de frutos e germinação de sementes de Couratari stellata A. C. Smith (Lecythidaceae). Acta Amaz. 33: 381-388.

Dranski, J. A. L., A. S. Pinto Júnior, F. Steiner, T. Zoz, U. C. Malavasi, M. M. Malavasi & V. F. Guimarães. 2010. Physiological maturity of seeds and colorimetry of fruits of Jatropha curcas L. Rev. Bras. Sem. 32(4): 158-165.

Duarte, E. F., D. S. Almeida, L. Y. S. Aona & P. C. L. Carvalho. 2011. Morfologia dos diásporos, desenvolvimento pós-seminal e emergência de angelim (Andira anthelmia (Vell.) Benth. – Fabaceae). Magistra. 23: 1-10.

Duarte, E. F., L. S. Funch, R. F. C. Moreira & J. Nakagawa. 2016. Produção de sementes em espécies florestais. pp. 61-102. In: Recursos e estratégias para a restauração florestal: ações para o Recôncavo da Bahia. Cruz das Almas, EDUFRB.

Duarte, E. F. & L. Y. S. Aona. 2018. Sementes e propágulos: guia de identificação. Londrina, ABRATES.

Dubois, M., K. A. Gilles, J. K. Hamilton, P. A. Rebers & F. Smith. 1956. Colorimetric method for determination of sugars and related substances. Anal. Chem. 28(3): 350-356.

Ekpong, B. & S. Sukprakarn. 2006. Seed development and maturation of Eryngo (Eryngium foetidum L.). Kasetsart J. (Nat. Sci.). 40(1): 26-32.

Ferraz, I. D. K. & G. P. Calvi. 2011. Teste de germinação. In: Lima Junior, M. J. V. (Coord.). Manual de procedimentos de análise de sementes florestais. Londrina, ABRATES.

Fonseca, F. L., C. Menegario, E. S. Mori & J. Nakagawa. 2005. Maturidade fisiológica de sementes de ipê amarelo, Tabebeuia chrysotricha (Mart. Ex DC.) Standl. Sci. Flor. 69: 136-141.

Forzza, R. C., J. F. A. Baumgratz, C. E. M. Bicudo, D. A. L. Canhos, A. A. Carvalho Jr., A. Costa, D. Costa, M. Hopkins, P. M. Leitman, L. G. Lohmann, E. N. Lughardha, L. C. Maia, G. Martinelli, M. Menezes, M. P. Morim, M. A. N. Coelho, A. L. Peixoto, J. R. Pirani, J. Prado, L. P. Queiroz, S. Souza, V. C. Souza, J. R. Stelmann, L. S. Sylvestre, B. M. T. Walter & D. Zappi. 2010. Síntese da diversidade brasileira. pp. 21-42. In: Forzza, R. C. et al. Catálogo de plantas e fungos do Brasil. v. 1. Rio de Janeiro, Andrea Jakobson/Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Galvani, F. & E. Gaertner. 2006. Adequação da metodologia Kjeldahl para determinação de Nitrogênio Total e Proteína Bruta. Corumbá, Embrapa Pantanal, 9 p. (Circular Técnica, 63).

Gamboa-Gaitán, M. A. 1997. Biología reproductiva de Eschweilera bogotensis (Lecythidaceae), en la cordillera occidental de Colombia. Caldasia. 19: 479-485.

Gemanque, R. C. R., A. C. Davide & J. M. R. Faria. 2002. Indicadores de maturidade fisiológica de sementes de ipê-roxo (Tabebuia impetigionosa (Mart.) Standl.). Cerne. 8(2): 84-91.

Greene, D. F. & E. A. Johnson. 1994. Estimating the mean annual seed production of trees. Ecology. 75: 642-647.

Guimarães, D. M. & J. M. Barbosa. 2007. Coloração dos frutos como índice de maturação para sementes de Machaerium brasiliense Vogel (Leguminosae – Fabaceae). Rev. Bras. de Bioc. 5: 567-569.

Grzybowski, C. R. S., R. C. Silva, E. S. N. Viera & M. Pacobiano. 2016. Maturation and germination of Vernonanthura discolor seeds. Ci. e Agrotec. 40(2): 164-172.

Haugaasen, J. M. T., T. Haugaasen, C. A. Peres, R. Grigel & P. Wegge. 2010. Seed dispersal of the Brazil nut tree (Bertholletia excelsa) by sactter-hoardin rodents in a central Amazonian forest. J. of Trop. Ecol. 26: 251-262.

Haugaasen, J. M. T., T. Haugaasen, C. A. Peres, R. Gribel & P. Wegge. 2012. Fruit removal and natural seed dispersal of the Brazil Nut tree (Bertholletia excelsa) in central Amazonia, Brazil. Biotropica. 44: 205-210.

Hirano, E. & E. Possamai. 2008. Estádio de maturação do fruto e germinação de sementes de três espécies de Lauraceae. Sci. Agraria. 9(2): 219-223.

Hodge, J. E. & B. R. Hofreiter. 1962. Determination of reducing sugar and carbohydrates. pp. 380-394. In: Wistler, R. L. & M. L. Wolfram. (Eds.). Methods in carbohydrates chemistry. New York, Academic Press.

Hong, T. D., A. Gedebo & R. H. Ellis. 2000. Acculation of sugars during the onset and development of desiccation tolerance in immatures seeds of Norway maple (Acer platanoides L.) stored moist. Seed Sci. Res. 10: 147-152.

IAL. Instituto Adolfo Lutz. 2008. Métodos físico-químicos análise de alimentos. 4 ed. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz.

Jalonen, R., M. Valette, D. Boshier, J. Duminil & E. Thomas. 2017. Forest and landscape restoration severely constrained by a lack of attention to the quantity and quality of tree seed: insights from a global survey. Conserv. Letters. 11: 1-9.

Jandel Scientific. 1991. Table curve: curve fitting software. Corte Madera, Jandel Scientific.

Jones Jr. J. B. 2001. Laboratory guide for conducting soil tests and plant analysis. Boca Raton, CRC Press.

Judd, W. S., C. S. Campbell, E. A. Kellogg, P. F. Stevens & M. J. Donoghue. 2009. Sistemática Vegetal: um enfoque filogenético. Porto Alegre, Artmed.

Lamarca, E. V., M. B. P. Camargo, S. P. Teixeira, E. A. A. Silva, J. M. R. Faria & C. J. Barbedo. 2016. Variations in desiccation tolerance in seeds of Eugenia pyriformis: dispersal at different stages of maturation. Rev. Ci. Agron. 47(1): 118-126.

Lima, C. R., R. L. A. Bruno, K. R. G. Silva, M. V. Pacheco, E. U. Alves & A. P. Andrade. 2012. Physiological maturity of fruits and seed of Poincianella pyramidalis (Tul.) L. P. Queiroz. Rev. Bras. Sem. 34(2): 231-240.

Lima, R. V., J. C. Lopes & R. M. S. A. Meira. 2013. Histological characterization of annatto seed coat and variations of boxing drift during physiological maturation. Nat. Prod. An Indian J. 9(9): 355-362.

Leishman, M. R., I. J. Wright, A. T. Moles & M. Westoby. 2000. The evolutionary ecology of seed size. pp. 31-57. In: Fenner, M. (Ed.). Seeds: the ecology of regeneration in plant communities. Wallingford, CABI Publishing.

Lopes, J. C., P. C. Dias & M. D. Pereira. 2005. Maturação fisiológica de sementes de quaresmeira. Pesq. Agropec. Bras. 40: 811-816.

Lopes, J. C. & A. S. Soares. 2006. Estudo da maturação de sementes de Carvalho Vermelho (Miconia cinnamomidolia (DC.) Naud.). Ci. e Agrotec. 30(4): 623-628.

Lopes, J. C., M. T. Matheus, N. B. Corrêa, D. P. Silva. 2008. Germinação de sementes de Embiruçu (Pseudobombax grandiflorum (Cav.) A. Robyns) em diferentes estádios de maturação e substratos. Floresta. 38(2): 331-337.

Lorenzi, H. 2002. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas no Brasil. v. 1. 4. ed. Nova Odessa, Instituto Plantarum.

Mantovani, L. A., P. C. Morellato & M. S. Reis. 2004. Fenologia reprodutiva e produção de sementes em Araucaria angustifolia (Bert.) O. Kuntze. Rev. Bras. Bot. 27: 787-796.

Marcos Filho, J. 2005. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba, Fealq.

Marques, M. R., M. B. Albuquerque & J. Xavier-Filho. 1992. Antimicrobial and insecticidal activities of cashew tree gum exudate. An. of Appl. Bot. 121: 371-377.

Mata, M. F., K. B. Silva, R. L. A. Bruno, L. P. Felix, S. Medeiros Filho & E. U. Alves. 2013. Maturação fisiológica de sementes de ingazeiro (Inga striata) Benth. Semina: Ci Agrár. 34(2): 549-566.

Martins, S. V. & D. D. Silva. 1997. Maturação e época de colheita de sementes de Dalbergia nigra (Vell.) Fr.All. ex Benth. Rev. Bras. Sem. 19(1): 96-99.

Mori, S. A., C. H. Tsou, C. C. Wu, B. Cronholm & A. A. Anderberg. 2007. Evolution of Lecythidaceae with an emphasis on the circumscription of neotropical genera: information from combined ndhF and trnL-F sequence data. Am. J. of Bot. 94: 289-301.

Miller, G. L. 1959. Use of dinitrosalycilic acid reagent for the determination of reducing sugars. Anal. Chem. 31(3): 426-428.

Murata, T. & T. Akazawa. 1968. Enzymic mechanism of starch syntesis in sweet potato roots: I. Requirement of potassium ions for Starch Sythetase. Arch. of Bioch. and Biophys. 126: 873-879.

Newton, A. C. 2007. Forest ecology and conservation: a handbook of techniques. New York, Oxford University Press.

Nogueira, N. W., M. C. C. Ribeiro, R. M. O. Freitas, H. V. G. Martins & C. C. P. Leal. 2013. Maturação fisiológica e dormência em sementes de sabiá (Mimosa caesalpiniifolia Benth.). Biosc. J. 29(4): 876-833.

Norden, N., M. I. Daws, C. Antoine, M. A. Gonzalez, N. C. Garwood & J. Chave. 2009. The relationship between seed mass and mean time to germination for 1037 tree species across five tropical forests. Funct. Ecol. 23: 203-210.

Oro, P., D. G. Schulz, C. R. Volkweis, K. B. Bandeira, U. C. Malavasi & M. M. Malavasi. 2012. Maturação fisiológica de sementes de Eugenia pyriformis Cambess e Eugenia involucrata DC. Biotemas. 25: 11-18.

Pereira, T. S. & W. Mantovani. 2001. Maturação e dispersão de Miconia cinnamomifolia (DC.) Naud. na Reserva Biológica de Poço das Antas, Município de Jardim, RJ, Brasil. Acta Bot. Bras. 15: 335-348.

Piña-Rodrigues, F. C. M., J. M. Freire, S. G. Rolim, R. M. Jesus & M. C. Grimaldi. 2014. Maturação e dormência de sementes florestais nativas para a restauração: 20 anos de experiência na Reserva Natural Vale, Linhares, Espirito Santo. Ci. & Amb. 49: 131-152.

Poelking, E. L., P. A. S. Medauar & E. F. Duarte. 2016. Mapeamento dos remanescentes florestais na região do Recôncavo da Bahia. pp. 3-19. In: Recursos e estratégias para a restauração florestal: ações para o Recôncavo da Bahia. Cruz das Almas, EDUFRB.

Ruiz, J., D. H. Boucher, L. F. Chaves, C. Ingram-Flóres, D. Guillén, R. Tórrez & O. Martínez. 2010. Ecological consequences of primary and secondary seed dispersal of seeds and seedling fate of Dipterix oleifera (Fabaceae). Rev. de Biol. Trop. 58: 991-1007.

Santana, D. G., V. J. Pereira, A. N. Salomão, A. P. Wielewichi & G. B. Maag. 2012. Validação de métodos para teste de germinação de sementes de 50 espécies florestais brasileiras. Informativo ABRATES, 22: 44-47.

Santana, D. G. & M. A. Ranal. 2004. Análise da germinação: um enfoque estatístico. Brasília, Editora da Universidade de Brasília.

Smith, N. P., S. A. Mori & G. T. Prance. 2014. Lecythidaceae. Lista de Espécies da Flora do Brasil. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB8560>. Acesso em 05 jun. 2014.

Simão, E., A. T. Nakamura & M. Takaki. 2007. Época de colheita e capacidade germinativa de sementes de Tibouchina mutabilis (Vell.) Cogn. (Melastomataceae). Biota Neotrop. 7(1): 67-73.

Silva, P. C. C., E. U. Alves, L. R. Araújo, J. O. Cruz & N. C. C. Silva. 2019. Physiological maturation in seeds of Lophantera lactescens Ducke. Rev. Ci. Agron. 50(2): 312-320.

Souza, A. L., J. L. Lopes-Losano, P. C. S. Angelo, J. N. Souza-Neto, I. B. Cordeiro, S. Astolfi-Filho & E. V. Andrade. 2017. A proteomic approach to guarana seed and pericarp maturation. Gen. and Molec. Res. 16(3): 1-20.

Taiz, L., E. Zeiger, I. Moller & A. Murphy. 2017. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6 ed. Porto Alegre, Artmed.

Teixeira, F. P., J. M. R. Faria, W. V. S. Pereira & A. C. José. 2018. Maturation and desiccation tolerance in seeds of Sesbania virgata (Cav.) Pers. FLORAM. 25(4): e20160419.

Tsou, C. H. & S. A. Mori. 2002. Seed coat anatomy and its relationship to seed dispersal in subfamily Lecythidoideae of the Lecythidaceae (The Brazil Nut Family). Bot. Bul. of Acad. Sínica. 43: 37-56.

Weatherburn, M. W. 1967. Phenol-hypochlorite reaction for determination of ammonia. Anal. Chem. 39(8): 971-974.

Yemm, E. W. & E. C. Cocking. 1955. The determination of amino acids with ninhydrin. Analyst. 80: 209-213.

Van der Pijl, L. 1972. Principles of dispersal in higher plants. Berlin, Springer-Verlag.

Vilela, F. S., K. M. Flesher & M. Ramalho. 2012. Dispersal and predation of Eschweilera ovata seeds in the Atlantic Forest of Southern Bahia, Brazil. J. of Trop. Ecol. 28: 223-226.

Publicado
09-04-2020
Como Citar
Duarte, E. F., Almeida, D. S., Santos, J. A. dos, Santos, C. H. B., Azevedo Neto, A. D. de, Cruz, C. R. P., & Peixoto, C. P. (2020). Maturação de frutos e sementes de inhaíba (Lecythis lurida - Lecythidaceae). Revista De Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology, 17(1), 15-34. https://doi.org/10.5216/rbn.v17i1.57700
Seção
Artigos