Competição, facilitação ou teoria neutra? Um estufo das interações e de sua importância na estrutura de uma comunidade vegetal em regeneração

Autores

  • Rodrigo Assis Carvalho Faculdade Araguaia
  • Marcus Vinícius Carneiro Vital Universidade Federal de Viçosa
  • Diogo Andrade Costa Universidade Estadual do Mato Grosso
  • Leo Caetano Fernandes Silva IBAMA/GO
  • Ludgero Cardoso Galli Vieira Universidade Federal de Goiás
  • Allan Valle Toledo Silveira Faculdade Araguaia
  • Guilherme Ferreira Lima Filho Faculdade Araguaia

DOI:

https://doi.org/10.5216/rbn.v4i2.5211

Palavras-chave:

Competição, comunidades vegetais, facilitação, Teoria Neutra

Resumo

Atualmente, a maioria dos ecólogos vem trabalhando apenas com base na importância das interações “negativas” para a comunidade, como predação e competição. Entretanto, a inclusão da facilitação nos atuais modelos ecológicos pode produzir resultados surpreendentes, tendo sido o objetivo deste trabalho investigar se algumas espécies vegetais desenvolvem ação facilitadora ou competidora sobre outras. O estudo foi conduzido em uma área recentemente submetida à recuperação de sua mata ciliar. Sortearam-se 40 pontos nos quais havia sido feito o plantio de mudas com vista ao reflorestamento, ao redor dos quais foram avaliadas as espécies vegetais presentes e medido seu peso seco. Os resultados não demonstraram diferença entre os pontos em que as espécies replantadas vingaram e aqueles em que elas não vingaram, nem a presença de uma espécie indicadora na área. Embora não tenha sido possível distinguir o tipo de interação importante que está havendo nessa comunidade, deve-se apontar que sua estruturação pode ter ocorrido por influência de fatores estocásticos, como preconizado pela Teoria Neutra. Os dados obtidos podem indicar, ainda, que a comunidade em questão se encontra em estágios iniciais de sucessão, com maior presença de espécies r-selecionadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alonso, D., R. S. Etienne & A. J. McKane. 2006. The merits of neutral theory. Trends Ecol. Evol. 21: 451-457.

Begon, M., C. R. Townsend & J. L. Harper. 2006. Ecology: from individuals to ecosystems. 4th ed., Blackwell Publishing, Malden, 738 pp.

Bertness, M. D. & R. M. Callaway. 1994. Positive interactions in communities. Trends Ecol. Evol. 9: 187-191.

Bruno, J. F., J. J. Stachowicz & M. D. Bertness. 2003. Inclusion of facilitation into ecological theory. Trends Ecol. Evol. 18: 119-125.

Callaway, R. M. 1995. Positive interactions among plants. Bot. Rev. 61: 306-349. Callaway, R. M. & L. R. Walker. 1997. Competition and facilitation: a synthetic approach to interactions in plant communities. Ecol. 78: 1958-1965.

Choler, P., R. Michalet & R. M. Callaway. 2001. Facilitation and competition on gradients in alpine plant communities. Ecol. 82: 3295-3308.

Dufrêne, M. & P. Legendre. 1997. Species assemblages and indicator species: the need for a flexible asymmetrical approach. Ecol. Monogr. 67: 345-366.

Goldberg, D. E., T. Rajaniemi, J. Gurevitch & A. Stewart-Oaten. 1999. Empirical approachs to quantifying interaction intensity: competition and facilitation along productivity gradients. Ecol. 80: 1118-1131.

Hubbell, S. P. 2001. The unified neutral theory of biodiversity and biogeography. 1st ed., Princeton University Press, Princeton, 375 pp.

Hutchinson, G. E. 1957. Concluding remarks. Cold Spring Harbor Symp. Quant. Biol. 22: 415-427.

Lorenzi, H. 2000. Plantas daninhas do Brasil: terrestres, aquáticas, parasitas e tóxicas. 3. ed., Instituto Plantarum de Estudos da Flora, Nova Odessa, 640 pp.

Pianka, E. R. 1970. On r- and K-selection. Am. Nat. 104: 592-597.

Putman, R. J. 1994. Community ecology. 1st. ed., Chapman & Hall, London, 173 pp.

Shouse, B. 2003. Conflict over cooperation. Sci. 299: 644-646.

Silveira, R. L., D. Brandão & D. A. Costa.

Estrutura da comunidade de plantas invasoras da área de floresta ciliar do rio Meia Ponte, em Goiânia. Anais do VI Congresso de Ecologia do Brasil, 2: 139- 140.

Wiegand, T., C. V. S. Gunatilleke, I. A. U. N. Gunatilleke & A. Huth. 2007. How individual species structure diversity in tropical forests. PNAS, 104: 19029-19033.

Downloads

Publicado

15-12-2008

Como Citar

CARVALHO, R. A.; VITAL, M. V. C.; COSTA, D. A.; SILVA, L. C. F.; VIEIRA, L. C. G.; SILVEIRA, A. V. T.; LIMA FILHO, G. F. Competição, facilitação ou teoria neutra? Um estufo das interações e de sua importância na estrutura de uma comunidade vegetal em regeneração. Revista de Biologia Neotropical / Journal of Neotropical Biology, Goiânia, v. 4, n. 2, p. 117–123, 2008. DOI: 10.5216/rbn.v4i2.5211. Disponível em: https://revistas.ufg.br/RBN/article/view/5211. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos