Caracterização da distocia em um rebanho de vacas da raça Holandesa no Brasil

Autores

Resumo

O objetivo deste estudo foi caracterizar os partos com leve ou severa dificuldade e diferenciá-los com base no desempenho produtivo e reprodutivo de vacas leiteiras. Os partos foram agrupados em partos sem assistência, partos com baixa assistência e partos com elevada assistência. O banco de dados original continha 1902 registro de partos que foram obtidos de uma grande fazenda comercial localizada no Sudeste do Brasil. A análise fatorial foi aplicada através do programa estatístico SAS® Studio 3.8 por meio de procedimento fatorial, considerando a categoria de análise multivariada. Os teores de gordura do leite (0,92– 0,79) e de sólidos totais (0,91–0,80) foram altamente correlacionados com o fator 1. Intervalo entre partos (0,87–0,68) e número de IA (inseminações artificiais) por concepção (0,87–0,71) apresentaram alta correlação com o fator 2. Produção de leite (0,84–0,76) e produção acumulada de leite (0,84–0,77) foram altamente correlacionados com o fator 3. Baseados nos resultados, é possível concluir que as três situações de parto foram caracterizadas por fatores independentes e bem definidos. Vacas que necessitaram de alta assistência ao parto apresentaram menor variância explicada pelo modelo para teores de gordura e sólidos totais do leite, intervalo entre partos e número de IA por concepção.
Palavras-chave: assistência ao parto; análise multivariada; manejo do parto; produção de leite

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2022-08-08

Como Citar

LOURENÇO, J. C.; OSSANI, P. C. .; VIERA SALLES, M. S.; ISTVAN BÁNKUTI , F. .; DE ALMEIDA , R. .; ROSSONI, D. F. .; CARDOZO DE OSORIO, J. A. .; DOS SANTOS, G. T. . Caracterização da distocia em um rebanho de vacas da raça Holandesa no Brasil . Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 23, n. 1, 2022. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/72508. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

MEDICINA VETERINÁRIA