Efeitos da privação alimentar de 48 horas na resposta de fase aguda em cavalos

Autores

Resumo

O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito da restrição alimentar na resposta de fase aguda em equinos. Vinte cavalos foram submetidos à restrição alimentar por 48 h enquanto outros 12 animais (controle) tiveram livre acesso à água e alimento. Os animais foram monitorados, examinados e amostras de sangue foram coletadas no início (0) do estudo e com 6, 12, 18, 24, 30, 36, 42 e 48 horas de restrição alimentar. Os dados foram submetidos à análise de variância bidirecional com medidas repetidas e a significância estatística foi P ≤ 0,05. Os cavalos toleraram a restrição alimentar sem complicações clínicas relevantes. A restrição alimentar induziu uma resposta de fase aguda caracterizada pela elevação das concentrações séricas de α2-macroglobulina (24-38 h), ceruloplasmina (36-48 h), α1-antitripsina (30-48 h), α1-glicoproteína ácida (42-48 h) e haptoglobina (42-48 h). A privação de nutrientes eleva os níveis de cortisol circulante, que atua no sistema imunológico inato o qual, então induz a resposta de fase aguda. Em conclusão, a restrição alimentar é um fator estressor físico para equinos, capaz de induzir uma reação proteica de fase aguda, caracterizada pelo aumento na produção de α2-macroglobulina, ceruloplasmina, α1-antitripsina, α1-glicoproteína ácida e haptoglobina.
Palavras-chave: Equinos; Restrição alimentar; Inflamação; Resposta imune; Proteína; Estresse.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2022-08-09

Como Citar

DI FILIPPO, P. A. .; RIBEIRO DUARTE, B.; PEIXOTO ALBERNAZ, A. .; ABREU DA FONSECA , L.; VIANA, I. S.; QUIRINO , C. R. . Efeitos da privação alimentar de 48 horas na resposta de fase aguda em cavalos. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 23, n. 1, 2022. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/72445. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

MEDICINA VETERINÁRIA