Digestibilidade e efeitos hematológicos da aflatoxina B1 em equinos

Autores

  • Auro Braga Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ, Instituto de Veterinária, Seropédica, Rio de Janeiro, Brasil, auro_vet@hotmail.com https://orcid.org/0000-0002-3863-301X
  • Fernando Queiroz de Almeida Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ, Instituto de Veterinária, Seropédica, Rio de Janeiro, Brasil, almeidafq@yahoo.com.br https://orcid.org/0000-0002-0418-2775
  • Vinicius Pimentel Silva Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ, Instituto de Veterinária, Seropédica, Rio de Janeiro, Brasil, pimentelzootec@gmail.com https://orcid.org/0000-0002-5424-2094
  • Kelly Moura Keller Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, kelly.medvet@gmail.com https://orcid.org/0000-0003-2882-512X
  • Marina Prado Maciel Exército Brasileiro, Escola de Sargentos das Armas - ESA, Três Corações, Minas Gerais, Brasil, marinapmaciel@yahoo.com.br https://orcid.org/0000-0002-9722-5112
  • Maria Izabel Vieira de Almeida Universidade Federal do Espírito Santo - UFES, Alegre, Espírito Santo, Brasil, almeidamiv@yahoo.com.br https://orcid.org/0000-0002-9292-8310
  • Carlos Alberto da Rocha Rosa Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ, Instituto de Veterinária, Seropédica, Rio de Janeiro, Brasil, shalako1953@gmail.com https://orcid.org/0000-0001-9549-4549

Resumo

Objetivou-se com essa pesquisa verificar o efeito das micotoxinas na digestão dos nutrientes e no perfil hematológico de equinos. Foram utilizados 12 equinos em delineamento experimental inteiramente casualizado, com três tratamentos e quatro repetições. Foram adicionadas 50 ou 100 µg kg-1 de AFB1, conforme o tratamento preconizado a uma dieta base contendo micotoxinas. O tratamento controle não conteve AFB1. O ensaio teve duração de 40 dias, sendo 12 dias de adaptação e 28 dias experimentação. Uma vez por semana foram coletadas amostras de sangue para avaliação hematológica e bioquímica.  Ao final da fase experimental, foi realizado um ensaio de digestão, pelo método de coleta parcial de fezes, utilizando-se o LIPE® como indicador. Verificou-se que a presença de aflatoxina na dieta influenciou as taxas de glóbulos brancos, especialmente os granulócitos, a atividade sérica da Creatina Quinase e da Fosfatase Alcalina (P<0.05), que apresentou maiores valores nos tratamentos com 50 e 100 µg kg-1 de AFB1. Não se verificou ação das micotoxinas, nos níveis empregados na digestibilidade dos nutrientes das dietas (P>0.05).

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Queiroz de Almeida, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ, Instituto de Veterinária, Seropédica, Rio de Janeiro, Brasil, almeidafq@yahoo.com.br

 

 

Vinicius Pimentel Silva, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ, Instituto de Veterinária, Seropédica, Rio de Janeiro, Brasil, pimentelzootec@gmail.com

 

 

Kelly Moura Keller, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, kelly.medvet@gmail.com

 

 

Marina Prado Maciel, Exército Brasileiro, Escola de Sargentos das Armas - ESA, Três Corações, Minas Gerais, Brasil, marinapmaciel@yahoo.com.br

 

 

Maria Izabel Vieira de Almeida, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES, Alegre, Espírito Santo, Brasil, almeidamiv@yahoo.com.br

 

 

 

Carlos Alberto da Rocha Rosa, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ, Instituto de Veterinária, Seropédica, Rio de Janeiro, Brasil, shalako1953@gmail.com

 

 

Publicado

20-01-2021

Como Citar

Braga, A. C., de Almeida, F. Q., Silva, V. P., Keller, K. M. ., Maciel, M. P., de Almeida, M. I. V., & da Rocha Rosa, C. A. (2021). Digestibilidade e efeitos hematológicos da aflatoxina B1 em equinos. Ciência Animal Brasileira, 22(1). Recuperado de https://revistas.ufg.br/vet/article/view/63385

Edição

Seção

MEDICINA VETERINÁRIA