ADIÇÃO DO PLASMA SEMINAL AO SÊMEN OVINO DESCONGELADO

Autores

  • Liana Vieira Rocha UENF
  • Angelo Burla Dias Universidade Estadual do Norte Fluminense
  • Célia Raquel Quirino

DOI:

https://doi.org/10.5216/cab.v12i2.3344

Palavras-chave:

Biotecnologia da Reprodução Animal

Resumo

A grande variabilidade na constituição do plasma seminal pode explicar as diferenças individuais nas respostas ao congelamento e na fertilidade após a inseminação artificial em ovinos. Esse trabalho teve como objetivo avaliar o efeito da adição de um pool de plasma seminal concentrado ao sêmen ovino após descongelamento. Os ejaculados de doze carneiros da raça Santa Inês foram coletados com vagina artificial, diluídos em tris/gema/glicerol e congelados em um congelador de sêmen e embriões. Após o descongelamento foi realizada a incubação dos espermatozóides com o plasma seminal concentrado (10x), durante 15 minutos. O sêmen foi submetido à análise bioquímica, avaliação computadorizada de suas características físicas, teste hiposmótico e teste de termo-resistência. A análise eletroforética do plasma seminal apontou diferenças individuais na constituição protéica das amostras, as quais foram amenizadas com o pool de plasma seminal. Amostras tratadas com o plasma seminal apresentaram redução da motilidade progressiva. Nas demais características seminais analisadas não houve diferença  (p<0,05) entre as amostras tratadas com o plasma seminal e as amostras controle. O pool de plasma seminal concentrado não melhorou as características seminais analisadas.

PALAVRAS-CHAVE: carneiros, congelamento, sêmen, eletroforese

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angelo Burla Dias, Universidade Estadual do Norte Fluminense

Professor de Embriologia e Biotecnicas Reprodutivas dos Animais Domésticos, do Laboratório de Reprodução e Melhoramento Genético Animal-UENF

Downloads

Publicado

2011-06-23

Como Citar

ROCHA, L. V.; DIAS, A. B.; QUIRINO, C. R. ADIÇÃO DO PLASMA SEMINAL AO SÊMEN OVINO DESCONGELADO. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 12, n. 2, p. 198–205, 2011. DOI: 10.5216/cab.v12i2.3344. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/3344. Acesso em: 30 maio. 2024.

Edição

Seção

Produção Animal