PERFIL HEMATOLÓGICO E BIOQUÍMICO DE OVINOS SUPLEMENTADOS COM SALINOMICINA SUBMETIDOS À ACIDOSE LÁCTICA RUMINAL

Autores

  • Aerlem Cynnara Vieira Doutoranda UFRPE
  • Adaucides Câmara Câmara UFERSA
  • José A. Bastos Afonso Clínica de Bovinos de Garanhuns - UFRPE
  • Carla Lopes Mendonça Clínica de Bovinos de Garanhuns - UFRPE

DOI:

https://doi.org/10.5216/cab.v13i2.17263

Palavras-chave:

distúrbio fermentativo, ionóforos, bioquímica clínica, pequenos ruminantes

Resumo

Utilizaram-se 12 ovinos distribuídos nos grupos controle (GC) e no salinomicina (GS) com objetivo de estudar alterações clínicas, hematológicas e bioquímicas nos ovinos suplementados com o ionóforo e avaliar seu efeito na prevenção da acidose ruminal experimental. Induziu-se acidose ruminal com sacarose e as variáveis foram analisadas 4h, 8h, 12h, 16h, 24h, 32h e 48h pós-indução (PI). Determinaram-se as enzimas AST, GGT, FA, CK, as proteínas totais séricas (PT), albumina, ureia, creatinina, hemograma, proteína plasmática total (PPT), fibrinogênio (FP), glicose e L-lactato. Manifestações clínicas de acidose láctica ruminal e os menores valores de pH foram observadas 8h PI, com (P<0,05) no GS comparado ao momento 0h. Os neutrófilos apresentaram maiores contagens (P<0,05) no GC 4h PI comparado ao GS. O FP alcançou maiores valores (P<0,05) no GC 48h PI comparado ao GS. A uréia diminuiu (P<0,05) em ambos os grupos 12h PI. A glicose aumentou (P<0,05) no GC comparado ao momento 0h. Houve queda (P<0,05) do pH urinário no momento 12h até 48h PI, em relação ao momento 0h no GC, enquanto no GS apenas os momentos 12h e 16h PI apresentaram diminuição (P<0,05). A salinomicina não preveniu a acidose; no entanto, favoreceu o restabelecimento dos animais tratados.

PALAVRAS-CHAVE: Bioquímica clínica; distúrbio fermentativo; ionóforos; pequenos ruminantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adaucides Câmara Câmara, UFERSA

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal Rural do Semi Árido (2003) , especialização em Reprodução de Bovinos pela Universidade Federal Rural do Semi Árido (2006) e mestrado em Ciência Animal pela Universidade Federal Rural do Semi Árido (2008) .

José A. Bastos Afonso, Clínica de Bovinos de Garanhuns - UFRPE

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (1983), Mestrado em Medicina Veterinária pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (1991) e Doutorado em Medicina Veterinária pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1999). Atualmente é Médico Veterinário da Clínica de Bovinos, Campus Garanhuns da Universidade Federal Rural de Pernambuco. Tem experiência com ênfase em Clínica de Ruminantes, atuando principalmente na área de sanidade.

Carla Lopes Mendonça, Clínica de Bovinos de Garanhuns - UFRPE

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (1988), Mestrado em Medicina Veterinária pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (1991) e Doutorado em Medicina Veterinária pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1999). Atualmente é Médica Veterinária da Clínica de Bovinos, Campus Garanhuns/UFRPE. Tem experiência na área de Medicina Veterinária, com ênfase em Sanidade de Ruminantes, atuando principalmente nos seguintes temas: Med. Vet. preventiva, Clínica de Ruminantes, Diagnóstico Laboratorial - Patologia Clínica Veterinária.

Publicado

2012-06-27

Como Citar

VIEIRA, A. C.; CÂMARA, A. C.; BASTOS AFONSO, J. A.; MENDONÇA, C. L. PERFIL HEMATOLÓGICO E BIOQUÍMICO DE OVINOS SUPLEMENTADOS COM SALINOMICINA SUBMETIDOS À ACIDOSE LÁCTICA RUMINAL. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 13, n. 2, p. 259–271, 2012. DOI: 10.5216/cab.v13i2.17263. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/17263. Acesso em: 27 fev. 2024.

Edição

Seção

Medicina Veterinária