O pós-moderno e o caráter estético das performances nos “tribalismos” cotidianos

Autores

  • Luis Miguel Barudi de Matos UNIOESTE. PPG Sociedade, Cultura e Fronteiras
  • DAYANNE CAROLINNE DE SÁ ARTMANN MESTRANDA DO PPG EM SOCIEDADE, CULTURA E FRONTEIRAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ (UNIOESTE) https://orcid.org/

Palavras-chave:

Performance, Pós-moderno, Imaginário estético, Tribalismos

Resumo

Este artigo procura, a partir de uma visão mais ensaística do que rígida, investigar o termo “performance” como análogo ao “tribalismo” pós-moderno de caráter estético. Um pós-moderno que trans-forma (o além da forma) do então positivismo calcado, nos três últimos séculos, em um Projeto da Modernidade. Hoje, ao contrário, já assimilamos, confortavelmente, teorias oriundas de investigações do nosso inconsciente, lá atrás, e do imaginário nos anos 1960. Outro tema de viés pós-moderno são os aspectos formativos de uma vontade, principalmente com o Foucault. Ou, ainda, para corroborar com nossa tese, debruçamo-nos, também, nos hibridismos culturais, em Canclini, entre outros autores mencionados neste trabalho. Consideramos, a título de conclusão, que o performático se dá – em um mundo descontínuo – na paradoxal aglutinação dos indivíduos em torno dos “tribalismos” pós-modernos antes de caráter estético do que ideológico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAUDRILLARD, J. Simulacros e simulação. Lisboa: Relógio D´Água, 1991.

______. Tela total. Mito-ironias da era do virtual e da imagem. Porto Alegre: Sulina, 2002.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

CANCLINI, N. G. Consumidores y cuidadanos. Conflitctos multiculturales de la globalización. Miguel Hidalgo (México): Editorial Grijalbo, 1995.

______. Diferentes, desiguais e desconectados. Rio de Janeiro: UFRJ, 2015.

______. Culturas híbridas. Estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 1998.

CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano. 1. Artes de fazer. Petrópolis (RJ): Vozes, 2014.

COELHO, T. Modernopósmoderno. Modos&versões. São Paulo: Iluminuras, 1995.

COELHO, T. A cultura e seu contrário. Cultura, arte e política pós-2001. São

Paulo: Iluminuras; Itaú Cultural, 2008.

DURAND, G. A imaginação simbólica. São Paulo: Cultrix, 1988.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas. Uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 7ª ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

HABERMAS, J. Mudança estrutural da esfera pública. Investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

MAFFESOLI, M. O tempo das tribos. O declínio do individualismo nas sociedades de massa. 3ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

______. O tempo das tribos - O declínio do individualismo nas sociedades e massa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

MAFFESOLI, M. A contemplação do mundo. Porto Alegre: Artes & Ofícios, 1995.

MAFFESOLI, M. A conquista do presente. Rio de Janeiro: Rocco, 1984.

MAFFESOLI, M.

MAFFESOLI, M. Notas sobre a pós-modernidade: O lugar faz o elo. Rio de Janeiro: Atlântica, 2004.

MARTIN-BARBERO, J. Dos meios às mediações. Comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: UFRJ, 1997.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Lisboa, Instituto Piaget, 1991.

SIMMEL, G. Questões fundamentais da sociologia. Indivíduo e sociedade. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

VATTIMO, G. Adeus à verdade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2016.

Downloads

Publicado

2021-12-29

Como Citar

BARUDI DE MATOS, L. M.; CAROLINNE DE SÁ ARTMANN, D. O pós-moderno e o caráter estético das performances nos “tribalismos” cotidianos. Revista Terceiro Incluído, Goiânia, v. 11, n. 1, 2021. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teri/article/view/71142. Acesso em: 28 jan. 2023.

Edição

Seção

ARTIGOS