A escola indígena é diferenciada?

Análise da Escola Estadual Indígena Guarani Gwyra Pepo

Autores

  • Amanda Aliende da Matta Universitat de Barcelona, Barcelona, Espanha. amandaa.matta@gmail.com

DOI:

https://doi.org/10.5216/teri.v11i1.67324

Palavras-chave:

Guarani, Escola indígena, Multiculturalismo

Resumo

A Escola Estadual Indígena Guarani Gwyra Pepo foi criada em 2003, em São Paulo. Em seu planejamento inicial havia a ideia de promover o desenvolvimento de projetos em diversas áreas, tendo a vida do índio como ponto central. Entretanto, devido à questões de formalização da escola com o Estado e à influência dos juruá, a escola foi adequada a um padrão estatal. Assim, este trabalho objetiva explorar a realidade escolar, verificando a possível existência de conceitos de multiculturalismo e se a educação indígena diferenciada é intercultural. O estudo deriva de uma pesquisa de campo de caráter etnográfico, com entrevistas semiestruturadas executadas entre 2017 e 2018. Verificou-se que na escola há uma combinação dos conceitos de multiculturalismo. A estrutura determinada pelo Estado são limitantes e, com isso, há resistência pelos Guarani para refletir sobre a realidade indígena dentro do ambiente escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2021-12-29

Como Citar

ALIENDE DA MATTA, A. A escola indígena é diferenciada? Análise da Escola Estadual Indígena Guarani Gwyra Pepo. Revista Terceiro Incluído, Goiânia, v. 11, n. 1, 2021. DOI: 10.5216/teri.v11i1.67324. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teri/article/view/67324. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS