AUTOFORMAÇÃO DE EDUCADORES NUMA PERSPECTIVA DE UMA FORMAÇÃO CONTINUADA PARA A INTEIREZA: UM INTERESSE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ.

Autores

  • Izabel Cristina Feijó de ANDRADE Profa. Dra. do Centro Universitário Municipal de São José (USJ). Coordenadora geral do ICEP - Instituto de Consultoria Educacional e Pós Graduação.
  • Leda Lísia Franciosi PORTAL Profa. Dra. da Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

DOI:

https://doi.org/10.5216/teri.v2i2.25284

Palavras-chave:

transdisciplinaridade, autoformação, inteireza do ser

Resumo

O estudo sobre a Formação Continuada sugere uma reflexão sobre qual o interesse do Centro Universitário Municipal de São José (USJ) no investimento em Formação Continuada, que contemple e enriqueça a autoformação de seus educadores para o desenvolvimento de uma Educação para a Inteireza.  Essa pesquisa está vinculada ao grupo de Pesquisa EduSer/PUCRS.  Das análises emergiram as seguintes categorias: a) Das intenções de Formação Continuada às evidências racionalistas: o desafio de fazer-se educador no caminho vivido; b) Necessidade marcada pelo travessão existencial autoformativo. Enfatizaram os gestores entrevistados, serem oferecidas oportunidades de ações de caráter formal, centradas em capacitações externas e sem consulta prévia ou avaliação posterior dos educadores, chegando alguns depoimentos a alertar sobre a oferta de capacitações com temas que nada acrescentam ao exercício da docência, tornando-se desinteressantes e até desnecessárias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Izabel Cristina Feijó de ANDRADE, Profa. Dra. do Centro Universitário Municipal de São José (USJ). Coordenadora geral do ICEP - Instituto de Consultoria Educacional e Pós Graduação.

Profa. Dra. do Centro Universitário Municipal de São José (USJ); Cursando Pós-Doutorado (PUCRS). Mestrado em Educação (UFSC). Graduação em Pedagogia (UFSC).  Coordenadora geral do ICEP - Instituto de Consultoria Educacional e Pós Graduação.

Leda Lísia Franciosi PORTAL, Profa. Dra. da Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Profa. Dra. da Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Doutorado e Mestrado em Educação (PUCRS). Pesquisadora do Departamento de Pós-Graduação em Educação (PUCRS).

Referências

ALARCÃO, I. Compreendendo e construindo a profissão do professor – da história daprofissão professor ao histórico profissional de cada professor. Universidade de Aveiro: CIFOP, 2001.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996.

CAPRA, Fritjof. As conexões ocultas, ciência para uma vida sustentável. São Paulo: Cultrix, 2003.

CATANANTE, Bene. A gestão do ser integral: como integrar alma, coração e razão no trabalho e na vida. São Paulo: Infinito, 2000.

FURTER. Pierre. Educação Permanente e Desenvolvimento Cultural. Petrópolis: Vozes,1974.

____________. Educação e Vida. Petrópolis: Vozes, 1983.

GADOTTI, Moacir. A Educação contra a educação. 5 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1984

GALVANI, Pascal. A Autoformação, uma Perspectiva Transpessoal, Transdisciplinar e Transcultural. In: Educação e Transdisciplinaridade II – CETRANS. São Paulo: TRIOM,p. 95-121, 2002.

JOSSO, Marie-Christine. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004.

KUJAWSKI, Gilberto M. Filosofia: a razão a serviço da vida. São Paulo: Nacional, 1985.

LARROSA, Jorge; SKLIAR, Carlos. Habitantes de Babel: política e poética da diferença, Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti; et. al. Escola e aprendizagem da docência: processos deinvestigação e formação. São Carlos: EdUFSCar, 2002. 203 p.

MORAES, Maria Cândida. Pensamento eco-sistêmico, educação, aprendizagem e cidadania no século XXI. Petrópolis: Vozes, 2004.

______. A formação do educador a partir da complexidade e da transdisciplinaridade. Diálogo Educ., Curitiba, v. 7, n. 22, p.13-38, set./dez. 2007

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Lisboa: Instituto Piaget, 1995.

______. A cabeça bem feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

______. Ciência com consciência. 6. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

______. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2005.

MOROSINI, Marília Costa. Enciclopédia de Pedagogia Universitária. Glossário Vol2.Brasília-DF, Brasil. INEP/MEC, 2006.

NICOLESCU, Basarab. O manifesto da transdisciplinaridade. São Paulo: TRIOM, 1999.

PINEAUG. Gaston, Temporalidades na formação. São Paulo: Triom (traduction de Temporalités em formation. Vers de nouveaux synchroniseurs, 2004.

SILVA, Ana Maria Costa. A formação contínua de professores: uma reflexão

sobre as práticas e as práticas de reflexão em formação. Educação e Sociedade, campinas, v.21, n. 72, ago, 2000.

VEIGA, Ilma Passos A; RESENDE, Lúcia M. G.; FONSECA, Marília. Aulua universitária e inovação. in: VEIGA, Ilma Passos A e CASTANHO, Maria Eugênia (Orgs.) Pedagogia universitária: a aula em foco. Campinas: Papirus, 2002. p. 161-191 ZABALZA, Miguel A. Formação do docente universitário. In: O ensino universitário: seu cenário e seus protagonistas. São Paulo: Artmed, 2003. p. 145-180.

WILBER, Ken. Psicologia Integral: Consciência, Espírito, Psicologia, Terapia. São Paulo: Cultrix, 2002.

____________. Uma teoria de tudo: uma visão integral para os negócios, a política, aciência e a espiritualidade. São Paulo: Cultrix, 2003.

Downloads

Publicado

2012-12-30

Como Citar

ANDRADE, I. C. F. de; PORTAL, L. L. F. AUTOFORMAÇÃO DE EDUCADORES NUMA PERSPECTIVA DE UMA FORMAÇÃO CONTINUADA PARA A INTEIREZA: UM INTERESSE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ. Revista Terceiro Incluído, Goiânia, v. 2, n. 2, p. 123–147, 2012. DOI: 10.5216/teri.v2i2.25284. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teri/article/view/25284. Acesso em: 25 maio. 2024.