EXPANSÃO SUCROALCOOLEIRA EM GOIÁS (2006-2011): DESENVOLVIMENTO OU ATRASO?

Autores

  • Paulo Eduardo Alves Camargo CRUZ USP/Saúde pública/Saúde Ambiental

DOI:

https://doi.org/10.5216/teri.v2i2.23291

Palavras-chave:

Cana de açúcar, Goiás, Empregos, Acidente de trabalho

Resumo

A cultura sucroalcooleira é um paradigma da produção agrícola no Brasil: o complexo sucroalcooleiro é moderno, tem crédito financeiro e articulação política. Estimativas indicam a produção de 39 milhões de litros de etanol em 2021, gerando demanda por áreas para o cultivo. O Estado de Goiás apresentou um crescimento de 83% entre 2006 e 2011 no processamento de cana, tornando se o 4º processador de cana no Brasil. Paralelamente a esta posição inquirimos se os indicadores de trabalho, meio ambiente e saúde demonstraram alterações ou fragilidades, devido à natureza da atividade e aos impactos que incidem sobre a estrutura social, econômica e ambiental. Para analisar estes impactos, selecionamos dados do Estado de Goiás no período e detectamos a forte correlação entre a expansão da área canavieira e a queda nos indicadores de saúde ambiental. Demonstramos a relação entre a expansão canavieira e os agravos à saúde ambiental, questão posta em segundo plano, devido à importância econômica da cana de açúcar e à sua propalada facilidade em induzir desenvolvimento. Verificamos que junto a este desenvolvimento, dito sustentável, ocorrem sérios prejuízos à saúde e ao meio ambiente do entorno, tornando negativo o saldo da implantação de um complexo sucroalcooleiro para a região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Eduardo Alves Camargo CRUZ, USP/Saúde pública/Saúde Ambiental

Possui graduação em ciências sociais pela Universidade de São Paulo (2005) e especialização em economia urbana e gestão pública pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2012). Mestrando em Saúde Pública na Universidade de São Paulo - USP (Área de concentração: Saúde Ambiental). Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia do Trabalho (formação sindical e sociologias do trabalho e da educação) e no Movimento Sindical (trabalhou na Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil - CTB de 2001 a 2008). Atua na área de Diagnósticos Ambientais (Sociais e Econômicos) produzindo cenários e estudos sobre temas correlatos.

Referências

ABDALA, K. O.; RIBEIRO, F. L. Análise dos impactos da competição pelo uso do solo no estado de Goiás durante o período 2000 a 2009 provenientes da expansão do complexo sucroalcooleiro. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 65, n. 4, p. 373-400, out. 2011.

ARAÚJO-PINTO, M.; PERES, F.; MOREIRA, J. C. Utilização do modelo FPEEEA (OMS) para a análise dos riscos relacionados ao uso de agrotóxicos em atividades agrícolas do Estado do Rio de Janeiro. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, vol.17, n.6, p. 1543-1555, jun. 2012.

ARMAS, E. D.; MONTEIRO, R. T. R.; AMÂNCIO, A. V.; CORREA, R. M. L.; GUERCIO, M. A. Uso de agrotóxicos em cana-de-açúcar na bacia do Rio Corumbataí e o risco de poluição hídrica. Química Nova, São Paulo, v. 28, n. 6, p. 975-982, jun. 2005.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Produção agrícola municipal, vol. 38, Rio de Janeiro, 2011.

BRASIL. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). SIG Queimadas (http://www.dpi.inpe.br/proarco/bdqueimadas/). São José dos Campos, 2012.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) – Assessoria de Gestão Estratégica. Projeções do Agronegócio - Brasil - 2011/2012 A 2021/2022. Brasília, 2012.

BRASIL. Ministério da Previdência Social (MPAS). AEAT Infologo (www.mpas.gov.br). Brasília, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). DATASUS (www.datasus.gov.br). Brasília, 2012.

FARIA, N. M. X.; FASSA, A. G.; FACCHINI, L. A. Intoxicação por agrotóxicos no Brasil: os sistemas oficiais de informação e desafios para realização de estudos epidemiológicos. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 25-38, jan. 2007.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (FIRJAN). Índice de Desenvolvimento Municipal (IFDM). Rio de Janeiro, 2011.

LOPES, F.; RIBEIRO, H. Mapeamento de internações hospitalares por problemas respiratórios e possíveis associações à exposição humana aos produtos da queima de palha de canade-açúcar (Saccharum sp) no Estado de São Paulo. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 215-225, jun. 2006.

MIZIARA, F.; SILVA, A. A. Avanço do setor sucroalcooleiro e expansão da fronteira agrícola em Goiás. Pesquisa Agropecuária Tropical. Goiânia, v. 41, n. 3, p. 399-407, set. 2011.

RIBEIRO, H.; FICARELLI, T. R. A. Queimadas nos canaviais e perspectivas dos cortadores de cana-de-açúcar em Macatuba. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 48-63, jan. 2010.

RODRIGUES, E. B.; ABI SAAB, O. J. G.; GANDOLFO, M. A. Cana-de-açúcar: avaliação da taxa de aplicação e deposição do herbicida glifosato. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. São Paulo, v. 15, n. 1, p. 90-95, jan. 2011.

Downloads

Publicado

2012-12-30

Como Citar

CRUZ, P. E. A. C. EXPANSÃO SUCROALCOOLEIRA EM GOIÁS (2006-2011): DESENVOLVIMENTO OU ATRASO?. Revista Terceiro Incluído, Goiânia, v. 2, n. 2, p. 85–99, 2012. DOI: 10.5216/teri.v2i2.23291. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teri/article/view/23291. Acesso em: 21 maio. 2024.