Refletindo sobre as funções da música nas escolas brasileiras de educação básica: contribuições de Adorno e Merriam

Autores

  • Thaís Lobosque Aquino EMAC/UFG
  • Monique Andries Nogueira Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (FE/UFRJ).

DOI:

https://doi.org/10.5216/rp.v29i2.57119

Resumo

O presente artigo intenta contribuir para o debate sobre as funções da música nas escolas de educação básica, tendo como pano de fundo as recentes modificações legais do sistema normativo educacional brasileiro. A busca pela efetiva presença da música, entendida enquanto campo do saber, tem gerado novas demandas por reflexões e discussões sobre aspectos basilares como seus significados e suas funções nas escolas de educação básica. Neste trabalho, emprega-se o procedimento da comparação (FREIRE, 2010), pela via da análise bibliográfica das contribuições de Merriam (1964) e, com especial ênfase, de Adorno (1975, 1993, 2011), de modo a trazer à baila outras possibilidades analíticas e epistemológicas para se pensar a educação musical escolar no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís Lobosque Aquino, EMAC/UFG

Doutora em Educação (UFRJ), Mestre em Música (UFG) e Mestre em Educação (UFG). Professora adjunta na Escola de Música e Artes Cênicas da Universidade Federal de Goiás (EMAC/UFG).

Monique Andries Nogueira, Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (FE/UFRJ).

Graduada em Música pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e em Educação Artística pelo Conservatório Brasileiro de Música - Centro Universitário. Mestra em Educação Escolar Brasileira pela Universidade Federal de Goiás e Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo. Professora associada na Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (FE/UFRJ).

Downloads

Publicado

2019-02-08

Como Citar

AQUINO, T. L.; NOGUEIRA, M. A. Refletindo sobre as funções da música nas escolas brasileiras de educação básica: contribuições de Adorno e Merriam. Revista Polyphonía, Goiânia, v. 29, n. 2, 2019. DOI: 10.5216/rp.v29i2.57119. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sv/article/view/57119. Acesso em: 15 ago. 2022.