Memória, identidade cultural e literatura: possibilidades de diálogos

Autores

  • Denise da Silva de Oliveira Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Humanas, Sociais e da Natureza da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Campus Londrina.
  • Marilu Martens Oliveira Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Humanas, Sociais e da Natureza da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Campus Londrina.

Resumo

Serão apresentados os resultados de uma pesquisa de caráter bibliográfico e exploratório, enfocando, prioritariamente, a atividade com os gêneros de caráter confessional. Dois são os temas principais que circundam toda ainvestigação - identidade cultural e memória – que, além de terem uma base teórica que os fundamenta, são o substratopara a composição das atividades práticas propostas.O problema que norteou o estudo visou a esclarecer em que medida o trabalho com os gêneros confessionais, e em especial aqueles que trazem a memória como centro de discussão, pode auxiliar os alunos a apreender que suas identidades fazem parte de um emaranhado de relações sociais, caracterizando, assim, não uma identificação homogênea e estanque, mas identidades culturais. Este empreendimento versa, portanto, sobre uma dassequências didáticas configuradora do produto educacional da pesquisa, elaborada e aplicada durante o estágio do programa de MestradoProfissional da UTFPR LONDRINA. Foi utilizado, como corpus principal, o romance Vermelho Amargo, de Bartolomeu Campos de Queirós, e os dados coletados mostraram a importância de serem adotadas práticas pedagógicas que tivessem como principal fundamento o trabalho com as vivências dos alunos, revelando uma infinidade de possibilidades, trazendo o educando para o centro da aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2015-10-21

Como Citar

OLIVEIRA, D. da S. de; OLIVEIRA, M. M. Memória, identidade cultural e literatura: possibilidades de diálogos. Revista Polyphonía, Goiânia, v. 25, n. 2, p. 349–354, 2015. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sv/article/view/38186. Acesso em: 15 ago. 2022.