O uso das tecnologias no ensino fundamental: novos desafios para o professor de educação física em uma escola pública de Goiânia

Autores

  • Ana Maria da Conceição Silva Cepae/UFG
  • Matilde Gonçalves da Penha UniEvangélica

DOI:

https://doi.org/10.5216/rp.v22i2.26681

Resumo

As tecnologias fazem parte do cotidiano, especialmente das crianças e adolescentes que nasceram em meio a elas. São eles os estudantes do Ensino Fundamental, jovens que não concebem o mundo sem a existência desses recursos. A televisão, o vídeo game, o celular, o computador e a Internet podem ser considerados os principais exemplos. A Internet apresenta fascinantes atrativos como salas de bate-papo, redes sociais, e-mails e blogs pessoais. Como as tecnologias são trabalhadas no contexto escolar? O objetivo desta pesquisa foi verificar se os professores de Educação Física utilizam as tecnologias nas aulas do Ensino Fundamental. A Educação Física é uma disciplina concebida tradicionalmente como prática, visando à promoção da saúde através de esportes, jogos, ginástica e lutas. Foi feita uma pesquisa de campo com professores e estudantes do Ensino Fundamental, com a aplicação de um questionário diferente para cada grupo. A conclusão é de que os professores de Educação Física, assim como os outros, precisam entender melhor as finalidades das tecnologias na Educação, para bem utilizá-las.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Maria da Conceição Silva, Cepae/UFG

Professora de Biologia do Cepae/UFG.

Matilde Gonçalves da Penha, UniEvangélica

Graduada em Educação Física e professora do curso de especialização Saúde Pública e Estratégia de Saúde da Família, Fisiologia do Exercício e Prescrição de Atividade Física e Enfermagem em Urgência e Emergência, da UniEvangélica.

Downloads

Publicado

2013-10-02

Como Citar

SILVA, A. M. da C.; PENHA, M. G. da. O uso das tecnologias no ensino fundamental: novos desafios para o professor de educação física em uma escola pública de Goiânia. Revista Polyphonía, Goiânia, v. 22, n. 2, 2013. DOI: 10.5216/rp.v22i2.26681. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sv/article/view/26681. Acesso em: 8 ago. 2022.