O ethos e a cenografia da elite fluminense contemporânea à abolição

Análise de duas crônicas de Machado de Assis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v35.73237

Palavras-chave:

Ethos, Cenografia, Machado de Assis, Escravidão, Crônica

Resumo

O artigo lança luz sobre duas crônicas da série bons dias!, de Machado de Assis. Aliando a análise de discurso à potencialidade do texto literário, enfoca o ethos e a cenografia da elite fluminense no período da promulgação da abolição da escravatura. Ele se baseia nos conceitos de ethos e de cenografia e em sua emergência nas crônicas de 19 de abril de 1888 e de 19 de maio de 1888. Ambas as crônicas apresentam, como narrador, homens pertencentes à elite fluminense, cujo ethos se expõe na convicção de sua superioridade em relação aos negros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Letícia Mayer Borges, Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS

Mestranda pela Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS, Brasil. 

Juracy Ignez Assmann Saraiva, Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS

Professora e pesquisadora na Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS, Brasil.

Referências

AMOSSY, Ruth. Da noção retórica de ethos à análise do discurso. In: AMOSSY, Ruth. Imagem de si no discurso: a constituição do ethos. São Paulo: Contexto, 2005. p. 9-28.

ASSIS, Machado de. 19 de abril de 1888. In: GLEDSON, John. Bons Dias! São Paulo: Unicamp, 2008a. p. 91-94.

ASSIS, Machado de. 19 de maio de 1888. In: GLEDSON, John. Bons Dias! São Paulo: Unicamp, 2008b. p. 109-111.

ARISTÓTELES. Arte retórica e arte poética. Rio de Janeiro: Edições Ediouro: Tecnoprint S. A., 2000.

CHALHOUB, Sidney. Machado de Assis: historiador. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

CHALHOUB, Sidney. Visões de liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

CHARAUDEAU, Patrick. Identidade social e identidade discursiva, o fundamento da competência comunicacional. In: PIETROLUONGO, Márcia. (org.). O trabalho da tradução. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2009. p. 309-326. Disponível em: http://www.patrick-charaudeau.com/Identidadesocial-e-identidade.html. Acesso em: 15 ago. 2022.

DUARTE, Eduardo de Assis. Machado de Assis: afrodescendente – escritos de caramujo [antologia]. Rio de Janeiro: Pallas: Crisálida, 2009.

GLEDSON, John. Bons Dias! In: GLEDSON, John. Machado de Assis: ficção e história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986, p. 114-160.

GOMES, Heloisa Toller. As marcas da escravidão: o negro e o discurso oitocentista no Brasil e nos Estados Unidos. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2009.

MAINGUENEAU, Dominique. Ethos, cenografia, incorporação. In: AMOSSY, Ruth. Imagens de si no discurso: a constituição do ethos. São Paulo: Contexto, 2005a. p. 69-92.

MAINGUENEAU, Dominique. O discurso literário contra a Literatura. In: MELLO, Renato de. (org.). Análise do Discurso e Literatura. Tradução de Renato de Mello e Renata Aiala de Mello. Belo Horizonte: Núcleo de Análise do Discurso/FALE/UFMG, 2005b. p. 17-29.

MELLO, Renato de. Análise do Discurso & Literatura: uma interface real. In: MELLO, Renato de. (org.). Análise do Discurso e Literatura. Belo Horizonte: Núcleo de Análise do Discurso/FALE/UFMG, 2005. p. 31-44.

MEYER, Augusto. Machado de Assis, 1935-1958. Rio de Janeiro: Livraria São José, 1958. p. 45-46.

SARAIVA, Juracy Assmann et al. Literatura na escola: propostas para o ensino fundamental. Porto Alegre: Artmed, 2006.

PROCÓPIO, Mariana Ramalho. Uma abordagem discursiva sobre a questão do autor. Linguagem. Estudos e Pesquisas (UFG), Goiânia, v. 17, n. 2, p. 205-220, 2013. Disponível em: https://www.locus.ufv.br/bitstream/123456789/23777/1/artigo.pdf. Acesso em: 14 nov. 2021.

TRÍPOLI, Mailde Jerônimo. Imagens, máscaras e mitos: o negro na obra de Machado de Assis. Campinas: Editora da UNICAMP, 2006.

Downloads

Publicado

2023-03-29

Como Citar

BORGES, L. M.; SARAIVA, J. I. A. O ethos e a cenografia da elite fluminense contemporânea à abolição: Análise de duas crônicas de Machado de Assis. Signótica, Goiânia, v. 35, p. e73237, 2023. DOI: 10.5216/sig.v35.73237. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/73237. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Estudos Literários